Fes­ti­vais de­vem ser se­pa­ra­dos de com­pa­nhi­as de te­a­tro

Gru­po de tra­ba­lho so­bre mo­de­lo de apoio às ar­tes já en­tre­gou su­ges­tões ao mi­nis­tro da Cul­tu­ra

Edição Público Lisboa - - FRONT PAGE - Gon­ça­lo Frota

Após o pe­di­do de adi­a­men­to por du­as se­ma­nas do prazo fi­nal pa­ra a en­tre­ga de pro­pos­tas, o gru­po de tra­ba­lho no­me­a­do pe­lo Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra pa­ra re­flec­tir so­bre o ac­tu­al mo­de­lo de apoio às ar­tes en­tre­gou as su­as con­clu­sões es­ta sex­ta-fei­ra. Es­te gru­po de tra­ba­lho foi cri­a­do em Ju­nho úl­ti­mo, na sequên­cia de uma for­te con­tes­ta­ção ao mo­de­lo em vi­gor, após a pu­bli­ca­ção dos re­sul­ta­dos dos apoi­os sus­ten­ta­dos pa­ra o qua­drié­nio 2018/21. Num pri­mei­ro mo­men­to, à al­tu­ra da pu­bli­ca­ção dos re­sul­ta­dos pro­vi­só­ri­os, em que nas áre­as de te­a­tro, ar­tes vi­su­ais e cru­za­men­tos dis­ci­pli­na­res 73 can­di­da­tu­ras não me­re­ce­ram fi­nan­ci­a­men­to (con­tra 87 apoi­a­das), o tom de des­con­ten­ta­men­to le­vou mes­mo a que o pró­prio pri­mei­ro-mi­nis­tro, An­tó­nio Cos­ta, ti­ves­se cha­ma­do a si o anún­cio de re­for­ço de ver­bas pa­ra os apoi­a­dos, re­pes­can­do com­pa­nhi­as co­mo o Te­a­tro Ex­pe­ri­men­tal de Cas­cais.

O gru­po de tra­ba­lho, que se reu­niu em no­ve oca­siões ao lon­go dos úl­ti­mos qua­tro me­ses, foi com­pos­to por re­pre­sen­tan­tes das es­tru­tu­ras As­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal de Mu­ni­cí­pi­os Por­tu­gue­ses, CE­NA-STE Sindicato dos Tra­ba­lha­do­res de Es­pec­tá­cu­los do Au­di­o­vi­su­al e dos Mú­si­cos, Re­de — As­so­ci­a­ção de Es­tru­tu­ras pa­ra a Dan­ça Con­tem­po­râ­nea, Pla­teia — Pro­fis­si­o­nais de Ar­tes Cé­ni­cas, Per­for­mart — As­so­ci­a­ção pa­ra as Ar­tes Per­for­ma­ti­vas em Por­tu­gal e Ma­ni­fes­to em De­fe­sa da Cul­tu­ra, as­sim co­mo por in­di­vi­du­a­li­da­des co­mo Ana Ma­rin, Isabel Ca­pe­loa Gil, Luís Sousa Ferreira, Ma­nu­el Cos­ta Ca­bral, Manuela de Me­lo e Mi­guel Lo­bo Antunes.

É des­tas vo­zes que ema­na ago­ra um con­jun­to de pro­pos­tas — por ve­zes com­ple­men­ta­res, ou­tras ve­zes mu­tu­a­men­te ex­clu­si­vas — so­bre te­má­ti­cas co­mo o ca­len­dá­rio dos con­cur­sos de apoio às ar­tes, os fins e ob­jec­ti­vos dos apoi­os, a re­le­vân­cia de ou­tras fon­tes de fi­nan­ci­a­men­to das en­ti­da­des a con­cur­so, a dis­tri­bui­ção re­gi­o­nal dos apoi­os, a aber­tu­ra de con­cur­sos por do­mí­ni­os de ac­ti­vi­da­de e áre­as ar­tís­ti­cas, as co­mis­sões de apre­ci­a­ção de can­di­da­tu­ras, os cri­té­ri­os de apre­ci­a­ção de can­di­da­tu­ras nos apoi­os sus­ten­ta­dos, a ti­po­lo­gia dos con­cur­sos, me­di­das de sim­pli­fi­ca­ção dos for­mu­lá­ri­os de can­di­da­tu­ra ou a de­ter­mi­na­ção do mon­tan­te de apoio fi­nan­cei­ro.

