Sem au­men­tos, sin­di­ca­tos da fun­ção pú­bli­ca unem-se na gre­ve

Sin­di­ca­tos da UGT e CGTP anun­ci­a­ram gre­ve pa­ra 26 de Ou­tu­bro

Edição Público Lisboa - - FRONT PAGE - Ra­quel Mar­tins ra­quel.mar­tins@pu­bli­co.pt

In­dig­na­dos e in­cré­du­los, os sin­di­ca­tos da fun­ção pú­bli­ca saí­ram da reu­nião de on­tem com a equi­pa das Fi­nan­ças sem qual­quer pro­pos­ta de au­men­to sa­la­ri­al e sem res­pos­ta às su­as prin­ci­pais rei­vin­di­ca­ções. E pa­ra dei­xa­rem cla­ro que não con­cor­dam com a for­ma co­mo o Go­ver­no es­tá a con­du­zir as ne­go­ci­a­ções do Or­ça­men­to do Es­ta­do (OE) pa­ra 2019, que en­tra no Par­la­men­to na se­gun­da-fei­ra, os sin­di­ca­tos da UGT anun­ci­a­ram uma gre­ve pa­ra 26 de Ou­tu­bro, jun­tan­do-se à CGTP, que já ti­nha con­vo­ca­do uma pa­ra­li­sa­ção pa­ra es­se dia.

O mi­nis­tro das Fi­nan­ças es­te­ve pre­sen­te na pri­mei­ra par­te das reu­niões com ca­da um dos sin­di­ca­tos e fez o en­qua­dra­men­to po­lí­ti­co das me­di­das to­ma­das ao lon­go da le­gis­la­tu­ra des­ti­na­das aos fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos e so­bre a sus­ten­ta­bi­li­da­de das con­tas pú­bli­cas. So­bre au­men­tos sa­la­ri­ais nem uma pa­la­vra, as­se­gu­ram os sin­di­ca­tos.

“É la­men­tá­vel que à quar­ta reu­nião não ha­ja uma pro­pos­ta de au­men­tos sa­la­ri­ais”, cri­ti­cou Jo­sé Abraão, di­ri­gen­te da Fe­de­ra­ção dos Sin­di­ca­tos da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca (Fe­sap), aler­tan­do que a es­tru­tu­ra já ti­nha en­tre­ga­do um pré-avi­so de gre­ve pa­ra con­tes­tar o mé­to­do se­gui­do pe­lo Go­ver­no. “Va­mos fa­zer gre­ve, não te­mos ou­tra hi­pó­te­se”, ga­ran­te ao PÚ­BLI­CO.

Ho­ras de­pois, tam­bém a pre­si­den­te do Sin­di­ca­to dos Qua­dros Téc­ni­cos do Es­ta­do (STE), He­le­na Ro­dri­gues, se ma­ni­fes­ta­va in­cré­du­la. “Foi uma reu­nião em que nos cum­pri­men­tá­mos, mas de con­cre­to, de subs­tan­ti­vo, não ti­ve­mos na­da”, re­la­tou, pa­ra de­pois anun­ci­ar que tam­bém en­tre­ga­ram um pré-avi­so de gre­ve pa­ra 26 de Ou­tu­bro.

As du­as es­tru­tu­ras li­ga­das à UGT jun­tam-se as­sim à Fren­te Co­mum (da CGTP), que já ti­nha agen­da­do uma gre­ve pa­ra es­te dia. De­pois da reu­nião de on­tem, a di­ri­gen­te Ana Avoi­la não tem dú­vi­das de que os tra­ba­lha­do­res vão mo­bi­li­zar-se. “Vai ser uma gran­de res­pos­ta a uma po­lí­ti­ca que não es­tá a sa­tis­fa­zer os tra­ba­lha­do­res da fun­ção pú­bli­ca e que es­tá a go­rar as ex­pec­ta­ti­vas cri­a­das com es­ta go­ver­na­ção”, dis­se ci­ta­da pe­la Lu­sa.

O Go­ver­no “pre­ten­de apro­var ama­nhã [sá­ba­do] em Con­se­lho de Mi­nis­tros aqui­lo que se­rá uma pos­sí­vel pro­pos­ta, ou não, e por is­so vão vi­o­lar a lei da ne­go­ci­a­ção, por­que vão apro­var uma coi­sa que nem dis­cu­ti­ram com os sin­di­ca­tos”, la­men­tou, acres­cen­tan­do que a reu­nião de on­tem ser­viu pa­ra o mi­nis­tro das Fi­nan­ças “fa­zer char­me po­lí­ti­co”.

