Had­dad já ti­nha vi­da di­fí­cil con­tra Bol­so­na­ro e Ci­ro Go­mes não fa­ci­li­ta

Can­di­da­to do PT afas­tou-se da ima­gem de Lu­la da Sil­va, mas os apoi­os não apa­re­cem. O PDT de Ci­ro Go­mes deu-lhe um apoio frio e o ex-pre­si­den­te Fer­nan­do Hen­ri­que Car­do­so man­tém uma po­si­ção mor­na

Edição Público Lisboa - - MUNDO - Bra­sil Ale­xan­dre Mar­tins

O sprint fi­nal de Fer­nan­do Had­dad pa­ra al­can­çar Jair Bol­so­na­ro na cor­ri­da pe­la Pre­si­dên­cia do Bra­sil es­tá a en­con­trar ain­da mais obs­tá­cu­los do que se pre­via an­tes da re­a­li­za­ção da pri­mei­ra vol­ta, que o can­di­da­to da ex­tre­ma-di­rei­ta qua­se ven­ceu sem pre­ci­sar de re­pe­tir a ida às ur­nas.

No fi­nal da pri­mei­ra se­ma­na após a re­a­li­za­ção da pri­mei­ra vol­ta, que era im­por­tan­te pa­ra se per­ce­ber se o can­di­da­to do PT po­de­ria con­tar com a mai­o­ria dos vo­tos que não fo­ram pa­ra Bol­so­na­ro, Had­dad viu ser pu­bli­ca­da uma son­da­gem que man­tém o fos­so em re­la­ção ao seu ad­ver­sá­rio — e te­ve ou­tras más no­tí­ci­as.

Um dos ca­mi­nhos pos­sí­veis pa­ra en­cur­tar a dis­tân­cia de 16 pon­tos era re­ce­ber um apoio cla­ro de Ci­ro Go­mes, o can­di­da­to do Par­ti­do De­mo­crá­ti­co Tra­ba­lhis­ta (PDT), de cen­tro­es­quer­da, que fi­cou em ter­cei­ro lu­gar na pri­mei­ra vol­ta, com 12%.

Se Had­dad pu­des­se con­tar com a es­ma­ga­do­ra mai­o­ria dos mais de 13 mi­lhões de vo­tos de Ci­ro Go­mes, te­ria um ca­mi­nho mais de­sa­fo­ga­do pa­ra se apro­xi­mar de Bol­so­na­ro.

Mas o re­sul­ta­do das con­ver­sa­ções en­tre os dois, es­ta se­ma­na, não ga­ran­te que se­ja es­se o ce­ná­rio fi­nal. Go­mes e o seu PDT li­mi­ta­ram-se a dar um “apoio crí­ti­co” ao can­di­da­to do PT, que na prá­ti­ca se tra­duz em du­as idei­as, se­gun­do o jor­nal Fo­lha de S. Pau­lo: cri­ti­car Bol­so­na­ro sem fa­lar de Had­dad e des­sa for­ma po­si­ci­o­nar-se co­mo al­ter­na­ti­va nu­ma fu­tu­ra can­di­da­tu­ra à Pre­si­dên­cia.

Es­se apoio frio e dis­tan­te fi­cou ain­da mais vin­ca­do quan­do Go­mes de­ci­diu viajar pa­ra o es­tran­gei­ro, on­de de­ve­rá fi­car até ao fim da pró­xi­ma se­ma­na — tor­na­do in­viá­vel um apoio com com­pa­rên­cia em co­mí­ci­os ao la­do de Had­dad, por exem­plo.

As con­tas que se fa­zi­am an­tes da pri­mei­ra vol­ta — so­man­do a mai­o­ria dos vo­tos da opo­si­ção a Bol­so­na­ro aos vo­tos de Had­dad, per­mi­tin­do-lhe ven­cer na se­gun­da vol­ta — le­van­tam ago­ra uma ques­tão que “não é arit­mé­ti­ca, é po­lí­ti­co-elei­to­ral”, diz Eli­a­ne Can­ta­nhê­de no jor­nal Es­ta­dão.

“E, aí, a con­ta não fe­cha”, diz a jor­na­lis­ta. “Lo­go, o de­sa­fio do PT pa­ra dar a vol­ta por ci­ma não é ti­rar vo­to do ad­ver­sá­rio, mas pes­car vo­tos dos can­di­da­tos der­ro­ta­dos. O prin­ci­pal de­les é Ci­ro, por­que te­ve mais vo­tos e por­que 70% dos seus elei­to­res, se­gun­do o [ins­ti­tu­to] Da­ta­fo­lha, ten­dem a vo­tar em Had­dad”, es­cre­ve Can­ta­nhê­de. Uma es­tra­té­gia que di­fi­cil­men­te te­rá o su­ces­so de que Had­dad pre­ci­sa de­pois de Go­mes ter de­cla­ra­do um “apoio crí­ti­co”.