O re­la­tó­rio com as con­clu­sões des­tas dis­cus­sões foi pu­bli­ca­do na sex­ta-fei­ra à noi­te no Por­tal do Go­ver­no, ca­ben­do ago­ra ao Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra uma aná­li­se do do­cu­men­to e uma de­ci­são so­bre a apli­ca­ção das cor­rec­ções su­ge­ri­das ao mo­de­lo ac­tu­al — quan­do se sa­be já que, pa­ra par­te do sec­tor ar­tís­ti­co, a so­lu­ção ide­al pas­sa­ria por uma re­fun­da­ção in­te­gral do mo­de­lo e não pe­la in­tro­du­ção de afi­na­ções àque­le que se en­con­tra em vi­gor.

O re­la­tó­rio

As­sim, e con­tem­plan­do vá­ri­as re­co­men­da­ções pa­ra ca­da um dos te­mas — che­gam a ser se­te dis­tin­tas, es­pe­lho das vá­ri­as pers­pec­ti­vas so­bre os pro­ble­mas iden­ti­fi­ca­dos e a a au­sên­cia de um con­sen­so so­bre a me­di­da cor­rec­ti­va a adop­tar —, o do­cu­men­to apre­sen­ta di­ver­sas pro­pos­tas se­gui­das da sua fun­da­men­ta­ção. Só no que diz res­pei­to ao ca­len­dá­rio dos apoi­os as su­ges­tões apre­sen­ta­das tan­to con­tem­plam uma no­va dis­po­si­ção le­gal que de­ter­mi­ne que a for­ma­li­za­ção dos con­tra­tos dos apoi­os sus­ten­ta­dos de­ve ocor­rer até ao fi­nal do ter­cei­ro tri­mes­tre do ano an­te­ri­or ao iní­cio da sua vi­gên­cia, quan­to a sim­ples re­co­men­da­ção de que o ca­len­dá­rio es­ta­be­le­ci­do pe­la Di­rec­ção-Ge­ral das Ar­tes se­ja “efec­ti­va­men­te” cum­pri­do.

O do­cu­men­to, que se alon­ga por 43 pá­gi­nas (em que se in­clui a le­gis­la­ção em vi­gor), acon­se­lha ain­da que “a DGAr­tes de­mons­tre ac­ção e di­na­mis­mo na pro­cu­ra de par­ce­ri­as com ins­ti­tui­ções pú­bli­cas ou pri­va­das” co­mo for­ma de ob­ten­ção de

O do­cu­men­to acon­se­lha que “a DGAr­tes de­mons­tre ac­ção e di­na­mis­mo na pro­cu­ra de par­ce­ri­as com ins­ti­tui­ções pú­bli­cas ou pri­va­das”

ou­tras fon­tes de ren­di­men­to ou que os con­cur­sos pas­sem a ser di­vi­di­dos “por gran­des do­mí­ni­os de ac­ti­vi­da­de, no­me­a­da­men­te nos do­mí­ni­os da cri­a­ção e da pro­gra­ma­ção”, ao con­trá­rio do que pre­sen­te­men­te su­ce­de, com o in­tui­to de — de­fen­dem Re­de, Per­for­mart, Pla­teia e CE­NA-STE — “di­mi­nuir o nú­me­ro de can­di­da­tos por con­cur­so” e “com­pa­rar da­dos que são com­pa­rá­veis, em se­de de apre­ci­a­ção de can­di­da­tu­ras”. Uma das mais fre­quen­tes crí­ti­cas ao ac­tu­al mo­de­lo pren­dia-se, pre­ci­sa­men­te, com as es­tru­tu­ras de cri­a­ção (com­pa­nhi­as de te­a­tro ou dan­ça, por exem­plo, com ac­ti­vi­da­de cons­tan­te ao lon­go do ano) con­cor­re­rem la­do a la­do com fes­ti­vais (cu­ja na­tu­re­za é mais con­cen­tra­da no tem­po).

