Não há “ge­rin­gon­ça” à es­pa­nho­la mas lí­der do Go­ver­no já tem com­pa­nhia

O apoio do Po­de­mos se­rá fun­da­men­tal pa­ra Sán­chez ten­tar apro­var o Or­ça­men­to, mas não há “um pac­to de le­gis­la­tu­ra”

Edição Público Lisboa - - MUNDO - Sofia Lo­re­na

O jor­nal El País cha­ma-lhe “es­ta es­pé­cie de co-go­ver­no” e ad­mi­te que o pac­to or­ça­men­tal al­can­ça­do pe­lo Go­ver­no de Pe­dro Sán­chez com a co­li­ga­ção Uni­dos Po­de­mos “tem um va­lor po­lí­ti­co ine­gá­vel”. No diá­rio on­li­ne in­foLi­bre, o co­lu­nis­ta Luis Ar­royo pro­cla­ma “Por fim, po­lí­ti­ca!”.

Pa­ra além do con­teú­do, que as­si­na­la em de­fi­ni­ti­vo o fim da era da aus­te­ri­da­de li­de­ra­da pe­la di­rei­ta, com os se­te anos de Ma­ri­a­no Ra­joy (PP) no po­der, a as­si­na­tu­ra do do­cu­men­to, na quin­ta-fei­ra, foi en­ce­na­da co­mo se de um acor­do de apoio go­ver­na­men­tal se tra­tas­se. Pa­blo Igle­si­as, lí­der do Po­de­mos (e da ali­an­ça des­te com a Es­quer­da Uni­da), não dei­xou de afir­mar is­so mes­mo: “É um pon­to de par­ti­da pa­ra uma no­va eta­pa eco­nó­mi­ca es­pa­nho­la, que creio aca­ba­rá com um Go­ver­no de co­li­ga­ção”.

Já não se tra­ta só de ga­ran­tir o apoio a Sán­chez pa­ra que es­te ter­mi­ne a ac­tu­al le­gis­la­tu­ra e go­ver­ne du­ran­te mais ano e meio — Igle­si­as já pen­sa na pró­xi­ma le­gis­la­tu­ra. Mas, ao mes­mo tem­po, quis dei­xar cla­ro que es­te não é “um pac­to de le­gis­la­tu­ra pro­pri­a­men­te di­to”, pe­lo que não ga­ran­te o apoio in­con­di­ci­o­nal do Po­de­mos nou­tras vo­ta­ções.

Sán­chez che­gou ao po­der em Ju­nho, ao reu­nir apoi­os pa­ra apro­var uma mo­ção de cen­su­ra con­tra Ra­joy (que go­ver­na­va em mi­no­ria apoi­a­do pe­la di­rei­ta li­be­ral do Ci­da­dãos). O pre­tex­to, as con­de­na­ções de vá­ri­os di­ri­gen­tes do Par­ti­do Po­pu­lar (e do pró­prio PP), no pro­ces­so Gür­tel, uma gi­gan­tes­ca re­de de cor­rup­ção, fa­ci­li­ta­va a ne­go­ci­a­ção. Mes­mo as for­ma­ções que mais se dis­tan­ci­am do PSOE po­di­am vo­tar ao seu la­do sem re­ceio de gran­des con­sequên­ci­as jun­to do elei­to­ra­do. Afi­nal, to­dos são em prin­cí­pio con­tra a cor­rup­ção.

Tra­tou-se de um ca­so cla­ro de união fa­ce a um ini­mi­go co­mum: o Po­de­mos não po­dia dei­xar es­ca­par a hi­pó­te­se de der­ru­bar um exe­cu­ti­vo com po­lí­ti­cas tão di­fe­ren­tes das que de­fen­de; pa­ra os res­tan­tes, dos na­ci­o­na­lis­tas bas­cos aos in­de­pen­den­tis­tas ca­ta­lães, tu­do se­ria me­lhor do que Ra­joy, prin­ci­pal­men­te de­pois da for­ma au­to­ri­tá­ria com que es­te ge­riu a cri­se ca­ta­lã pro­vo­ca­da pe­lo re­fe­ren­do ile­gal so­bre a in­de­pen­dên­cia.

Con­tas fei­tas, Sán­chez pre­ci­sa­va de mais do que os 169 de­pu­ta­dos do PP (134) e do C’s, de Al­bert Ri­ve­ra (32), so­ma­dos aos três dos que sem­pre vo­tam com es­te blo­co (dois da UNP, um do Fo­ro As­tu­ri­as). Che­gou aos 180 a fa­vor (em 350), te­ve uma abs­ten­ção e os tais 169 vo­tos con­tra.

Ou se­ja, a 1 de Ju­nho, o lí­der so­ci­a­lis­ta con­se­guiu jun­tar pra­ti­ca­men­te to­dos os vo­tos à sua dis­po­si­ção, di­vi­di­dos por 18 par­ti­dos: o dos seus 77 de­pu­ta­dos, os 48 do po­de­mos, os oi­to da ERC (Es­quer­da Re­pu­bli­ca­na da Ca­ta­lu­nha), os oi­to do PDeCAT (co­li­ga­ção do ex-pre­si­den­te ca­ta­lão, Car­les Puig­de­mont), os se­te do Par­ti­do So­ci­a­lis­ta da Ca­ta­lu­nha, os seis do Par­ti­do Co­mu­nis­ta de Es­pa­nha e os cin­co dos na­ci­o­na­lis­tas bas­cos (PNV), pa­ra além dos 21 que so­mam to­das as res­tan­tes pe­que­nas ban­ca­das.

