Multas às pla­ta­for­mas se­rão vis­tas sob no­va lei

IMT tem 2297 con­tra-or­de­na­ções li­ga­das a ope­ra­do­res de transporte co­mo Uber, Ta­xify e Ca­bify que têm se ser re­a­na­li­sa­das

Edição Público Lisboa - - ECONOMIA - Trans­por­tes

O Ins­ti­tu­to da Mo­bi­li­da­de e dos Trans­por­tes (IMT) con­fir­mou exis­ti­rem 2297 con­tra-or­de­na­ções li­ga­das aos ope­ra­do­res de transporte de pas­sa­gei­ros em veí­cu­lo des­ca­rac­te­ri­za­do (TVDE) li­ga­dos às pla­ta­for­mas elec­tró­ni­cas (co­mo a Uber, Ta­xify e Ca­bify), re­ve­lan­do que es­tas te­rão de ser “ana­li­sa­das e en­qua­dra­das” após a en­tra­da em vi­gor da lei que irá re­gu­lar os ope­ra­do­res de TVDE e as pla­ta­for­mas, no dia 1 de No­vem­bro.

Em res­pos­ta à agên­cia Lu­sa, o IMT avan­çou que ao abri­go da Lei 35/2016, que veio re­gu­la­men­tar o aces­so à ac­ti­vi­da­de e ao mer­ca­do dos trans­por­tes em tá­xi, re­for­çan­do as me­di­das dis­su­a­so­ras da ac­ti­vi­da­de ile­gal nes­te sec­tor, fo­ram ins­tau­ra­dos 2297 pro­ces­sos de con­tra-or­de­na­ção. Em 2016 fo­ram le­van­ta­das 34 con­tra­or­de­na­ções, em 2017 fo­ram 1628 e es­te ano fo­ram pas­sa­das 635.

Exis­tem du­as ti­po­lo­gi­as de in­frac­ção: quan­to ao exer­cí­cio da ac­ti­vi­da­de sem o al­va­rá, ten­do o IMT re­gis­ta­do 517 pro­ces­sos; e quan­to à prá­ti­ca de an­ga­ri­a­ção, com re­cur­so a sis­te­mas de co­mu­ni­ca­ções elec­tró­ni­cas, de ser­vi­ços pa­ra vi­a­tu­ras sem al­va­rá, que ge­rou 1780 pro­ces­sos.

De acor­do com a no­ta do IMT, aten­den­do que a prá­ti­ca das in­frac­ções ocor­reu no âm­bi­to de um de­ter­mi­na­do qua­dro le­gal (Lei 35/2016), os pro­ces­sos em cur­so “te­rão de ser ana­li­sa­dos e en­qua­dra­dos no no­vo re­gi­me, de acor­do com a ti­po­lo­gia in­frac­ci­o­nal, a da­ta dos fac­tos e qual o re­gi­me que se mos­tra mais fa­vo­rá­vel aos ar­gui­dos”. “As­sim, no que se re­fe­re aos pro­ces­sos de con­tra-or­de­na­ção, e em ge­ral, há que ter pre­sen­te que a es­tes se apli­ca o prin­cí­pio cons­ti­tu­ci­o­nal ‘do tra­ta­men­to mais fa­vo­rá­vel ao ar­gui­do’”, re­fe­re.

O ins­ti­tu­to adi­an­ta que “não po­de­rá as­su­mir que os pro­ces­sos ins­tau­ra­dos dei­xa­rão de ter ca­bi­men­to”, lem­bran­do que “há que pro­ce­der a uma aná­li­se dos mes­mos de for­ma in­di­vi­du­a­li­za­da con­si­de­ran­do pe­ran­te o ca­so con­cre­to qual o re­gi­me apli­cá­vel”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.