In­te­li­gen­te, iró­ni­co e pro­pen­so à po­lé­mi­ca

Edição Público Lisboa - - DESTAQUE - Mar­ga­ri­da Go­mes

Ex­cep­ci­o­nal­men­te cul­to, com uma iro­nia de­mo­li­do­ra e tal­vez a pes­soa que mais sa­be de re­la­ções in­ter­na­ci­o­nais em Por­tu­gal, Azeredo Lo­pes faz par­te do pri­mei­ro cur­so de Di­rei­to da Uni­ver­si­da­de Ca­tó­li­ca do Por­to, on­de foi con­si­de­ra­do um alu­no mui­to bom, mas não o me­lhor des­sa for­na­da. Se­gue-se o mes­tra­do e o dou­to­ra­men­to na Ca­tó­li­ca de Lis­boa. Ar­man­do Mar­ques Gu­e­des ( já fa­le­ci­do), pai do de­pu­ta­do e ex-mi­nis­tro dos As­sun­tos Par­la­men­ta­res, Mar­ques Gu­e­des, foi o ori­en­ta­dor da sua car­rei­ra aca­dé­mi­ca.

Ho­je, não se lhe co­nhe­ce fi­li­a­ção par­ti­dá­ria. To­da­via, en­quan­to es­tu­dan­te, no an­ti­go Li­ceu D. Ma­nu­el II, no Por­to, e até mes­mo na fa­cul­da­de, Azeredo Lo­pes era con­si­de­ra­do um ac­ti­vis­ta do CDS e, ver­da­dei­ra­men­te, nun­ca per­deu a sua pro­xi­mi­da­de a es­te par­ti­do. Quan­do Pau­lo Por­tas tu­te­lou a pas­ta dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros, Azeredo co­la­bo­rou com ele co­mo con­sul­tor.

Na­tu­ral do Por­to, Azeredo Lo­pes, 57 anos, é pro­fes­sor de Di­rei­to In­ter­na­ci­o­nal na Ca­tó­li­ca. A iro­nia de­mo­li­do­ra que mui­tos lhe apon­tam tor­na-o, por ve­zes, um pro­fes­sor pou­co im­po­pu­lar jun­to dos alu­nos. Au­tor de ar­ti­gos e obras na área do Di­rei­to in­ter­na­ci­o­nal, o até ago­ra mi­nis­tro foi di­rec­tor da Es­co­la de Di­rei­to do Por­to da Uni­ver­si­da­de Ca­tó­li­ca en­tre 2005 e 2007 e na dé­ca­da de no­ven­ta, até 2004, di­ri­giu o Ga­bi­ne­te de Es­tu­dos In­ter­na­ci­o­nais da mes­ma uni­ver­si­da­de.

Ca­sa­do com uma fran­ce­sa, que te­rá co­nhe­ci­do na al­tu­ra em que es­te­ve em Fran­ça, pou­co de­pois da li­cen­ci­a­tu­ra, Jo­sé Al­ber­to de Azeredo Fer­rei­ra Lo­pes che­ga à po­lí­ti­ca pe­la mão do so­ci­a­lis­ta Jor­ge Sam­paio, com quem cons­trói uma ex­ce­len­te re­la­ção nos anos no­ven­ta, uma ami­za­de que tam­bém o apro­xi­ma do PS. Em fi­nais da dé­ca­da de no­ven­ta, em ple­no pro­ces­so de in­de­pen­dên­cia de Ti­mor-Les­te, o en­tão Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca cha­ma-o. Es­te­ve na Mis­são do Ban­co Mun­di­al em Ti­morLes­te, em 1999 e, no mes­mo ano, foi co­or­de­na­dor de uma mis­são de ob­ser­va­do­res in­ter­na­ci­o­nais à con­sul­ta po­pu­lar no país.

