O fim da era Mer­kel da­ta do seu co­me­ço

Edição Público Lisboa - - MUNDO - Ma­ria João Gui­ma­rães

O fim de An­ge­la Mer­kel? Já foi pre­vis­to tan­tas ve­zes pe­la im­pren­sa — ale­mã e in­ter­na­ci­o­nal — que um jor­na­lis­ta che­gou a di­zer al­go co­mo “o fim da era Mer­kel da­ta do seu co­me­ço”, apre­sen­tan­do uma lis­ta im­pres­si­o­nan­te de tí­tu­los dos úl­ti­mos 13 anos di­zen­do que a chan­ce­ler ti­nha acabado po­li­ti­ca­men­te. Al­guns da­tam de uma sé­rie de der­ro­tas da CDU em es­ta­dos fe­de­ra­dos, es­pe­ci­al­men­te no cha­ma­do “su­pe­ra­no elei­to­ral” de 2011. Nas le­gis­la­ti­vas se­guin­tes, em 2013, com uma cam­pa­nha apoi­a­da só na sua ima­gem — mais pre­ci­sa­men­te, no seu icó­ni­co ges­to de mãos —, Mer­kel con­se­guiu um dos me­lho­res re­sul­ta­dos de sem­pre da CDU.

Se já é cla­ro que o au­ge do seu po­der, no pla­no in­ter­no, já pas­sou (es­pe­ci­al­men­te de­pois do des­gas­te com a ges­tão da en­tra­da de 800 mil re­fu­gi­a­dos, em 2015), é mui­to me­nos cla­ra a di­men­são dos pro­ble­mas que a têm atin­gi­do: um go­ver­no re­fém de um mi­nis­tro “trou­ble­ma­ker” (Horst Se­eho­fer, que mes­mo em Ber­lim con­ti­nua a pôr “a Ba­vi­e­ra em pri­mei­ro lu­gar”) e uma elei­ção pa­ra lí­der par­la­men­tar em que o seu pre­fe­ri­do, Vol­ker Kau­der, te­ve uma der­ro­ta que nin­guém pre­viu (si­nal de des­con­ten­ta­men­to den­tro do par­ti­do, sim, mas no­te-se que o ven­ce­dor, Ralph Brinkhaus, não é ne­nhum opo­si­tor à chan­ce­ler, nem a sua vi­tó­ria re­sul­tou de uma cam­pa­nha con­cer­ta­da de re­be­lião nos con­ser­va­do­res).

O epi­só­dio foi ana­li­sa­do até à exaus­tão nos me­dia e Mer­kel as­su­miu a der­ro­ta, mas Matthi­as Dil­ling, da Uni­ver­si­da­de de Ox­ford, diz que es­ta “foi mais uma re­vol­ta con­tra Kau­der do que con­tra Mer­kel” e “o no­vo lí­der par­la­men­tar veio mui­to ra­pi­da­men­te di­zer que não ha­via di­fe­ren­ças de opi­nião em re­la­ção às po­lí­ti­cas de Mer­kel”.

Ago­ra, os olhos es­tão nas elei­ções de ho­je da Ba­vi­e­ra. É cer­to que a CSU, par­ti­do gé­meo da CDU de Mer­kel na Ba­vi­e­ra, vai ter um mau re­sul­ta­do. Mas Mer­kel po­de be­ne­fi­ci­ar, diz Dil­ling, por te­le­fo- ne, ao PÚ­BLI­CO. Se o re­sul­ta­do da CSU for re­al­men­te bai­xo, for­ça­rá a demissão de Se­eho­fer — se­gun­do as son­da­gens, a exi­gên­cia a li­mi­tes a entradas de re­fu­gi­a­dos só pre­ju­di­cou as pers­pec­ti­vas elei­to­rais do seu par­ti­do. “Se Se­eho­fer saís­se, saía a mai­or ame­a­ça a Mer­kel no Go­ver­no”, no­ta o ana­lis­ta.

