Ale­ma­nha: por­tal da ex­tre­ma-di­rei­ta pa­ra de­nún­cia de pro­fes­so­res al­vo de pi­ra­tas in­for­má­ti­cos

AfD quer alu­nos a de­nun­ci­ar pro­fes­so­res que não man­te­nham “neu­tra­li­da­de po­lí­ti­ca”

Edição Público Lisboa - - MUNDO - Po­lé­mi­ca Ma­ria João Gui­ma­rães

Foi mais um gol­pe do par­ti­do de di­rei­ta ra­di­cal ale­mão Al­ter­na­ti­va pa­ra a Ale­ma­nha (AfD): cri­ar uma pla­ta­for­ma on­li­ne em que alu­nos pos­sam de­nun­ci­ar pro­fes­so­res que não man­te­nham “neu­tra­li­da­de po­lí­ti­ca”.

A pro­pos­ta pro­vo­cou uma tempestade ime­di­a­ta de crí­ti­cas de ou­tros par­ti­dos e as­so­ci­a­ções de pro­fes­so­res por fo­men­tar uma cul­tu­ra de de­nún­cia e lem­brar prá­ti­cas da Ges­ta­po do re­gi­me na­zi ou da Sta­si da ex-RDA (Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca Ale­mã), em que as de­nún­ci­as de opo­si­to­res eram en­co­ra­ja­das e re­com­pen­sa­das.

“Or­ga­ni­zar de­nún­ci­as é uma fer­ra­men­ta de di­ta­du­ras”, dis­se a mi­nis­tra da Jus­ti­ça, Ka­ta­ri­na Bar­ley, do Par­ti­do So­ci­al-De­mo­cra­ta, ao Frank­fur­ter All­ge­mei­ne Zei­tung. “Quem usar es­ta fer­ra­men­ta en­quan­to par­ti­do, ‘ex­pu­ser’ pro­fes­so­res in­de­se­já­veis e os en­ver­go­nhar pu­bli­ca­men­te re­ve­la o seu con­cei­to de de­mo­cra­cia.”

A pla­ta­for­ma ini­ci­al foi pos­ta a fun­ci­o­nar na ci­da­de-es­ta­do de Ham­bur­go, que, sob o te­ma “neu­tra­li­da­de nas es­co­las”, ape­la aos alu­nos pa­ra dis­cu­tir com pro­fes­so­res quan­do acha­rem que a neu­tra­li­da­de não é res­pei­ta­da e, ca­so is­so fun­ci­o­ne, en­vi­em de­nún­ci­as ao par­ti­do.

Es­ta pá­gi­na se­ria o en­saio de um pro­jec­to a ex­pan­dir aos res­tan­tes 15 es­ta­dos fe­de­ra­dos. O se­guin­te foi Ba­den-Würt­tem­berg, on­de o par­ti­do pôs a fun­ci­o­nar du­as pla­ta­for­mas: uma pa­ra quei­xas a pro­fes­so­res do bá­si­co e se­cun­dá­rio e ou­tra pa­ra de­nún­ci­as no en­si­no su­pe­ri­or. Es­tas es­ta­vam li­ga­das a um de­pu­ta­do es­ta­du­al, Ste­fan Räp­ple, que se quei­xa de pro­fes­so­res que dão au­las com T-shirts di­zen­do “Fuck AfD”. Am­bas fo­ram al­vo de um ata­que in­for­má­ti­co e es­ta­vam on­tem in­dis­po­ní­veis.

Ao con­trá­rio da pá­gi­na de Ham­bur­go, es­tas pos­si­bi­li­ta­ri­am a di­vul­ga­ção pú­bli­ca do no­me dos pro­fes­so­res — o que es­bar­ra­ria qua­se cer­ta­men­te na for­te lei da pri­va­ci­da­de do país.

Os sin­di­ca­tos di­zem que os pro­fes­so­res são obri­ga­dos à neu­tra­li­da­de po­lí­ti­ca por uma lei de 1976 e só co­nhe­cem um ou dois ca­sos de acu­sa­dos nas úl­ti­mas dé­ca­das.

A AfD é um par­ti­do an­ti-imi­gra­ção, an­ti-re­fu­gi­a­dos e an­ti-is­lão, com epi­só­di­ca re­la­ti­vi­za­ção dos cri­mes da Ale­ma­nha na­zi. É po­pu­lis­ta, afir­man­do-se re­pre­sen­tan­te da “vontade do po­vo” con­tra a “eli­te”, fo­men­tan­do um cli­ma de “nós con­tra eles”.

A ideia de que há uma on­da de re­ac­ção da “eli­te” con­tra a for­ma­ção pa­re­ce ser uma no­va li­nha de ac­ção do par­ti­do, que en­trou no Bun­des­tag (Par­la­men­to) pe­la pri­mei­ra vez em 2017 com 13%: de­pois de quei­xas so­bre re­pre­sen­ta­ções ne­ga­ti­vas nos me­dia por res­pon­sá­veis do par­ti­do, sur­gem ago­ra as quei­xas de que o par­ti­do é al­vo de uma cam­pa­nha con­tra si por par­te de pro­fes­so­res. mgui­ma­ra­es@pu­bli­co.pt

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.