Mais de me­ta­de dos vi­o­la­do­res são fa­mi­li­a­res ou co­nhe­ci­dos

PÚ­BLI­CO fa­lou com jo­vem vi­o­la­da em bar de Gaia: “Afi­nal, [o pro­ces­so] não adi­an­tou de na­da”

Edição Público Lisboa - - FRONT PAGE - Na­tá­lia Faria

Des­fa­ça-se o es­te­reó­ti­po em pri­mei­ro lu­gar: nem as vi­o­la­ções ocor­rem mai­o­ri­ta­ri­a­men­te em dis­co­te­cas ou be­cos es­cu­ros, nem os agres­so­res são sem­pre des­co­nhe­ci­dos, “fei­os, por­cos e maus”. Pe­lo con­trá­rio: das 408 que fo­ram re­por­ta­das às au­to­ri­da­des em 2017, se­gun­do o úl­ti­mo Re­la­tó­rio Anu­al de Se­gu­ran­ça In­ter­na (RASI), ví­ti­mas e agres­so­res eram fa­mi­li­a­res ou co­nhe­ci­dos em 55% dos ca­sos. Pa­ra dar no­ta da com­ple­xi­da­de des­te cri­me, no­te­se ain­da que mui­tas vi­o­la­ções não pres­su­põem se­quer re­sis­tên­cia fí­si­ca da ví­ti­ma. Mais: mui­tas ví­ti­mas de vi­o­la­ção só se per­ce­bem co­mo tal mui­to tem­po de­pois, so­bre­tu­do se o cri­me ti­ver ocor­ri­do em con­tex­to con­ju­gal ou de uma re­la­ção amo­ro­sa.

“Mui­tas mu­lhe­res aca­bam por na­tu­ra­li­zar a ques­tão das re­la­ções se­xu­ais for­ça­das, por­que julgam que o con­tac­to se­xu­al é uma obri­ga­ção que de­ri­va da for­ma­li­da­de do casamento. As­su­mem co­mo obri­ga­ção sua ter re­la­ções com o ma­ri­do in­de­pen­den­te­men­te da sua von­ta­de”, ex­pli­ca So­fia Ne­ves, in­ves­ti­ga­do­ra na área da vi­o­lên­cia do gé­ne­ro no Ins­ti­tu­to Uni­ver­si­tá­rio da Maia (Ismai). “Só mais tar­de, quan­do já es­tão fo­ra des­sas re­la­ções, é que mui­tas re­co­nhe­cem nos con­tac­tos com os cen­tros de atendimento que fo­ram ví­ti­mas de vi­o­la­ção”, re­for­ça Ta­ti­a­na Men­des, psicóloga com uma te­se de mes­tra­do cen­tra­da na vi­o­lên­cia se­xu­al, no âm­bi­to da qu­al en­tre­vis­tou, por exem­plo, uma mu­lher “que se sen­tia na obri­ga­ção de ter re­la­ções se­xu­ais com um ma­ri­do abu­si­vo fi­si­ca­men­te”. “Ele ba­tia-lhe e ela con­ti­nu­a­va a ter com ele re­la­ções se­xu­ais que não de­se­ja­va, mas o úni­co cri­me que de­nun­ci­ou foi o da vi­o­lên­cia do­més­ti­ca.”

O fac­to de a vi­o­la­ção po­der ocor­rer en­tre as po­ro­sas pa­re­des de uma re­la­ção aju­da a que a mai­or par­te das ví­ti­mas não de­nun­cie o cri­me. Mas es­ta não é a úni­ca ex­pli­ca­ção pa­ra o si­lên­cio. “Há ví­ti­mas com me­do da retaliação, das di­fi­cul­da­des emo­ci­o­nais que vão en­fren­tar se fo­rem a tri­bu­nal, com me­do do es­tig­ma so­ci­al e com dú­vi­das — jus­ti­fi­ca­das — quan­to à ca­pa­ci­da­de de o sis­te­ma ser ca­paz de res­pon­sa­bi­li­zar cri­mi­nal­men­te o agres­sor”, diz Mar­le­ne Matos, in­ves­ti­ga­do­ra com tra­ba­lhos fei­tos na área da vi­ti­mo­lo­gia e da psi­co­lo­gia fo­ren­se e do­cen­te na Uni­ver­si­da­de do Mi­nho on­de fun­ci­o­na um ser­vi­ço de atendimento pú­bli­co que apoia ví­ti­mas de cri­mes.

Qu­ei­xas au­men­ta­ram 21,8%

Es­ta­be­le­ci­do que os nú­me­ros ofi­ci­ais so­bre vi­o­la­ções co­me­ti­das em Por­tu­gal “são ape­nas a pon­ta do ice­ber­gue”, co­mo en­fa­ti­za Mar­le­ne Matos, de­te­nha­mo-nos na su­má­ria ca­rac­te­ri­za­ção de ví­ti­mas e vi­o­la­do­res do úl­ti­mo RASI. Além de mos­trar que os 408 ca­sos de 2017 cor­res­pon­dem a um au­men­to de 21,8% re­la­ti­va­men­te ao ano an­te­ri­or, o re­la­tó­rio con­clui que os agres­so­res ten­dem a ser mais ve­lhos do que as ví­ti­mas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.