Há um pe­ri­go no Bra­sil e não fe­cha­mos os olhos

Edição Público Lisboa - - ESPAÇO PÚBLICO - Di­o­go Frei­tas do Ama­ral, Pi­lar del Río, Fran­cis­co Lou­çã

Te­mos as­sis­ti­do à con­tro­vér­sia pú­bli­ca a pro­pó­si­to da Co­mis­são Par­la­men­tar de Inqué­ri­to ao Pa­ga­men­to de Ren­das Ex­ces­si­vas aos Pro­du­to­res de Ele­tri­ci­da­de. É um de­ba­te mui­to po­si­ti­vo pe­la im­por­tân­cia da te­má­ti­ca, di­ver­si­da­de de in­ter­ve­ni­en­tes e boa qua­li­da­de de mui­tos con­tri­bu­tos. Mas abun­dam tam­bém opi­niões mal fun­da­men­ta­das e de­sin­for­ma­ção de­li­be­ra­da. Ten­te­mos cla­ri­fi­car al­guns mi­tos.

A cul­pa da elec­tri­ci­da­de ca­ra é das ener­gi­as renováveis? Não. A nos­sa fac­tu­ra eléc­tri­ca tem qua­tro com­po­nen­tes prin­ci­pais: ener­gia, re­des, IVA e “cus­tos de in­te­res­se eco­nó­mi­co ge­ral” (CIEG, vul­go “ren­das eléc­tri­cas”). Os apoi­os às ener­gi­as eó­li­ca e so­lar re­pre­sen­tam 10% da fac­tu­ra; os sub­sí­di­os a ou­tras for­mas de elec­tro­pro­du­ção, prin­ci­pal­men­te hí­dri­ca e tér­mi­ca (fós­sil e bi­o­mas­sa), 18%; ou­tros sub­sí­di­os e ta­xas in­cluí­dos nos CIEG, 7% (to­tal CIEG na fac­tu­ra do­més­ti­ca: 35%). A ener­gia, re­des e IVA re­pre­sen­tam 29%, 17% e 19% do to­tal. No­te-se que a pro­mo­ção das ener­gi­as renováveis é um ele­men­to in­dis­pen­sá­vel de qual­quer estratégia de des­car­bo­ni­za­ção: faz to­do o sen­ti­do apoi­ar for­mas de ener­gia emer­gen­tes, au­to­sus­ten­tá­veis a prazo e com cus­tos pre­vi­sí­veis (de res­to, uma prá­ti­ca co­mum na UE).

Pre­ci­sa­mos de au­men­tar a ca­pa­ci­da­de elec­tro­pro­du­to­ra? Não. Com o ac­tu­al mix eléc­tri­co, o ín­di­ce de cobertura (=ca­pa­ci­da­de dis­po­ní­vel/pon­ta má­xi­ma) de­ve ser pe­lo me­nos 1,1 por mo­ti­vo de se­gu­ran­ça. De 2014 a 2017 es­te ín­di­ce foi em mé­dia 1,7 com mínimo ab­so­lu­to de 1,3 (é co­mo car­re­gar três pneus so­bres­se­len­tes). Em­bo­ra os usos da elec­tri­ci­da­de ten­dam a au­men­tar, a efi­ci­ên­cia dos equi­pa­men­tos e as ca­pa­ci­da­des de ar­ma­ze­na­gem e in­ter­li­ga­ção vão me­lho­rar: au­men­to de ca­pa­ci­da­de só iria one­rar ain­da mais os cus­tos. As cen­trais ter­mo­e­léc­tri­cas de­ve­rão ser subs­ti­tuí­das pro­gres­si­va­men­te por ener­gi­as renováveis des­cen­tra­li­za­das, com des­ta­que pa­ra o so­lar — cu­jo cus­to es­tá a bai­xar e não tem li­mi­ta­ções ao ní­vel do re­cur­so. O pa­ra­dig­ma ener­gé­ti­co do século XXI é a re­de in­te­li­gen­te de pro­du­to­res-con­su­mi­do­res, os “pro­su­mers”.

Há al­ter­na­ti­vas de ener­gia ba­ra­ta e lim­pa? Não. To­das as fon­tes de ener­gia mas­si­fi­ca­das são ca­ras e ge­ram im­pac­tes am­bi­en­tais re­le­van­tes. Al­gu­mas são es­pe­ci­al­men­te da­no­sas (nu­cle­ar, com­bus­tí­veis fós­seis, gran­des bar­ra­gens), mas ne­nhu­ma é ba­ra­ta ou isen­ta de im­pac­tes. A ex­pe­ri­ên­cia de­mons­tra que ten­ta­ti­vas de bai­xar ar­ti­fi­ci­al­men­te os pre­ços de ener­gia

Mi­to 1. Mi­to 2. Mi­to 3.

e in­fra-es­tru­tu­ras têm maus re­sul­ta­dos: des­per­dí­cio de ener­gia, mul­ti­pli­ca­ção de cus­tos fu­tu­ros (p.e. dí­vi­da ta­ri­fá­ria eléc­tri­ca ou ren­das e por­ta­gens nas ex-Scut). Tam­bém não faz sen­ti­do apoi­ar op­ções com má re­la­ção cus­to-efi­cá­cia e gran­des im­pac­tes negativos (p.e. pros­pec­ção de pe­tró­leo, pro­gra­ma na­ci­o­nal de bar­ra­gens, co-ge­ra­ção fós­sil, ter­mo­e­léc­tri­cas a bi­o­mas­sa).

