A Eu­ro­pa ain­da pre­ci­sa de­la. E tem lu­gar pa­ra ela

Edição Público Lisboa - - MUNDO - Aná­li­se Te­re­sa de Sousa

1. As opi­niões di­vi­dem-se. A chan­ce­ler en­trou de­fi­ni­ti­va­men­te no seu oca­so po­lí­ti­co, pre­pa­ran­do­se pa­ra abandonar a ce­na? Ou a sua ca­pa­ci­da­de de re­sis­tên­cia vai, mais uma vez, de­si­lu­dir aque­les que têm mais pres­sa em vê-la sair de ce­na? En­tre es­tes, na­tu­ral­men­te, es­tão os seus po­ten­ci­ais su­ces­so­res da CDU, que que­rem uma opor­tu­ni­da­de, de­pois do seu lon­go rei­na­do. São vá­ri­os. Ne­nhum se per­fi­la co­mo fa­vo­ri­to. Sa­be­mos que, de­pois de um lí­der for­te, a tran­si­ção é sem­pre um pro­ces­so lon­go e com­pli­ca­do. An­ge­la Mer­kel tem con­tra si a “mal­di­ção do quar­to man­da­to”, que as­som­brou os úl­ti­mos anos de Ade­nau­er e de Kohl. Es­se é um pro­ble­ma in­ter­no da Ale­ma­nha, que ape­nas diz res­pei­to ao res­to da Eu­ro­pa por­que, nu­ma lar­ga mai­o­ria de ca­pi­tais da União, a ideia de fi­car sem ela no co­man­do de um país com o po­der e a in­fluên­cia da Ale­ma­nha ain­da não é vis­ta com tran­qui­li­da­de. Es­te sen­ti­men­to tan­to se ma­ni­fes­ta à di­rei­ta co­mo à es­quer­da, en­tre os par­ti­dos e os go­ver­nos pró-eu­ro­peus. É re­ve­la­dor do que Mer­kel re­pre­sen­tou ao lon­go da lon­ga cri­se exis­ten­ci­al que a Eu­ro­pa atra­ves­sou nos úl­ti­mos dez anos e da qu­al ain­da não saiu. Mer­kel nem sem­pre fez aqui­lo que te­ria si­do pre­ci­so. He­si­tou al­gu­mas ve­zes. To­mou de­ci­sões que, pe­lo pe­so da Ale­ma­nha, afec­ta­ram du­ra­men­te um nú­me­ro sig­ni­fi­ca­ti­vo de ci­da­dãos eu­ro­peus, so­bre­tu­do nos paí­ses mais vul­ne­rá­veis do Sul. Foi al­gu­mas ve­zes mais “ale­mã” do que “eu­ro­peia”, so­bre­tu­do nos anos ini­ci­ais da cri­se, quan­do a Ale­ma­nha te­ve o seu “mo­men­to uni­la­te­ral”. Não te­ve a co­ra­gem su­fi­ci­en­te de ex­pli­car aos ale­mães que tu­do aqui­lo que pa­ga­vam pa­ra “res­ga­tar” os paí­ses do Sul lhes se­ria de­vol­vi­do a do­brar. Não