A ca­mi­nho do Go­ver­no

Em 2002, com o PSD no Go­ver­no, che­fi­a­do por Du­rão Bar­ro­so, in­te­grou o gru­po de Tra­ba­lho so­bre Ser­vi­ço Pú­bli­co de Te­le­vi­são, no âm­bi­to do qual ne­go­ci­ou, em re­pre­sen­ta­ção do en­tão mi­nis­tro da Pre­si­dên­cia do Con­se­lho de Mi­nis­tros, Nu­no Mo­rais Sar­men­to, o Pro­to­co­lo RTP-SIC-TVI, as­si­na­do em 2003. Três anos de­pois e até 2011, Azeredo Lo­pes pre­si­de à Co­mis­são Exe­cu­ti­va da En­ti­da­de Re­gu­la­do­ra pa­ra a Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al (ERC) e a sua pas­sa­gem por es­te or­ga­nis­mo, on­de foi ex­tre­ma­men­te in­ter­ven­ti­vo, gran­je­ou a sim­pa­tia do sec­tor pró­xi­mo de Rui Rio. Na al­tu­ra, Rui Rio era pre­si­den­te da Câ­ma­ra do Por­to e fez che­gar vá­ri­as quei­xas à ERC de­vi­do à di­fí­cil re­la­ção que ti­nha com a co­mu­ni­ca­ção so­ci­al.

Quan­do Rui Mo­rei­ra de­ci­de can­di­da­tar-se à Câ­ma­ra do Por­to, o ago­ra ex-mi­nis­tro apa­re­ce co­mo um trun­fo, pri­mei­ro por­que ti­nha bo­as re­la­ções com Pau­lo Por­tas, par­ti­do que apoi­a­va o can­di­da­to, e tam­bém por­que agra­da­va ao sec­tor de Rio que es­ta­va to­do en­vol­vi­do na can­di­da­tu­ra do ex-pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Co­mer­ci­al do Por­to, con­tra Luís Fi­li­pe Me­ne­zes, que li­de­ra­va a lis­ta do PSD.

A apro­xi­ma­ção a Rui Mo­rei­ra é de tal for­ma que de­ci­de con­vi­dar Aze­ve­do Lo­pes pa­ra che­fe de ga­bi­ne­te e te­rá si­do ele o men­tor do acor­do po­lí­ti­co gi­za­do en­tre Rui Mo­rei­ra e o so­ci­a­lis­ta Ma­nu­el Pi­zar­ro, que per­mi­tiu ao au­tar­ca in­de­pen­den­te go­ver­nar a câ­ma­ra uma vez que ga­nhou sem mai­o­ria.

Um mês de­pois da pos­se, o pre­si­den­te da Câ­ma­ra do Por­to pas­sou uma “pro­cu­ra­ção fo­ren­se”, cons­ti­tuin­do seus pro­cu­ra­do­res três ad­vo­ga­dos e um so­li­ci­ta­dor da au­tar­quia, con­ce­den­do-lhes “po­de­res es­pe­ci­ais pa­ra con­fes­sar, de­sis­tir ou tran­si­gir no âm­bi­to do pro­ces­so” ju­di­ci­al que opu­nha a Sel­mi­nho, a imo­bi­liá­ria da fa­mí­lia de Rui Mo­rei­ra, à au­tar­quia.

Es­te epi­só­dio foi o prin­cí­pio do fim da re­la­ção. O ex-che­fe de ga­bi­ne­te de Mo­rei­ra dei­xa a câ­ma­ra, em 2015, pa­ra as­su­mir o car­go de mi­nis­tro da De­fe­sa Na­ci­o­nal, uma es­co­lha que te­rá o de­do do lí­der do PS-Por­to, Ma­nu­el Pi­zar­ro, com quem Azeredo Lo­pes de­sen­vol­veu ami­za­de, de tal mo­do que, nas au­tár­qui­cas de 2017, dá o seu apoio ao ve­re­a­dor do PS. O que lhe va­leu o epi­te­to de “ca­ta-ven­to”. mar­ga­ri­da.go­mes@pu­bli­co.pt

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.