Tan­tas di­fe­ren­ças

Pen­san­do na cha­ma­da “ge­rin­gon­ça” por­tu­gue­sa, em que o exe­cu­ti­vo so­ci­a­lis­ta de An­tó­nio Cos­ta con­ta com o apoio par­la­men­tar dos elei­tos pe­lo PCP e pe­lo Blo­co de Es­quer­da (so­ma que lhe per­mi­te go­ver­nar mes­mo que nas ur­nas te­nha fi­ca­do atrás da PaF, co­li­ga­ção PSD/CDS), ape­te­ce di­zer que o pri­mei­ro-mi­nis­tro por­tu­guês te­ve ta­re­fa fá­cil — pa­ra con­se­guir um apoio de Go­ver­no es­tá­vel, Sán­chez te­ria de reu­nir mui­to mais apoi­os, de for­ma­ções mui­tís­si­mo di­ver­sas e, em al­guns ca­sos, com in­te­res­ses mais re­gi­o­nais do que na­ci­o­nais.

Não só Es­pa­nha é um Es­ta­do plu­ri­na­ci­o­nal co­mo o ac­tu­al qua­dro par­ti­dá­rio dos dois paí­ses não tem com­pa­ra­ção. Ain­da que Igle­si­as pis­que o olho a uma co­li­ga­ção, é pou­co pro­vá­vel que es­te­ja a pen­sar ser par­cei­ro se­cun­dá­rio: o par­ti­do que nas­ceu do mo­vi­men­to dos in­dig­na­dos e no iní­cio de 2014 dis­pu­ta aber­ta­men­te a he­ge­mo­nia da es­quer­da es­pa­nho­la, que­ren­do subs­ti­tuir o PSOE na sua li­de­ran­ça e go­ver­nar.

Es­pa­nha não pas­sou a ter uma “ge­rin­gon­ça” (ape­sar dos ha­bi­tu­ais co­men­tá­ri­os a pro­pó­si­to nos en­con­tros en­tre Cos­ta e Sán­chez), mas is­so não re­ti­ra pe­so ao acor­do. O pac­to sig­ni­fi­ca que o pri­mei­ro-mi­nis­tro es­pa­nhol dei­xou de es­tar so­zi­nho e is­so for­ta­le­ce-o, mes­mo que não con­si­ga apro­var o or­ça­men­to ago­ra anun­ci­a­do (e que te­rá de pas­sar pe­lo cri­vo de Bru­xe­las an­tes de ser de­ba­ti­do no Con­gres­so). E mes­mo que a com­pa­nhia se­ja a de Igle­si­as, que “con­si­de­ra o PSOE cúm­pli­ce dos abu­sos da cas­ta e que o PSOE sem­pre te­meu e des­pre­zou por te­mer que ve­nha a subs­ti­tuí-lo”, re­su­me Ar­royo.

Aliás, a fo­to­gra­fia dos sor­ri­den­tes lí­de­res e o aper­to de mão se­ri­am con­si­de­ra­dos im­pos­sí­veis ain­da em 2015, de­pois das le­gis­la­ti­vas, quan­do Sán­chez foi der­ru­ba­do da li­de­ran­ça do PSOE por ou­sar ad­mi­tir um go­ver­no de co­li­ga­ção com o Po­de­mos ou pe­lo me­nos com o apoio des­te pa­ra im­pe­dir o PP de con­ti­nu­ar no go­ver­no. Na al­tu­ra, com as vo­ta­ções no PP, C’s, PSOE e Po­de­mos mui­to apro­xi­ma­das, os es­pa­nhóis fo­ram cha­ma­dos de no­vo às ur­nas — o re­sul­ta­do foi idên­ti­co, mas à se­gun­da Ra­joy ad­mi­tiu fi­car em mi­no­ria, apoi­a­do pe­lo C’s.

Sán­chez já não es­tá so­zi­nho na fo­to­gra­fia nem no es­for­ço pa­ra con­ven­cer ou­tros a apoi­ar es­te or­ça­men­to: o Po­de­mos se­rá es­sen­ci­al, prin­ci­pal­men­te ago­ra que ERC e PDeCAT se de­sen­ten­de­ram e per­de­ram a mai­o­ria no par­la­men­to ca­ta­lão, o que au­men­tou o va­lor dos oi­to de­pu­ta­dos da ali­an­ça de es­quer­da CatCo­mú na as­sem­bleia au­to­nó­mi­ca.

A co­li­ga­ção do Po­de­mos ca­ta­lão com a pla­ta­for­ma da au­tar­ca de Bar­ce­lo­na, Ada Co­lau, po­de ser ins­tru­men­tal pa­ra ne­go­ci­ar o even­tu­al apoio de um dos par­ti­dos in­de­pen­den­tis­tas com re­pre­sen­ta­ção na­ci­o­nal, pro­va­vel­men­te o da ERC, já que o par­ti­do de Puig­de­mont es­tá ca­da vez mais in­tran­si­gen­te.

Quan­do Sán­chez re­gis­tou a mo­ção de cen­su­ra, no fim de Maio, pou­cos acre­di­ta­ram no seu su­ces­so. O ca­mi­nho pa­ra apro­var o or­ça­men­to ou con­ti­nu­ar a go­ver­nar sem ir a vo­tos pa­re­ce tor­tu­o­so, mas não há im­pos­sí­veis em po­lí­ti­ca. Só que nem to­das as so­lu­ções atí­pi­cas ou iné­di­tas se cha­mam “ge­rin­gon­ça”.

“É um pon­to de par­ti­da pa­ra uma no­va eta­pa, que creio aca­ba­rá com um Go­ver­no de co­li­ga­ção”, diz Igle­si­as sem ga­ran­tir apoio in­con­di­ci­o­nal a Sán­chez

slo­re­na@pu­bli­co.pt

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.