Pro­fes­so­res vão ter fal­tas in­jus­ti­fi­ca­das se fi­ze­rem gre­ve

Pa­ra­li­sa­ção abran­ge ac­ti­vi­da­des não lec­ti­vas e de­cor­re en­tre se­gun­da-fei­ra e 31 de De­zem­bro. Mi­nis­té­rio diz que se tra­ta de uma gre­ve self-ser­vi­ce que vi­o­la o que se en­con­tra es­ti­pu­la­do na lei

Edição Público Lisboa - - SOCIEDADE - Edu­ca­ção Cla­ra Viana

Os pro­fes­so­res que a par­tir de se­gun­da-fei­ra fi­ze­rem gre­ve às ac­ti­vi­da­des não lec­ti­vas, con­vo­ca­da por dez es­tru­tu­ras sin­di­cais, vão ter fal­tas in­jus­ti­fi­ca­das. O avi­so foi fei­to on­tem pe­lo Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção (ME) nu­ma no­ta que en­vi­ou aos sin­di­ca­tos de pro­fes­so­res.

Nos ter­mos da Lei Ge­ral de Tra­ba­lho em Fun­ções Pú­bli­cas (LGTFP), as fal­tas in­jus­ti­fi­ca­das im­pli­cam cor­tes nos sa­lá­ri­os e des­con­tos na an­ti­gui­da­de, um vec­tor que pa­ra os pro­fes­so­res é de­ter­mi­nan­te nos con­cur­sos de co­lo­ca­ção.

Na no­ta do ME, a que o PÚ­BLI­CO te­ve aces­so, es­pe­ci­fi­ca-se que os sin­di­ca­tos não cum­pri­ram o que se en­con­tra es­ti­pu­la­do quan­do a gre­ve afec­ta um “sec­tor que se des­ti­na à sa­tis­fa­ção de ne­ces­si­da­des so­ci­ais im­pre­te­rí­veis”. A edu­ca­ção foi in­cluí­da nes­te gru­po pe­lo an­te­ri­or Go­ver­no na sequên­cia de uma gre­ve aos exa­mes na­ci­o­nais de­cre­ta­da du­ran­te o man­da­to do ex-mi­nis­tro Nu­no Cra­to.

Quan­do se tra­ta de um ser­vi­ço des­tes, a LGTFP de­ter­mi­na que têm de ser cum­pri­dos ser­vi­ços mí­ni­mos e que, por is­so, o pré-avi­so de gre­ve tem de ser en­tre­gue com uma an­te­ce­dên­cia de dez di­as úteis. Es­ta nor­ma “não foi cum­pri­da”, fri­sa o ME. O pré-avi­so de gre­ve foi en­tre­gue na pas­sa­da se­gun­da-fei­ra, dia 8 de Ou­tu­bro. Subs­cri­to pe­la Fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal de Pro­fes­so­res (Fen­prof ) e pe­la Fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal de Edu­ca­ção (FNE), en­tre ou­tras es­tru­tu­ras, de­ter­mi­na que a gre­ve te­rá iní­cio a 15 de Ou­tu­bro e ter­mo a 31 de De­zem­bro.

Uma das ac­ti­vi­da­des abran­gi­das pe­la gre­ve é o apoio a alu­nos com di­fi­cul­da­des, que é pres­ta­do fo­ra das au­las. Tam­bém se­rão afec­ta­das reu­niões de “con­se­lho pe­da­gó­gi­co, con­se­lho de de­par­ta­men­to, con­se­lho de do­cen­tes, con­se­lho de tur­ma e ou­tras”, en­tre as quais fi­gu­ram as que fo­rem con­vo­ca­das pa­ra a apli­ca­ção do no­vo re­gi­me da edu­ca­ção in­clu­si­va. Pa­ra o ME, tra­ta-se as­sim de uma gre­ve self-ser­vi­ce, que pas­sou a ser ilí­ci­ta por via de um pa­re­cer do Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção con­se­lho con­sul­ti­vo da Pro­cu­ra­do­ri­aGe­ral da Re­pú­bli­ca da­ta­do de 1999. Es­te pa­re­cer te­ve co­mo ob­jec­to uma gre­ve con­vo­ca­da pe­lo Sin­di­ca­to In­de­pen­den­te dos Mé­di­cos, em que se pre­via, se­gun­do se lê no seu tex­to, a “in­ter­rup­ção e re­to­ma­da do tra­ba­lho pe­los mé­di­cos, sem­pre que qui­se­rem e pe­lo tem­po que qui­se­rem”.

