Pro­cu­ra­do­ra-ge­ral da Re­pú­bli­ca ces­san­te deu en­tre­vis­ta à SIC e ao

Edição Público Lisboa - - SOCIEDADE -

Qu­es­ti­o­na­da so­bre os gran­des ca­sos que têm mar­ca­do a jus­ti­ça por­tu­gue­sa, a pro­cu­ra­do­ra-ge­ral da Re­pú­bli­ca ces­san­te, Jo­a­na Mar­ques Vi­dal, diz que “ama­nhã po­dem apa­re­cer ca­sos ain­da mai­o­res”. Nu­ma en­tre­vis­ta de fi­nal de man­da­to, que deu à SIC e ao se­ma­ná­rio Ex­pres­so, a ma­gis­tra­da re­ve­lou ain­da que sou­be du­as ho­ras an­tes do anún­cio da sua su­ces­so­ra que não ve­ria o seu man­da­to re­no­va­do e mais tar­de, uma hora de­pois, quem iria ser a no­va ti­tu­lar do car­go. Foi a mi­nis­tra da Jus­ti­ça quem lhe te­le­fo­nou a anun­ci­ar-lhe o no­me de Lu­cí­lia Ga­go. Re­cu­sou-se, po­rém, a di­zer qual te­ria si­do a sua res­pos­ta ca­so lhe ti­ves­se si­do pe­di­do pa­ra fi­car à fren­te do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co: “Se­ria ar­ro­gân­cia da mi­nha par­te di­zer que es­ta­va dis­po­ní­vel sem ter si­do con­vi­da­da.”

Mar­ques Vi­dal re­co­nhe­ce que foi des­con­for­tá­vel a po­lé­mi­ca que se ge­rou à vol­ta da sua subs­ti­tui­ção des­de Ja­nei­ro pas­sa­do, al­tu­ra em que a mi­nis­tra da Jus­ti­ça anun­ci­ou que não ten­ci­o­na­va re­con­du­zi­la. “Não me sen­ti mui­to bem. Ge­rou-se um jo­go [po­lí­ti­co] ao qual fui com­ple­ta­men­te alheia e so­bre o qual não me po­dia pro­nun­ci­ar.” Em­bo­ra con­ti­nue a de­fen­der que o man­da­to do pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca de­va ser úni­co, a ma­gis­tra­da de­fen­de que ele pos­sa es­ten­der-se até aos no­ve anos, em vez dos ac­tu­ais seis. É que dei­xou por com­ple­tar al­gu­mas ta­re­fas que con­si­de­ra im­por­tan­tes, ad­mi­te: “Ain­da há mui­to a fa­zer nos cri­mes de vi­o­lên­cia do­més­ti­ca.” A de­fe­sa dos cha­ma­dos “di­rei­tos di­fu­sos da co­mu­ni­da­de” — os di­rei­tos cul­tu­rais ou o di­rei­to ao am­bi­en­te, por exem­plo — é ou­tra área “on­de, in­fe­liz­men­te, o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co ain­da não se con­se­guiu or­ga­ni­zar pa­ra exer­cer as su­as fun­ções”.

Se­ja co­mo for, o no­vo Es­ta­tu­to do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, que es­tá pa­ra dis­cus­são no Par­la­men­to, pre­vê a cri­a­ção de uma no­va uni­da­de, pre­ci­sa­men­te com es­ta mis­são. A ex-pro­cu­ra­do­ra­ge­ral da Re­pú­bli­ca la­men­tou, de res­to, que não te­nha si­do pos­sí­vel con­cluir a re­vi­são des­te es­ta­tu­to du­ran­te o seu man­da­to. So­bre o seu fu­tu­ro, Jo­a­na Mar­que Vi­dal, que tem 62 anos, ex­pli­cou que o mais cer­to se­rá in­te­grar um dos tri­bu­nais de to­po que exis­tem, se­ja o Su­pre­mo Tri­bu­nal de Jus­ti­ça ou o Su­pre­mo Tri­bu­nal Ad­mi­nis­tra­ti­vo. An­tes dis­so, quer ti­rar um mês de li­cen­ça. “Pa­ra com­pen­sar as fé­ri­as que não ti­ve”, acres­cen­tou.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.