Quan­to às co­mis­sões de apre­ci­a­ção, o do­cu­men­to pro­põe tan­to um “prin­cí­pio da trans­pa­rên­cia no pro­ces­so de re­cru­ta­men­to” dos es­pe­ci­a­lis­tas que cons­ti­tu­em os di­fe­ren­tes jú­ris, su­ge­rin­do que de­ve a DGAr­tes “apre­sen­tar e jus­ti­fi­car as su­as es­co­lhas”, quan­to a in­te­gra­ção

de “mem­bros das di­rec­ções re­gi­o­nais de Cul­tu­ra e re­pre­sen­tan­tes da As­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal de Mu­ni­cí­pi­os” — jus­ti­fi­ca­da pe­lo mais apro­fun­da­do co­nhe­ci­men­to das es­tru­tu­ras lo­cais, mas que me­re­ce a ob­jec­ção de Per­for­mart, Re­de e Luís Ferreira por en­ten­de­rem que a ANMP po­der-seá co­lo­car nu­ma si­tu­a­ção de “con­fli­to de in­te­res­ses”. Por ve­zes, co­mo aqui acon­te­ce, as pro­pos­tas re­ve­lam dis­cor­dân­cia as­su­mi­da, ca­ben­do ao Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra po­si­ci­o­nar-se so­bre a vi­são que de­ve pre­va­le­cer. É ain­da su­ge­ri­do que o re­qui­si­to de qua­li­fi­ca­ção aca­dé­mi­ca pa­ra os ju­ra­dos pos­sa ser eli­mi­na­do.

Ou­tras das crí­ti­cas ver­ba­li­za­das em en­tre­vis­ta ao PÚ­BLI­CO pe­las com­pa­nhi­as Pri­mei­ros Sin­to­mas, Kar­nart e Ca­sa Con­ve­ni­en­te, três das es­tru­tu­ras ex­cluí­das do úl­ti­mo apoio sus­ten­ta­do qua­dri­e­nal, pren­di­am­se com a “ma­jo­ra­ção” de um cri­té­rio na atri­bui­ção de fi­nan­ci­a­men­to que va­lo­ri­za as re­la­ções es­ta­be­le­ci­das com os mu­ni­cí­pi­os (que aqui se pro­põe ser eli­mi­na­da), a in­clu­são da “re­per­cus­são so­ci­al” no con­jun­to de cri­té­ri­os (cu­ja eli­mi­na­ção tam­bém é ago­ra su­ge­ri­da), a per­ti­nên­cia do ar­ti­go do re­gu­la­men­to que es­ta­be­le­ce que as can­di­da­tu­ras de­vem ob­ter uma pon­tu­a­ção mí­ni­ma de 60% em ca­da um dos cri­té­ri­os (al­go que de­ter­mi­nou a eli­mi­na­ção da Ca­sa Con­ve­ni­en­te que, com uma no­ta fi­nal ele­va­da, fi­cou abai­xo dos 60% no cri­té­rio de ges­tão; o fim des­te ar­ti­go é tam­bém pro­pos­to) ou a nãoin­clu­são de “ven­da de es­pec­tá­cu­los e as re­cei­tas de bi­lhe­tei­ra” en­quan­to re­cei­tas pró­pri­as pa­ra os pa­ta­ma­res de apoio mais ele­va­dos (que vá­ri­as es­tru­tu­ras pre­ten­dem ago­ra que pos­sam ser ad­mi­ti­das).

Ful­cral no con­jun­to de re­co­men­da­ções e pro­pos­tas apre­sen­ta­das pe­lo gru­po do tra­ba­lho ao Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra é a apli­ca­ção de “me­di­das de sim­pli­fi­ca­ção ad­mi­nis­tra­ti­va dos for­mu­lá­ri­os de can­di­da­tu­ras aos apoi­os, co­mo, a tí­tu­lo de exem­plo, a adop­ção de uma lin­gua­gem mais aces­sí­vel em to­dos os campos do do­cu­men­to di­gi­tal”. É par­te de uma sé­rie de cor­rec­ções prá­ti­cas que pre­ten­dem tor­nar mais sim­ples e efi­ci­en­te o pre­en­chi­men­to da can­di­da­tu­ra e que pos­sam tor­nar-se uma me­nor dor de ca­be­ça pa­ra os can­di­da­tos que, com frequên­cia, se quei­xam de não ser cla­ro aqui­lo que é pe­di­do pe­lo for­mu­lá­rio.

