Os bas­ti­do­res da ope­ra­ção que aba­lou as For­ças Ar­ma­das e fez cair o mi­nis­tro da De­fe­sa

Ha­via uma pis­ta: al­guém que­ria en­tre­gar as ar­mas rou­ba­das em Tan­cos. Ha­via uma vontade: sal­var o Exér­ci­to do ve­xa­me. Ha­via um de­se­jo: man­ter a Ju­di­ciá­ria Mi­li­tar à fren­te da ope­ra­ção. E hou­ve uma en­ce­na­ção pa­ra pro­cu­rar um fi­nal fe­liz. O no­ve­lo da his­tó­ri

Edição Público Lisboa - - DESTAQUE - Ana Di­as Cor­dei­ro

Oma­jor Vas­co Bra­zão já sa­bia há al­guns me­ses que es­ta­va a ser in­ves­ti­ga­do, quan­do expôs por es­cri­to, ao en­tão di­rec­tor da po­lí­cia Ju­di­ciá­ria Mi­li­tar, os mo­ti­vos por que con­si­de­ra­va que os ele­men­tos da GNR en­vol­vi­dos no es­que­ma mon­ta­do pa­ra re­cu­pe­rar o ma­te­ri­al de guer­ra de Tan­cos de­vi­am re­ce­ber um lou­vor do seu mi­nis­tro.

Nu­ma mis­si­va com da­ta de 13 de De­zem­bro de 2017, di­ri­gi­da ao co­ro­nel Luís Vi­ei­ra, Vas­co Bra­zão de­fen­de que to­dos os mi­li­ta­res en­vol­vi­dos na ope­ra­ção “são me­re­ce­do­res de se­rem jus­ta­men­te lou­va­dos pe­los res­pec­ti­vos mi­nis­tros”. Des­ta­ca em es­pe­ci­al os ele­men­tos da Guar­da Na­ci­o­nal Re­pu­bli­ca­na (GNR).

Pe­la im­por­tân­cia da ope­ra­ção e su­as ra­mi­fi­ca­ções, o ofi­ci­al da PJM, que che­fi­a­va a in­ves­ti­ga­ção do as­sal­to em Ju­nho des­se ano, de­fen­de nes­sa car­ta a ne­ces­si­da­de de se “agra­de­cer a co­o­pe­ra­ção pres­ta­da pe­los mi­li­ta­res” da GNR de Lou­lé no âm­bi­to des­ta ope­ra­ção.

O ma­jor ti­nha cons­ci­ên­cia de que to­dos se ha­vi­am en­vol­vi­do num es­que­ma ilí­ci­to, que se­ri­am apa­nha­dos mais tar­de ou mais ce­do, e que nem tu­do cor­re­ra bem. Mas man­ti­nha-se fir­me na con­vic­ção de que só des­sa for­ma ti­nham con­se­gui­do re­cu­pe­rar o ma­te­ri­al cu­jo de­sa­pa­re­ci­men­to ti­nha pro­vo­ca­do o des­cré­di­to do Exér­ci­to e um re­la­ti­vo alar­me na so­ci­e­da­de.

Pa­ra trás ti­nham fi­ca­do me­ses de con­tac­tos, con­jec­tu­ras e ar­dis que aca­ba­ram num pro­ces­so ju­di­ci­al com um mi­li­tar em pri­são pre­ven­ti­va e na de­mis­são do mi­nis­tro da De­fe­sa. Em Agos­to de 2017, quan­do o sar­gen­to Li­ma San­tos, que co­man­da­va a equi­pa de In­ves­ti­ga­ção cri­mi­nal da GNR de Lou­lé, con­tac­ta o mi­li­tar da GNR e in­ves­ti­ga­dor da PJM, sar­gen­to Pau­lo La­ge de Car­va­lho, o es­que­ma da Ju­di­ciá­ria Mi­li­tar pa­ra re­cu­pe­rar o ma­te­ri­al co­me­ça a to­mar for­ma.

Nes­se con­tac­to, Li­ma San­tos co­mu­ni­ca a La­ge Car­va­lho ter um in­for­ma­dor com in­di­ca­ções exac­tas so­bre o ma­te­ri­al fur­ta­do de Tan­cos. Es­se in­for­ma­dor - o as­sal­tan­te e úni­co ci­vil cons­ti­tuí­do ar­gui­do até ao mo­men­to - te­ria par­ti­lha­do com um mi­li­tar da GNR de Lou­lé, o guar­da Fi­li­pe Ataí­de, a in­ten­ção do gru­po por de­trás do as­sal­to (e a que per­ten­cia) em des­fa­zer-se do ma­te­ri­al.

O sar­gen­to La­ge de Car­va­lho in­for­ma en­tão o seu su­pe­ri­or, ma­jor Ro­ber­to Pin­to da Cos­ta, da PJM do Por­to, e es­te vem a Lis­boa pa­ra co­mu­ni­car pes­so­al­men­te o que sa­bia ao seu ami­go e in­ves­ti­ga­dor da PJM, ma­jor Vas­co Bra­zão. Am­bos apre­sen­tam

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.