Sin­di­ca­tos im­pa­ci­en­tes

De acor­do com os re­la­tos dos sin­di­ca­tos, a pri­mei­ra par­te das reu­niões, em que es­te­ve Má­rio Cen­te­no, de­cor­reu num cli­ma de al­gu­ma im­pa­ci­ên­cia. O mi­nis­tro das Fi­nan­ças in­sis­tiu em dar con­ta das me­di­das to­ma­das, en­quan­to os sin­di­ca­tos que­ri­am sa­ber até on­de o Go­ver­no es­tá dis­pos­to a ir em ma­té­ria de au­men­tos sa­la­ri­ais e, so­bre­tu­do, co­nhe­cer uma pro­pos­ta em con­cre­to.

“Dis­se­mos ao se­nhor mi­nis­tro que é uma ques­tão de op­ção. Ou quer ins­cre­ver o seu no­me na his­tó­ria co­mo o mi­nis­tro que con­se­guiu que o país atin­gis­se o dé­fi­ce ze­ro pe­la se­gun­da vez, ou co­mo o mi­nis­tro que pôs fim ao mais lon­go pe­río­do de con­ge­la­men­to [dos sa­lá­ri­os da fun­ção pú­bli­ca]”, re­la­tou o di­ri­gen­te da Fe­sap.

Má­rio Cen­te­no já con­fir­mou, em de­cla­ra­ções ao PÚ­BLI­CO, que o Go­ver­no tem 50 mi­lhões de eu­ros dis­po­ní­veis pa­ra au­men­tar os sa­lá­ri­os dos tra­ba­lha­do­res do Es­ta­do. Têm es­ta­do a ser ana­li­sa­dos três ce­ná­ri­os: cin­co eu­ros de au­men­to pa­ra to­dos os fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos,

dez eu­ros pa­ra quem ga­nha até 835 eu­ros e até 35 eu­ros pa­ra sa­lá­ri­os en­tre 600 e 635 eu­ros.

Ne­nhum agra­da aos sin­di­ca­tos, que pe­dem au­men­tos pa­ra to­dos en­tre 3% e 4%.

Pro­gres­sões pa­gas em 2019

A se­gun­da par­te das ne­go­ci­a­ções foi con­du­zi­da pe­la se­cre­tá­ria de Es­ta­do da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca, Fá­ti­ma Fon­se­ca, que ga­ran­tiu aos sin­di­ca­tos que o acrés­ci­mo sa­la­ri­al das pro­gres­sões que se ini­ci­em em 2019 se­rá pa­go até ao fi­nal da­que­le ano, em vez de se pro­lon­gar por dois anos.

O com­pro­mis­so re­pre­sen­ta um re­cuo fa­ce à pro­pos­ta apre­sen­ta­da na se­ma­na pas­sa­da, que pre­via o pa­ga­men­to das pro­gres­sões em 2019 e em 2020, já na pró­xi­ma le­gis­la­tu­ra.

“Foi o úni­co com­pro­mis­so”, re­su­miu Jo­sé Abraão.

O di­ri­gen­te diz que o pa­ga­men­to da pro­gres­são se­rá fa­se­a­do, mas a se­cre­tá­ria de Es­ta­do não es­pe­ci­fi­cou os mol­des em que se­rá fei­to.

A Fe­sap adi­an­tou ain­da que a se­cre­tá­ria de Es­ta­do ga­ran­tiu tam­bém que os pon­tos acu­mu­la­dos na ava­li­a­ção du­ran­te o pe­río­do de con­ge­la­men­to e que “so­bra­ram” das pro­gres­sões po­de­rão ser con­ta­bi­li­za­dos pa­ra fu­tu­ras pro­gres­sões.

O Go­ver­no e os sin­di­ca­tos vão vol­tar a reu­nir-se na pró­xi­ma se­ma­na, em­bo­ra a da­ta ain­da não es­te­ja acer­ta­da. De to­das as for­mas, tan­to a Fe­sap co­mo o STE pe­di­ram reu­nião su­ple­men­tar com o Go­ver­no. Uma e ou­tra di­fi­cil­men­te acon­te­ce­rão an­tes de se­gun­da-fei­ra, dia em que a pro­pos­ta de Or­ça­men­to do Es­ta­do pa­ra 2019 che­ga ao Par­la­men­to.

“Foi uma reu­nião em que nos cum­pri­men­tá­mos, mas de con­cre­to, de subs­tan­ti­vo, não ti­ve­mos na­da”, afir­mou He­le­na Ro­dri­gues, do STE Pas­sa­dos se­te anos, Por­tu­gal es­tá ho­je em ple­no nos mer­ca­dos Má­rio Cen­te­no Mi­nis­tro das Fi­nan­ças

NU­NO FER­REI­RA SAN­TOS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.