Co­mo a CDU e a CSU, ape­sar de es­ta­rem nu­ma ali­an­ça, são di­fe­ren­tes, Mer­kel po­de­ria re­co­lher ape­nas o re­sul­ta­do po­si­ti­vo de uma saí­da de Se­eho­fer e não o des­gas­te da der­ro­ta (uma vi­tó­ria na ca­sa dos 30% se­rá uma pe­sa­da der­ro­ta pa­ra um par­ti­do que ha­bi­tu­al­men­te tem mais de 40%).

Ain­da mais po­si­ti­vo pa­ra Mer­kel po­de­ria ser um re­sul­ta­do que for­ças­se a CSU a uma co­li­ga­ção com os Ver­des, o que obri­ga­ria o par­ti­do a apro­xi­mar-se das po­si­ções pró-re­fu­gi­a­dos, pró-imi­gra­ção, e pró-União Eu­ro­peia dos eco­lo­gis­tas, fa­vo­re­cen­do a chan­ce­ler, mes­mo se Se­eho­fer se man­ti­ves­se no Go­ver­no. Dil­ling con­si­de­ra que es­ta hi­pó­te­se, ape­sar de pos­sí­vel, se­rá a mais im­pro­vá­vel.

Três da­tas

Mas mes­mo que tu­do cor­ra mal a Mer­kel, Dil­ling avi­sa que “não de­ve­mos pre­ver já o fim da sua era”, por­que nes­ta pe­ça de te­a­tro “a evo­lu­ção vai pro­va­vel­men­te de­pen­der até mais das ou­tras per­so­na­gens”.

Uma das ra­zões pe­las qu­ais Mer­kel se vai man­ter é que ne­nhum dos po­ten­ci­ais su­ces­so­res qu­er che­gar ao po­der ago­ra e her­dar a si­tu­a­ção ac­tu­al. “O Go­ver­no é de­ma­si­a­do di­fí­cil de li­de­rar”, diz o in­ves­ti­ga­dor de ci­ên­cia po­lí­ti­ca. Além dis­so, ca­so hou­ves­se uma mu­dan­ça de chan­ce­ler, “se­ria mui­to im­pro­vá­vel que o SPD [seu par­cei­ro de co­li­ga­ção] a acei­tas­se e se man­ti­ves­se no Go­ver­no”. Pa­ra Dil­ling, o mais pro­vá­vel é que Mer­kel se afas­te até cer­ca de um ano an­tes da pró­xi­ma elei­ção, pro­va­vel­men­te em 2021.

Pa­ra me­dir o ac­tu­al po­der in­ter­no de Mer­kel, Dil­ling apon­ta três da­tas: a elei­ção no es­ta­do fe­de­ra­do do Hes­se (cu­ja ca­pi­tal é Frank­furt), em que a co­li­ga­ção ac­tu­al CDU-Ver­des não de­ve­rá ser re­e­lei­ta, por­que se­gun­do as son­da­gens a gran­de des­ci­da da CDU não é com­pen­sa­da pe­la su­bi­da dos Ver­des; o en­con­tro do gru­po par­la­men­tar da CSU em No­vem­bro; e o con­gres­so da CDU no iní­cio de De­zem­bro, em que Mer­kel de­ve­rá re­can­di­da­tar-se à pre­si­dên­cia do par­ti­do (com aten­ção ao ní­vel de vo­ta­ção e duração das pal­mas).

“Se hou­ver de­sen­vol­vi­men­tos negativos nes­tas três oca­siões”, an­te­ci­pa Dil­ling, “po­de­rá ini­ci­ar-se uma di­nâ­mi­ca em que os crí­ti­cos de Mer­kel vêm a pú­bli­co pa­ra a for­çar a de­cla­rar quan­do sai”. mgui­ma­ra­es@pu­bli­co.pt

NEL­SON GAR­RI­DO

Em 2013, a cam­pa­nha apoi­ou-se no icó­ni­co ges­to de mãos de Mer­kel

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.