O con­se­lho con­sul­ti­vo da PGR con­cluiu a pro­pó­si­to que a no­ção de gre­ve “su­põe, co­mo ele­men­tos es­sen­ci­ais, uma ac­tu­a­ção co­lec­ti­va e con­cer­ta­da dos tra­ba­lha­do­res na pros­se­cu­ção de ob­jec­ti­vos co­muns”. Ou se­ja, tra­duz o ME na sua no­ta, “a ade­são in­di­vi­du­al do tra­ba­lha­dor tem de ser cog­nos­cí­vel pe­lo em­pre­ga­dor, pe­lo que de­ve ser de sen­ti­do e sig­ni­fi­ca­do inequí­vo­cos, o que não acon­te­ce no pre­sen­te ca­so”.

Por ou­tro la­do, o ME en­ten­de que a gre­ve vi­o­la tam­bém o Có­di­go do Tra­ba­lho no que nes­te se en­con­tra es­ti­pu­la­do so­bre os efei­tos das pa­ra­li­sa­ções. É o se­guin­te: “A gre­ve sus­pen­de, no que res­pei­ta aos tra­ba­lha­do­res que a ela ade­ri­rem, as re­la­ções emer­gen­tes do con­tra­to, no­me­a­da­men­te o di­rei­to à re­mu­ne­ra­ção e, em consequência, des­vin­cu­la-os dos de­ve­res de su­bor­di­na­ção e as­si­dui­da­de.” Mais con­cre­ta­men­te, se­gun­do en­ten­dem al­guns ju­ris­tas, quan­do a gre­ve é ape­nas “a uma par­te da pres­ta­ção do tra­ba­lho, es­ta é ilí­ci­ta, por­que a gre­ve pres­su­põe a abs­ten­ção to­tal”.

Es­te foi o ti­po de gre­ve es­co­lhi­do pe­los sin­di­ca­tos de pro­fes­so­res no fi­nal do ano lec­ti­vo pas­sa­do. Du­ran­te mais de um mês fi­ze­ram gre­ve aos con­se­lhos de tur­ma, nos quais se de­ci­de a ava­li­a­ção dos alu­nos. Na al­tu­ra, o ME não en­ten­deu que es­ta ac­ção era ilí­ci­ta, ten­do ape­nas re­que­ri­do ser­vi­ços mí­ni­mos pa­ra as reu­niões de ava­li­a­ção do 9.º, 11.º e 12.º anos, por­que a au­sên­cia de no­tas po­ria em cau­sa a re­a­li­za­ção dos exa­mes na­ci­o­nais pe­los alu­nos des­tes anos. O PÚ­BLI­CO ten­tou ob­ter uma re­ac­ção da Fen­prof e da FNE, mas até à hora do fe­cho des­tas pá­gi­nas tal não foi pos­sí­vel. An­tes da no­ta do ME ser tor­na­da pú­bli­ca, a Fen­prof ti­nha, con­tu­do, ad­mi­ti­do que a gre­ve po­dia pro­lon­gar-se até Agos­to.

Con­si­de­rar-se-ão co­mo fal­tas in­jus­ti­fi­ca­das even­tu­ais ausências do tra­ba­lha­dor

cvi­a­na@pu­bli­co.pt

NU­NO FER­REI­RA SAN­TOS

No­va gre­ve de pro­fes­so­res te­rá iní­cio na se­gun­da-fei­ra e es­ten­de-se até 31 de De­zem­bro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.