No po­li­a­mor ‘ge­ringôn­ci­co’, o BE é o me­nos ama­do

Edição Público Lisboa - - ESPAÇO PÚBLICO - Ana Sá Lo­pes Edi­to­ri­al

An­tó­nio Cos­ta pre­fe­re ne­go­ci­ar com o PCP em ge­ral e tam­bém gos­ta mais de dis­cu­tir com os co­mu­nis­tas as me­di­das do Or­ça­men­to do Es­ta­do em par­ti­cu­lar. O ex­ce­len­te cli­ma com o PCP e a me­nor afei­ção do pri­mei­ro­mi­nis­tro pe­los blo­quis­tas acon­te­ce des­de os pri­mei­ros tem­pos da “ge­rin­gon­ça”, mas du­ran­te al­gum tem­po o prag­ma­tis­mo de Cos­ta obri­gou-o a dis­far­çar, em pú­bli­co, os sen­ti­men­tos. Ago­ra, is­so aca­bou. Dei­xou de exis­tir qual­quer von­ta­de de fin­gir que, nes­ta so­lu­ção de es­pé­cie de po­li­a­mor po­lí­ti­co, a cú­pu­la go­ver­na­men­tal gos­ta dos seus dois par­cei­ros da mes­ma ma­nei­ra. Não gos­ta.

A dis­pa­ri­da­de de sen­ti­men­tos — cha­me­mos-lhe as­sim — fi­cou evi­den­te es­ta se­ma­na, quan­do o PCP fez uma con­fe­rên­cia de im­pren­sa a anun­ci­ar vá­ri­as me­di­das do pró­xi­mo Or­ça­men­to do Es­ta­do, de­pois de te­rem che­ga­do a acor­do com o Go­ver­no. É ób­vio que os co­mu­nis­tas nun­ca te­ri­am to­ma­do es­sa ini­ci­a­ti­va sem te­rem com­bi­na­do pre­vi­a­men­te com An­tó­nio Cos­ta. E es­se fac­to foi um si­nal inequí­vo­co do tra­ta­men­to pri­vi­le­gi­a­do com que no úl­ti­mo Or­ça­men­to da le­gis­la­tu­ra Cos­ta de­ci­diu brin­dar o PCP. O Blo­co não gos­tou, na­tu­ral­men­te. No seu co­men­tá­rio ha­bi­tu­al na SIC, Fran­cis­co Lou­çã dei­xou cla­rís­si­ma a “es­tra­nhe­za” com que ti­nha vis­to o anún­cio das novas me­di­das pe­lo PCP “sem que a negociação es­ti­ves­se con­cluí­da”. Só on­tem de ma­dru­ga­da o acor­do com o Blo­co fi­cou pron­to.

Por­que é que Cos­ta gos­ta mais do PCP do que do Blo­co de Es­quer­da? Há uma ex­pli­ca­ção sim­ples que é re­pe­ti­da por to­da a gen­te que ne­go­ceia com os co­mu­nis­tas — o ca­rác­ter pro­fun­da­men­te ins­ti­tu­ci­o­nal do Par­ti­do Co­mu­nis­ta, tal­vez o mais ins­ti­tu­ci­o­nal e pre­vi­sí­vel de to­dos os par­ti­dos por­tu­gue­ses. Mas há uma ou­tra ques­tão que não va­le a pe­na ilu­dir: ain­da que nas au­tár­qui­cas os socialistas te­nham “co­mi­do” uma par­te subs­tan­ci­al de câ­ma­ras que es­ta­vam sob do­mí­nio do PCP, a ver­da­de é que no ca­so das elei­ções le­gis­la­ti­vas exis­te, ten­den­ci­al­men­te, mais con­cor­rên­cia en­tre o PS e o Blo­co de Es­quer­da do que en­tre socialistas e co­mu­nis­tas. E es­se vo­to se­rá im­pres­cin­dí­vel nas pró­xi­mas elei­ções le­gis­la­ti­vas pa­ra An­tó­nio Cos­ta ob­ter o má­xi­mo de vo­ta­ção que lhe per­mi­ta apro­xi­mar-se da mai­o­ria ab­so­lu­ta e dis­pen­sar o can­sa­ço da negociação per­ma­nen­te. Es­ta tam­bém é uma jus­ti­fi­ca­ção subs­tan­ci­al pa­ra que o de­sa­mor do Go­ver­no pa­ra com o Blo­co se in­ten­si­fi­que nos pró­xi­mos tem­pos. ana.sa.lo­pes@pu­bli­co.pt

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.