Co­mum aos vá­ri­os mem­bros do gru­po de tra­ba­lho é igual­men­te o ape­lo pa­ra que a do­ta­ção fi­nan­cei­ra nos apoi­os sus­ten­ta­dos se­ja re­for­ça­da. As notas fi­nais do re­la­tó­rio dão ain­da con­ta de po­si­ções es­pe­cí­fi­cas: Ana Ma­rin su­bli­nha a po­si­ção con­sen­su­al re­la­ti­va à ne­ces­si­da­de de re­for­çar os qua­dros téc­ni­cos da DGAr­tes, o CE­NA-STE alerta pa­ra a ine­xis­tên­cia de me­di­das no mo­de­lo que pro­mo­vam o com­ba­te à pre­ca­ri­e­da­de, a ANMP ma­ni­fes­ta-se con­tra opi­niões que de­fen­dam “o afas­ta­men­to das au­tar­qui­as, no­me­a­da­men­te no que se re­fe­re à par­ti­ci­pa­ção des­tas nas co­mis­sões de avaliação”, en­quan­to a Per­for­mart acre­di­ta que o re­la­tó­rio “não re­flec­te de for­ma cla­ra al­gu­mas das pro­pos­tas apre­sen­ta­das e dis­cu­ti­das nas ses­sões de tra­ba­lho”.

Ain­da não aca­bou

A Per­for­mart é acom­pa­nha­da nes­ta ob­ser­va­ção pe­la Re­de — As­so­ci­a­ção de Es­tru­tu­ras pa­ra a Dan­ça Con­tem­po­râ­nea, que in­te­grou tam­bém o gru­po de tra­ba­lho, e que es­ta sex­ta-fei­ra emi­tiu um co­mu­ni­ca­do em que afir­ma­va que o mo­de­lo de apoio às ar­tes “pre­ci­sa­va de ser re­for­mu­la­do e não ape­nas aper­fei­ço­a­do”. Acres­cen­ta­va, por is­so, que “o pre­sen­te re­la­tó­rio não es­pe­lha de for­ma inequí­vo­ca a com­ple­xi­da­de das dis­cus­sões ti­das no seio do GT”, “não dis­tin­gue as­pec­tos es­sen­ci­ais de as­pec­to se­cun­dá­ri­os”, cul­mi­nan­do em “con­clu­sões que fi­cam aquém dos con­si­de­ran­dos que o GT [gru­po de tra­ba­lho] foi in­te­gran­do co­mo im­por­tan­tes sal­va­guar­dar jun­to do Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra”.

Re­co­nhe­cen­do que os re­sul­ta­dos re­flec­tem al­gu­mas das su­as an­ti­gas rei­vin­di­ca­ções, a Re­de não con­si­de­ra, ain­da as­sim, que a lu­ta por uma re­es­tru­tu­ra­ção do mo­de­lo es­te­ja ter­mi­na­da. “Mui­tas ques­tões fi­ca­ram de fo­ra e não che­ga­ram a ser dis­cu­ti­das”, afir­mou Tânia M. Gu­er­rei­ro, da Re­de, ao PÚ­BLI­CO. “Es­ti­ve­mos sem­pre mui­to con­cen­tra­dos nos apoi­os sus­ten­ta­dos e não no mo­de­lo no seu to­tal — que é al­go que a Re­de tem de­fen­di­do.” Ten­do, ine­vi­ta­vel­men­te de al­can­çar con­sen­sos, “es­ses con­sen­sos não vão, por ve­zes, ao en­con­tro da­qui­lo que al­guns gru­pos de­fen­dem”, acres­cen­ta. “E, por­tan­to, con­se­gui­mos fa­zer pas­sar al­gu­mas ideias, mas es­te re­la­tó­rio não es­pe­lha to­das as defesas que te­mos fei­to na atri­bui­ção de apoi­os.”

