Les­lie Furacão ra­ro ba­ra­lha pre­vi­sões em Por­tu­gal

Tra­jec­tó­ria da tem­pes­ta­de foi re­vis­ta ho­ra a ho­ra. Lis­boa es­ca­pou. To­do o país en­trou em pre­ven­ção

Edição Público Lisboa - - FRONT PAGE - cla­ra.vi­a­na@pu­bli­co.pt

Foi co­mo se o furacão Les­lie que on­tem che­gou a Por­tu­gal Con­ti­nen­tal ti­ves­se an­da­do a brin­car às es­con­di­das com os equi­pa­men­tos que o mo­ni­to­ri­za­vam e avan­ça­vam pre­vi­sões so­bre a sua tra­jec­tó­ria.

De­ve­ria ter-se aba­ti­do so­bre a Ma­dei­ra na ma­nhã de on­tem, mas aca­bou por pas­sar mais a Nor­te do que o pre­vis­to, pro­vo­can­do ape­nas três fe­ri­dos sem gra­vi­da­de. Quan­do che­gou a Por­tu­gal Con­ti­nen­tal a sua ca­te­go­ria já ti­nha des­ci­do de fu­ra­ção pa­ra tem­pes­ta­de ex­tra­tro­pi­cal.

Pre­via-se que entrasse pe­lo dis­tri­to de Lis­boa e que afec­tas­se no seu per­cur­so ini­ci­al a cos­ta en­tre Si­nes e Lei­ria, mas des­vi­ou-se uma vez mais e a zo­na de pe­ri­go pas­sou a es­tar mais a nor­te de Lis­boa, nu­ma fai­xa que se es­ten­dia até ao Por­to, avi­sou pe­las 20 ho­ras de on­tem o co­man­dan­te o co­man­dan­te Be­lo Cos­ta, da Au­to­ri­da­de Na­ci­o­nal de Pro­tec­ção Ci­vil (ANPC).

Uma ho­ra mais tar­de, o pre­si­den­te do Ins­ti­tu­to Por­tu­guês do Mar e At­mos­fe­ra (IPMA), Jor­ge Mi­ran­da, ex­pli­ca­va que pre­ver a tra­jec­tó­ria exac­ta da Les­lie, uma tem­pes­ta­de “di­fe­ren­te” da­que­las a que os por­tu­gue­ses es­tão ha­bi­tu­a­dos, tem si­do di­fí­cil de­vi­do ao seu “per­cur­so zi­gue­za­gue­an­te”, ex­pli­ca. “Há cin­co di­as, o mo­de­lo ame­ri­ca­no [de pre­vi­são me­te­o­ro­ló­gi­ca] di­zia que ia pas­sar no Al­gar­ve e em Gibraltar” o que não acon­te­ceu, ilus­trou.

“Vai ser uma noi­te com­pli­ca­da”, aler­tou es­te res­pon­sá­vel em de­cla­ra­ções à RTP, acres­cen­tan­do que a tem­pes­ta­de con­ti­nu­a­va en­tão a des­lo­car-se ao lon­go da cos­ta por­tu­gue­sa, de­ven­do de­pois en­trar em ter­ra per­to da Figueira da Foz e des­lo­car-se pa­ra Nor­des­te. Mas aler­tou que é “na pe­ri­fe­ria da tem­pes­ta­de” que es­ta­vam pre­vis­tos os ven­tos mais fortes, so­bre­tu­do na re­gião de Lis­boa.

À ho­ra do fe­cho des­tas pá­gi­nas (23 ho­ras), a tem­pes­ta­de ti­nha pro­vo­ca­do a que­da 120 ár­vo­res nos dis- tri­tos de Se­tú­bal, Lis­boa e Lei­ria, os mais afe­ta­dos até às 22H30, ten­do si­do já re­gis­ta­das mais de 200 ocor­rên­ci­as, in­for­mou a Pro­tec­ção Ci­vil. De acor­do com a Pro­tec­ção Ci­vil, o pe­río­do crí­ti­co de­ve­rá pro­lon­gar-se até às 04H00 de do­min­go.

