SIRESP es­ca­pa ao pa­ga­men­to de multas por fa­lhas no in­cên­dio de Pe­dró­gão

Go­ver­no não vai mul­tar a em­pre­sa por­que diz não ter “evi­dên­ci­as” de in­cum­pri­men­to de con­tra­to. Após os fo­gos, crí­ti­cas cen­tra­ram-se nas fa­lhas da re­de

Edição Público Lisboa - - FRONT PAGE - Li­li­a­na Va­len­te li­li­a­na.va­len­te@pu­bli­co.pt

Tu­do se re­su­me à fal­ta de pro­vas. O Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção In­ter­na ad­mi­te que não fo­ram apli­ca­das quais­quer multas à em­pre­sa que ge­re a re­de de emer­gên­cia na­ci­o­nal por cau­sa das fa­lhas no in­cên­dio de Pe­dró­gão Gran­de, que vi­ti­mou 64 pes­so­as, por­que não “fo­ram re­co­lhi­das evi­dên­ci­as” que mos­trem que a SIRESP, SA não cum­priu com o es­ti­pu­la­do em con­tra­to com o Es­ta­do.

Na prá­ti­ca, a SIRESP, SA vai es­ca­par ao pa­ga­men­to de multas pe­las fa­lhas nas es­ta­ções-ba­se que im­pe­di­ram as co­mu­ni­ca­ções dos ope­ra­ci­o­nais du­ran­te o in­cên­dio de Pe­dró­gão Gran­de e que fo­ram o cen­tro do dis­cur­so do pri­mei­ro-mi­nis­tro no pós-in­cên­dio. Só nes­se fo­go, du­ran­te a hora em que mor­re­ram mais pes­so­as, fa­lha­ram 537 cha­ma­das, de acor­do com da­dos a que o PÚ­BLI­CO te­ve aces­so. Já em da­dos glo­bais, o mi­nis­tro Edu­ar­do Ca­bri­ta dis­se que a re­de ti­nha fa­lha­do em 2017 du­ran­te no­ve mil ho­ras.

Ain­da com Cons­tan­ça Ur­ba­no de Sou­sa co­mo mi­nis­tra, o Go­ver­no abriu uma guer­ra ao SIRESP ad­mi­tin­do não só a exi­gên­cia do pa­ga­men­to de multas, mas tam­bém a pos­si­bi­li­da­de de se ir mais lon­ge na res­pon­sa­bi­li­za­ção da em­pre­sa. Pa­ra is­so, so­cor­reu-se até de um pa­re­cer do es­cri­tó­rio de ad­vo­ga­dos Lin­kla­ters, do qual fa­zia par­te, à da­ta, o ac­tu­al mi­nis­tro ad­jun­to Si­za Vi­ei­ra. Avan­çar com um pro­ces­so nos tri­bu­nais foi uma ideia que foi pos­ta de par­te, ten­do o Go­ver­no op­ta­do ape­nas pe­la via ad­mi­nis­tra­ti­va.

Em Agos­to do ano pas­sa­do, a se­cre­ta­ria-ge­ral do MAI, que ge­re a re­la­ção com a SIRESP, SA, no­ti­fi­cou a em­pre­sa de que iria ac­ci­o­nar o pe­di­do de pe­na­li­da­des es­ti­pu­la­das no con­tra­to, por cau­sa das fa­lhas ocor­ri­das. Mais tar­de, já com Edu­ar­do Ca­bri­ta na pas­ta, a op­ção foi a de en­trar no ca­pi­tal da em­pre­sa ges­to­ra da re­de SIRESP, con­se­guin­do o Es­ta­do che­gar aos 33%, mas, não ten­do a mai­o­ria, o pro­ces­so de exi­gên­cia de pa­ga­men­to de multas pas­sou pa­ra se­gun­do pla­no.

Ago­ra, per­ce­be-se que, afi­nal, tu­do fi­cou mes­mo pe­lo ca­mi­nho. Nu­ma res­pos­ta en­vi­a­da ao Par­la­men­to, o MAI diz que “de acor­do com as in­for­ma­ções for­ne­ci­das pe­la en­ti­da­de ges­to­ra do con­tra­to SIRESP [a se­cre­ta­ria-ge­ral do MAI], es­ta não apli­cou pe­na­li­da­des à ope­ra­do­ra SIRESP, SA re­la­ti­vas a 2017, aten­den­do a que não fo­ram re­co­lhi­das evi­dên­ci­as do in­cum­pri­men­to dos ní­veis de ser­vi­ço con­tra­tu­al­men­te es­ta­be­le­ci­dos”.

O Go­ver­no nun­ca ti­nha ad­mi­ti­do que de­sis­tiu das multas à em­pre­sa. Em Mar­ço, o MAI res­pon­deu ao PÚ­BLI­CO exac­ta­men­te o con­trá­rio, di­zen­do que “não de­sis­tiu da apli­ca­ção de pe­na­li­da­des” e que es­tas se­ri­am apli­ca­das quan­do es­ti­ves­se con­cluí­do o re­la­tó­rio com o le­van­ta­men­to das fa­lhas que ti­nham ocor­ri­do em 2017. Des­de en­tão, o PÚ­BLI­CO tem pe­di­do es­te re­la­tó­rio, que nun­ca che­gou, es­tan­do a cor­rer em tri­bu­nal uma ac­ção con­tra o MAI por cau­sa des­te e de ou­tros do­cu­men­tos.

É o se­gun­do re­vés em ape­nas uma se­ma­na no que to­ca à re­la­ção en­tre o Es­ta­do e a SIRESP, SA. Pri­mei­ro, foi o Tri­bu­nal de Con­tas a não dar vis­to ao in­ves­ti­men­to de 15,6 mi­lhões de eu­ros, que per­mi­tiu com­prar 451 an­te­nas sa­té­li­te e ge­ra­do­res a ga­só­leo, re­for­çan­do a re­si­li­ên­cia e a re­dun­dân­cia da re­de; ago­ra fi­ca a sa­ber-se que tam­bém não ha­ve­rá pa­ga­men­to de multas.

Go­ver­no de­sis­te de fa­zer SIRESP pa­gar multas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.