Tam­bém a Pla­teia, em re­pre­sen­ta­ção de es­tru­tu­ras ar­tís­ti­cas da re­gião metropolitana do Por­to, co­men­tou à Lu­sa, pe­la voz de Car­los Cos­ta, que “im­por­ta não es­que­cer que a ques­tão do mo­de­lo do apoio às ar­tes não es­go­ta as re­la­ções en­tre o Es­ta­do e a cri­a­ção ar­tís­ti­ca, e que es­tas de­ve­rão sem­pre ser pen­sa­das de mo­do in­te­gra­do”. E exem­pli­fi­ca­va com “a ne­ces­si­da­de de pen­sar es­te re­la­tó­rio em ar­ti­cu­la­ção com a pro­pos­ta de cri­a­ção de uma re­de de ci­ne­te­a­tros”, pro­pos­ta en­tre­gue es­ta se­ma­na pe­lo Blo­co de Es­quer­da na Assembleia da Re­pú­bli­ca.

Realça ain­da a Pla­teia que o gru­po de tra­ba­lho ti­nha por mis­são “a cor­rec­ção dos pon­tos que, ao lon­go des­te ano, mais fragilidades re­ve­la­ram e mais crí­ti­cas sus­ci­ta­ram”, e não a cri­a­ção de um no­vo mo­de­lo. Ra­zão pe­la qu­al, de res­to, a pla­ta­for­ma Ma­ni­fes­to em De­fe­sa da Cul­tu­ra ti­nha anun­ci­a­do, em Se­tem­bro, o seu aban­do­no dos tra­ba­lhos. De­pois de acei­tar o con­vi­te di­ri­gi­do pe­lo Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra, es­te co­lec­ti­vo que agre­ga uma ex­ten­sa lis­ta de sig­na­tá­ri­os das mais va­ri­a­das áre­as ar­tís­ti­cas, de­ci­diu sair de ce­na por en­ten­der que “não se tra­ta­va de uma ver­da­dei­ra, pro­fun­da e es­tru­tu­ra­da reflexão so­bre o mo­de­lo de apoio às ar­tes”, ale­gan­do que se tra­ta ape­nas do aper­fei­ço­a­men­to do mo­de­lo exis­ten­te. En­ten­dia o Ma­ni­fes­to que es­sa dis­po­ni­bi­li­da­de de aco­lher afi­na­ções ao mo­de­lo que ge­rou uma for­tís­si­ma con­tes­ta­ção nos úl­ti­mos me­ses pa­re­cia “me­nos­pre­zar o des­ca­la­bro dos con­cur­sos pa­ra apoi­os sus­ten­ta­dos do pre­sen­te ano” e “ig­no­rar a in­ten­sa cri­se que afec­ta a ac­ti­vi­da­de de cri­a­ção e pro­gra­ma­ção ar­tís­ti­cas”.

É fá­cil as­sim per­ce­ber que, mes­mo aten­den­do a vá­ri­as das re­co­men­da­ções do gru­po de tra­ba­lho, a dis­cus­são em tor­no do mo­de­lo de apoio às ar­tes pa­re­ce es­tar ain­da lon­ge de ter­mi­nar.

Es­te re­la­tó­rio não es­pe­lha to­das as defesas que te­mos fei­to na atri­bui­ção de apoi­os Tânia M. Gu­er­rei­ro A Re­de As re­la­ções en­tre o Es­ta­do e a cri­a­ção ar­tís­ti­ca de­ve­rão ser sem­pre pen­sa­das de mo­do in­te­gra­do Car­los Cos­ta Pla­teia

PAU­LO NO­VAIS/LU­SA

Gru­po de tra­ba­lho foi cri­a­do na sequên­cia da for­te con­tes­ta­ção ao mo­de­lo em vi­gor. Na foto, manifestação de pro­tes­to “Ape­lo pe­la Cul­tu­ra” pro­mo­vi­da pe­lo CE­NA-STE em Abril em vá­ri­as ci­da­des

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.