Eram es­pe­ra­dos 25 a 75 mi­lí­me­tros de pre­ci­pi­ta­ção, que em al­gu­mas zo­nas po­de atin­gir os 125 mi­lí­me­tros. Pa­ra se ter uma re­fe­rên­cia, a mé­dia men­sal de pre­ci­pi­ta­ção em Lis­boa em Ou­tu­bro é de cer­ca de 100 mi­lí­me­tros.

Sem-abri­go en­ca­mi­nha­dos

O pre­si­den­te da Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Lis­boa, Fer­nan­do Me­di­na, anun­ci­ou que “to­das as unidades de aco­lhi­men­to tem­po­rá­rio” es­ti­ve­ram aber­tas du­ran­te to­da a noi­te e que “to­das as bri­ga­das de rua” es­ti­ve­ram em ac­ções de sen­si­bi­li­za­ção de pes­so­as sem-abri­go pa­ra as le­var a per­noi­ta­rem nos cen­tros de aco­lhi­men­to.

No­ve bar­ras vão con­ti­nu­ar fe­cha­das nes­te do­min­go a to­da a na­ve­ga­ção e seis es­tão con­di­ci­o­na­das, in­for­mou a Au­to­ri­da­de Ma­rí­ti­ma Na­ci­o­nal. E 13 dis­tri­tos fo­ram co­lo­ca­dos em alerta vermelho (o mais gra­ve, de­vi­do ao ven­to vermelho e agi­ta­ção ma­rí­ti­ma. São eles Se­tú­bal, Lis­boa, Lei­ria, Coim­bra, Avei­ro, Por­to, Bra­ga, Vi­a­na do Cas­te­lo, Vi­la Re­al, Cas­te­lo Bran­co, Viseu, Gu­ar­da e Santarém.

A li­ga­ção flu­vi­al en­tre a Tra­fa­ria, Por­to Bran­dão e Be­lém, no rio Te­jo, em Lis­boa, foi en­cer­ra­da de­vi­do ao mau tem­po e à for­te agi­ta­ção ma­rí­ti­ma. E a marginal en­tre Pa­re­de e Car­ca­ve­los, no con­ce­lho de Cas­cais, foi en­cer­ra­da ao trân­si­to ao iní­cio da noi­te de on­tem no sen­ti­do Cas­cais-Lis­boa de­vi­do à on­du­la­ção.

O que se sa­bia sem dú­vi­das on­tem é que se vi­veu um acon­te­ci­men­to ra­ro, em­bo­ra não iné­di­to. Es­se acon­te­ci­men­to é a apro­xi­ma­ção de um furacão, co­mo o Les­lie, à Pe­nín­su­la Ibé­ri­ca.

Há re­gis­to de, pe­lo me­nos, dois even­tos se­me­lhan­tes. Em Ou­tu­bro de 1842, um furacão foi de­tec­ta­do a su­do­es­te da Ma­dei­ra, ten­do a tem­pes­ta­de avan­ça­do ao lon­go da cos­ta de Mar­ro­cos até atin­gir o sul de Es­pa­nha e Por­tu­gal.

O Les­lie co­me­çou a for­mar-se em me­a­dos de Se­tem­bro, per­to dos Aço­res, o que tam­bém é uma cir­cuns­tân­cia ra­ra.

Há cin­co di­as, o mo­de­lo ame­ri­ca­no [de pre­vi­são me­te­o­ro­ló­gi­ca] di­zia que ia pas­sar no Al­gar­ve e em Gibraltar” o que não acon­te­ceu, Jor­ge Mi­ran­da Pre­si­den­te do IPMA

NEL­SON GAR­RI­DO

Até às 22h30 de on­tem Pro­tec­ção Ci­vil re­gis­tou 200 ocor­rên­ci­as

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.