há lí­de­res per­fei­tos nem in­fa­lí­veis em de­mo­cra­cia. Mas dois fac­to­res con­ju­ga­dos trans­for­ma­ram-na nu­ma fi­gu­ra in­dis­pen­sá­vel pa­ra o fu­tu­ro da Eu­ro­pa, en­tre aque­les que ain­da que­rem que a Eu­ro­pa te­nha fu­tu­ro: a sua con­vic­ção pro­fun­da de que a União é um bem ines­ti­má­vel, in­cluin­do pa­ra o seu país, ape­sar da for­ça da sua eco­no­mia e do seu pe­so po­lí­ti­co; o seu ape­go aos va­lo­res eu­ro­peus da de­mo­cra­cia, da li­ber­da­de, do res­pei­to pe­los ou­tros e de um mun­do que tem de as­sen­tar em re­gras, mais do que na re­la­ção de for­ças que ape­nas fa­vo­re­ce os mais fortes. Ra­ra­men­te va­ci­la na de­fe­sa des­tes va­lo­res — tal­vez por­que vi­veu até aos 34 anos sem ter di­rei­to à li­ber­da­de e sa­be quan­to is­so é o mais im­por­tan­te. Al­guns dos seus crí­ti­cos, so­bre­tu­do à es­quer­da, di­zem que ela se­ria sem­pre de­ci­si­va pe­lo sim­ples fac­to de ser chan­ce­ler da Ale­ma­nha. Po­de ser ver­da­de. Mas bas­ta olhar pa­ra o de­ba­te in­ter­no que se tra­va ho­je en­tre as eli­tes ale­mãs pa­ra per­ce­ber que a es­co­lha não é in­di­fe­ren­te, nem os ale­mães vêem to­dos a Eu­ro­pa da mes­ma ma­nei­ra. Nem, mui­to me­nos, co­mo a vi­am an­ti­ga­men­te, an­tes do fim da Guerra Fria e da uni­fi­ca­ção — co­mo uma se­gun­da pe­le, que per­mi­tiu à Ale­ma­nha re­gres­sar ao con­cer­to das na­ções ci­vi­li­za­das, con­so­li­dar a sua de­mo­cra­cia e ope­rar um no­vo mi­la­gre eco­nó­mi­co. Ho­je, os ter­mos do de­ba­te já não são es­ses, em­bo­ra a fa­se do go it alo­ne já te­nha si­do em gran­de me­di­da ul­tra­pas­sa­da. A tur­bu­lên­cia in­ter­na­ci­o­nal, o dis­tan­ci­a­men­to ame­ri­ca­no e a emer­gên­cia de gran­des po­tên­ci­as que não co­mun­gam dos va­lo­res oci­den­tais vol­ta­ram a dar aos ale­mães uma pers­pec­ti­va po­si­ti­va so­bre a in­dis­pen­sa­bi­li­da­de da Eu­ro­pa pa­ra a de­fe­sa dos seus in­te­res­ses na­ci­o­nais. Mer­kel aguen­tou o bar­co quan­do as coi­sas não eram as­sim tão cla­ras.