Acres­ce que Had­dad tem ou­tro ad­ver­sá­rio de pe­so nes­tas elei­ções: o pró­prio PT. “Os 16 pon­tos de van­ta­gem de Bol­so­na­ro no Da­ta­fo­lha in­di­cam que o me­do não é de Had­dad, mas do PT”, diz o jor­na­lis­ta Jo­sé Ro­ber­to de To­le­do na re­vis­ta Pi­auí.

“A gran­de mai­o­ria dos elei­to­res não co­nhe­ce Had­dad o su­fi­ci­en­te pa­ra odiá-lo nem pa­ra te­mê-lo. Não nes­sa in­ten­si­da­de e quan­ti­da­de. Se não é da pes­soa fí­si­ca, só po­de ser da ju­rí­di­ca. É ma­ni­fes­ta­ção do an­ti­pe­tis­mo, e is­so di­fe­ren­cia a elei­ção de 2018 das ou­tras em que o me­do ven­ceu”, diz Ro­ber­to de To­le­do.

“Fren­te de­mo­crá­ti­ca”

Pa­ra além do “apoio crí­ti­co” do PDT, Had­dad tem o apoio sem re­ser­vas do Par­ti­do So­ci­a­lis­ta Bra­si­lei­ro (que não apre­sen­tou can­di­da­to às elei­ções) e do Par­ti­do So­ci­a­lis­mo e Li­ber­da­de, cu­jo can­di­da­to, Gui­lher­me Bou­los, te­ve ape­nas 0,58%.

Nas du­as se­ma­nas que fal­tam até à se­gun­da vol­ta, a 28 de Ou­tu­bro, Ha- ddad te­rá de ten­tar con­ven­cer ou­tras per­so­na­li­da­des da po­lí­ti­ca bra­si­lei­ra a de­cla­ra­rem um apoio inequí­vo­co à sua can­di­da­tu­ra — mes­mo que se­ja um vo­to útil con­tra Bol­so­na­ro.

On­tem, di­ri­giu-se aos elei­to­res com um ape­lo nes­se sen­ti­do, di­zen­do que a sua cam­pa­nha “não é de um par­ti­do, é de to­dos os que que­rem mu­dar o país”, e pe­din­do o vo­to de “to­dos que são a fa­vor da de­mo­cra­cia”.

Mas a ideia de unir uma “fren­te de­mo­crá­ti­ca” tem es­bar­ra­do na in­de­fi­ni­ção de per­so­na­li­da­des co­mo o ex-pre­si­den­te Fer­nan­do Hen­ri­que Car­do­so e Jo­a­quim Bar­bo­sa, an­ti­go pre­si­den­te do Su­pre­mo.

Nos úl­ti­mos di­as fo­ram lan­ça­dos vá­ri­os ape­los pa­ra que Hen­ri­que Car­do­so apoie de for­ma cla­ra Had­dad e cri­ti­que Bol­so­na­ro — de um gru­po de ad­vo­ga­dos de São Pau­lo ao fi­lho de Vla­di­mir Her­zog, tor­tu­ra­do e as­sas­si­na­do pe­la di­ta­du­ra mi­li­tar, pas­san­do por Ma­nu­el Ale­gre e João So­a­res.

Mas, ape­sar de o ex-Pre­si­den­te bra­si­lei­ro ter cri­ti­ca­do o can­di­da­to de ex­tre­ma-di­rei­ta em vá­ri­as oca­siões, co­me­çan­do nu­ma en­tre­vis­ta à Ve­ja há 26 anos, o apoio con­vic­to a Had­dad e ao PT tem si­do di­fí­cil de ar­ti­cu­lar. E o seu par­ti­do, o PSDB, de­cla­rou-se neu­tro — di­vi­di­do en­tre a li­nha cen­tris­ta de Car­do­so e do seu can­di­da­to às pre­si­den­ci­ais, Ge­ral­do Alck­min, e a cor­ren­te pró-Bol­so­na­ro de João Do­ria, can­di­da­to a go­ver­na­dor de São Pau­lo. ale­xan­dre.mar­tins@pu­bli­co.pt

JOÉDSON AL­VES/EPA

Se­gun­do uma son­da­gem do Da­ta­fo­lha, Fer­nan­do Had­dad es­tá 16 pon­tos atrás de Bol­so­na­ro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.