En­tão es­ta­mos con­de­na­dos a uma fac­tu­ra ener­gé­ti­ca pe­sa­da? Não. A so­lu­ção es­tá es­cri­ta há dé­ca­das em to­das as es­tra­té­gi­as e pro­gra­mas in­ter­na­ci­o­nais e na­ci­o­nais: efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca. Por­que se faz tão pou­co? Por­que as fa­mí­li­as e as PME não têm ca­pi­tal nem in­cen­ti­vos pa­ra in­ves­tir, e as em­pre­sas gran­des con­su­mi­do­ras de ener­gia go­zam de pre­ços bo­ni­fi­ca­dos. A mai­o­ria das op­ções ener­gé­ti­cas das úl­ti­mas dé­ca­das (sal­vo ra­ras ex­cep­ções, co­mo os pro­gra­mas Va­lo­ren ou E4) foi de­se­nha­da de for­ma a be­ne­fi­ci­ar cer­tos sec­to­res (ener­gia, banca, cons­tru­ção, automóvel), em de­tri­men­to da efi­ci­ên­cia glo­bal do sis­te­ma. Nos úl­ti­mos 30 anos, 95% dos apoi­os pú­bli­cos ao sec­tor ener­gé­ti­co fo­ram pa­ra au­men­tos da ca­pa­ci­da­de de pro­du­ção ou re­des, só 5% pa­ra efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca. A ine­fi­ci­ên­cia tor­na­nos mais vul­ne­rá­veis a in­fluên­ci­as não con­tro­la­das, co­mo o preço do pe­tró­leo ou as al­te­ra­ções cli­má­ti­cas. O con­su­mo de ener­gia es­tá a di­mi­nuir há uma dé­ca­da, es­sen­ci­al­men­te pe­la evo­lu­ção tec­no­ló­gi­ca. Com a tec­no­lo­gia pre­sen­te, Por­tu­gal tem um po­ten­ci­al de pou­pan­ça ener­gé­ti­ca eco­no­mi­ca­men­te in­te­res­san­te da or­dem de 30% dos con­su­mos ac­tu­ais, em to­dos os sec­to­res: por­tan­to, po­de­mos bai­xar a fac­tu­ra pe­la via da efi­ci­ên­cia. Mas pa­ra con­cre­ti­zar es­te po­ten­ci­al são ne­ces­sá­ri­os in­cen­ti­vos, p.e. sob a for­ma de be­ne­fí­ci­os fis­cais às fa­mí­li­as e às em­pre­sas que in­ves­tem em efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca. Po­lí­ti­ca ener­gé­ti­ca pre­ci­sa-se! Es­pe­re­mos que a co­mis­são de inqué­ri­to con­si­ga fa­zer luz so­bre al­guns ne­gó­ci­os es­cu­ros no sec­tor ener­gé­ti­co. Mas, tan­to co­mo a ne­ces­si­da­de de trans­pa­rên­cia, o nos­so gran­de pro­ble­ma con­ti­nua a ser a fal­ta de uma estratégia co­e­ren­te. Pro­fes­sor de En­ge­nha­ria do Am­bi­en­te e in­ves­ti­ga­dor no do­mí­nio das po­lí­ti­cas de am­bi­en­te e ener­gia na Uni­ver­si­da­de No­va de Lis­boa; di­ri­gen­te do GEOTA

Apri­mei­ra vol­ta das elei­ções pre­si­den­ci­ais bra­si­lei­ras con­fir­mou o avan­ço da estratégia do cho­que e pa­vor: qua­se me­ta­de dos elei­to­res deu o seu vo­to a Jair Bol­so­na­ro, que tem fei­to car­rei­ra pe­din­do o as­sas­si­na­to de de­ze­nas de mi­lha­res de pes­so­as, su­ge­rin­do a es­te­ri­li­za­ção das mu­lhe­res po­bres e des­pre­zan­do os va­lo­res es­sen­ci­ais da li­ber­da­de e de­mo­cra­cia. A de­sa­gre­ga­ção do sis­te­ma po­lí­ti­co bra­si­lei­ro, em par­ti­cu­lar des­de a im­pug­na­ção da pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff, a quem, aliás, não foi im­pu­ta­do qual­quer cri­me, mas ape­nas ir­re­gu­la­ri­da­des de ges­tão or­ça­men­tal, es­tá a ser acen­tu­a­da por es­ta ver­ti­gem de ódio per­so­ni­fi­ca­da por Bol­so­na­ro. Nu­ma so­ci­e­da­de tão mar­ca­da pe­la de­si­gual­da­de so­ci­al e por di­vi­sões pro­fun­das, a po­lí­ti­ca do ódio ga­nhou es­pa­ço e con­se­guiu apoi­os vas­tos, en­tre as­so­ci­a­ções em­pre­sa­ri­ais, di­ri­gen­tes dos par­ti­dos tra­di­ci­o­nais, e vá­ri­as Igre­jas, en­vol­ven­do mes­mo in­ter­ven­ções par­ti­da­ri­za­das de juí­zes. As­sim, um fas­cis­ta po­de ga­nhar as elei­ções nu­ma das mai­o­res de­mo­cra­ci­as do mun­do, ame­a­çan­do as re­gras bá­si­cas da vi­da so­ci­al. Quan­do a si­nis­tra me­mó­ria de Pi­no­chet ou de Vi­de­la ain­da es­tá tão pre­sen­te, es­te cla­mor por uma di­ta­du­ra mi­li­tar não po­de ser ig­no­ra­do.