En­tre­tan­to, foi du­ran­te os seus man­da­tos que a pai­sa­gem po­lí­ti­ca ale­mã e eu­ro­peia se trans­for­mou ace­le­ra­da­men­te. Na Ale­ma­nha, o sis­te­ma de três par­ti­dos deu lu­gar a ou­tro, com seis, in­cluin­do for­ças de ide­o­lo­gia ex­tre­mis­ta, al­te­ran­do

2.

os equi­lí­bri­os po­lí­ti­cos in­ter­nos e pon­do co­bro à tra­di­ci­o­nal es­ta­bi­li­da­de po­lí­ti­ca. Pri­mei­ro à es­quer­da, quan­do as con­sequên­ci­as da uni­fi­ca­ção pu­se­ram o SPD à pro­va e abri­ram es­pa­ço pa­ra uma ala radical, que aca­ba­ria por jun­tar for­ças com o que res­ta­va dos co­mu­nis­tas da an­ti­ga RDA e fun­dar o Die Lin­ke. Os Ver­des já exis­ti­am des­de os anos 1980, mas con­ver­te­ram-se num par­ti­do do sis­te­ma nos anos 1990, aber­to e pro­fun­da­men­te eu­ro­peís­ta. Os Li­be­rais dei­xa­ram o seu pa­pel de par­ti­do-char­nei­ra e con­ti­nu­am à pro­cu­ra de um lu­gar no no­vo sis­te­ma po­lí­ti­co — à di­rei­ta da CDU/CSU? Não é fá­cil, até por­que, en­tre­tan­to, a mais pro­fun­da das trans­for­ma­ções do es­pec­tro po­lí­ti­co nas­ceu na ex­tre­ma­di­rei­ta do le­que par­ti­dá­rio, de tal for­ma que ocu­pa ho­je o lu­gar de mai­or par­ti­do da opo­si­ção no Bun­des­tag. Mer­kel jus­ti­fi­cou mui­tas ve­zes as su­as de­ci­sões de­ma­si­a­do “ale­mãs”, quan­do a cri­se fi­nan­cei­ra de­sen­ca­de­ou a cri­se da dí­vi­da e a cri­se do eu­ro, com a ne­ces­si­da­de de não abrir es­pa­ço pa­ra a emer­gên­cia de um par­ti­do de ex­tre­ma-di­rei­ta no seu país. Fa­lhou o ob­jec­ti­vo. Co­mo nu­ma mai­o­ria de paí­ses da União Eu­ro­peia, é a en­tra­da em ce­na de par­ti­dos po­pu­lis­tas e na­ci­o­na­lis­tas que cria as mai­o­res di­fi­cul­da­des pa­ra os par­ti­dos do cen­tro, a par­tir dos qu­ais a in­te­gra­ção eu­ro­peia foi cons­truí­da. É es­sa no­va re­a­li­da­de que ho­je ame­a­ça a Eu­ro­pa, exi­gin­do li­de­ran­ças ca­pa­zes de con­tra­ri­ar os ris­cos cres­cen­tes de frag­men­ta­ção in­ter­na e de en­fren­tar, ao mes­mo tem­po, um mun­do ca­da vez mais hos­til. Sem a chan­ce­ler, es­se es­for­ço se­rá mais di­fí­cil. Sem a chan­ce­ler li­ber­ta dos seus cons­tran­gi­men­tos in­ter­nos se­rá ain­da mais di­fí­cil.

Há uma te­se que cir­cu­la en­tre al­guns go­ver­nos eu­ro­peus e que faria sen­ti­do pa­ra a Ale­ma­nha e pa­ra a Eu­ro­pa: ofe­re­cer-lhe o car­go de pre­si­den­te do Con­se­lho Eu­ro­peu, de­pois das elei­ções pa­ra o PE, em Maio de 2019. Al­gu­mas vo­zes do Par­ti­do Po­pu­lar Eu­ro­peu (PPE, cen­tro-di­rei­ta) che­ga­ram a fa­lar à bo­ca pe­que­na na sua even­tu­al can­di­da­tu­ra à pre­si­dên­cia da Co­mis­são. Não faria sen­ti­do. O po­der po­lí­ti­co da União es­tá ho­je con­cen­tra­do no Con­se­lho Eu­ro­peu, no qu­al têm as­sen­to os lí­de­res dos 28 paí­ses da União. A Co­mis­são con­ti­nua a ser um ór­gão im­por­tan­te pa­ra fa­zer cum­prir as re­gras e pa­ra ten­tar en­con­trar so­lu­ções que vão ao en­con­tro do in­te­res­se do con­jun­to e não ape­nas de uma par­te. O seu po­der po­lí­ti­co é di­mi­nu­to, por mais que o ac­tu­al pre­si­den­te, Je­an-Clau­de Juncker, te­nha ten­ta­do “po­li­ti­zá-la” com o ob­jec­ti­vo de re­for­çar a sua au­to­ri­da­de. A Eu­ro­pa pre­ci­sa de con­du­ção po­lí­ti­ca no seu ór­gão de liderança por ex­ce­lên­cia. Mer­kel te­ria o pres­tí­gio e a au­to­ri­da­de in­dis­pen­sá­veis — den­tro e fo­ra da União Eu­ro­peia.

3.

Nu­ma lar­ga mai­o­ria de ca­pi­tais da União, a ideia de fi­car sem Mer­kel no co­man­do de um país com o po­der e a in­fluên­cia da Ale­ma­nha ain­da não é vis­ta com tran­qui­li­da­de

te­re­sa.de.sousa@pu­bli­co.pt

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.