Há mais de 200 anos, Goya pin­tou um dra­ma a que deu o tí­tu­lo de “O so­no da ra­zão pro­duz os mons­tros”. Foi sem­pre as­sim, mas por ve­zes leu-se nes­ta cons­ta­ta­ção a ren­di­ção pe­ran­te a ine­vi­ta­bi­li­da­de. Pe­la nos­sa par­te, não acei­ta­mos so­lu­ções ir­ra­ci­o­nais nem o si­lên­cio co­bar­de pe­ran­te as tra­gé­di­as anun­ci­a­das. É por is­so que, con­si­de­ran­do os nos­sos pon­tos de vis­ta dis­tin­tos, nos jun­ta­mos ho­je pa­ra um ape­lo fun­da­men­tal con­tra a ame­a­ça mons­tru­o­sa no Bra­sil, que afec­ta to­dos os po­vos, em par­ti­cu­lar na Amé­ri­ca La­ti­na, mas tam­bém nou­tros con­ti­nen­tes.

De fac­to, a pes­te an­ti­de­mo­crá­ti­ca es­tá a es­pa­lhar-se. As­sis­ti­mos com pre­o­cu­pa­ção à se­pa­ra­ção de cri­an­ças dos seus pais e a de­poi­men­tos ju­di­ci­ais de me­ni­nos e me­ni­nas de dois e três anos em ca­sos de ex­pul­são de imi­gran­tes nos Es­ta­dos Uni­dos. No­ta­mos a nor­ma­li­za­ção da vi­o­la­ção dos di­rei­tos hu­ma­nos no tra­ta­men­to em vá­ri­os paí­ses eu­ro­peus de re­fu­gi­a­dos de guer­ras e de imi­gran­tes que fo­gem da fo­me. In­dig­na-nos a co­ni­vên­cia de um gran­de par­ti­do eu­ro­peu com a cam­pa­nha de des­man­te­la­men­to da in­de­pen­dên­cia do sis­te­ma ju­di­ciá­rio e da li­ber­da­de de im­pren­sa na Hun­gria. Lemos com in­dig­na­ção o re­co­nhe­ci­men­to pe­lo pre­si­den­te das Fi­li­pi­nas da sua ac­tu­a­ção em as­sas­si­na­tos ex­tra­ju­di­ci­ais. Que o Bra­sil pos­sa vir a ser um no­vo cam­po pa­ra a dis­cri­mi­na­ção das di­fe­ren­ças, o des­pre­zo pe­las mu­lhe­res ou a ver­ti­gem da vi­o­lên­cia é tam­bém mo­ti­vo pa­ra pre­o­cu­pa­ção, e so­bre­tu­do pa­ra uma es­co­lha que nin­guém de­ve ig­no­rar: pe­la nos­sa par­te, to­ma­mos po­si­ção con­tra a in­dig­ni­da­de.

No­ta­mos ain­da que mui­tos res­pon­sá­veis po­lí­ti­cos que ape­la­ram à re­jei­ção da ex­tre­ma-di­rei­ta quan­do a se­gun­da vol­ta das elei­ções pre­si­den­ci­ais fran­ce­sas opu­nha Je­an-Ma­rie Le Pen e Chi­rac ou, de­pois, Marine Le Pen e Ma­cron, se ca­lam ago­ra pe­ran­te uma op­ção tão cla­ra, se não ain­da mais gri­tan­te. Pe­lo nos­so la­do, não nos dei­xa­mos con­di­ci­o­nar por cal­cu­lis­mos mes­qui­nhos. A de­mo­cra­cia e a li­ber­da­de são in­di­vi­sí­veis. Os de­mo­cra­tas e a de­mo­cra­cia bra­si­lei­ra con­tam com a nos­sa in­te­gral so­li­da­ri­e­da­de e em­pe­nho. Pro­fes­sor ca­te­drá­ti­co apo­sen­ta­do da Faculdade de Di­rei­to da Uni­ver­si­da­de No­va de Lis­boa; pre­si­den­te da Fun­da­ção Jo­sé Sa­ra­ma­go; eco­no­mis­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.