A bom­ba ató­mi­ca do ri­dí­cu­lo

Edição Público Lisboa - - ESPAÇO PÚBLICO - Vi­cen­te Jor­ge Sil­va

Ori­tu­al cum­priu-se e o ges­to de Azeredo Lo­pes ao demitir-se de mi­nis­tro da De­fe­sa foi sau­da­do pe­lo pri­mei­ro-mi­nis­tro e pe­lo lí­der da opo­si­ção, Rui Rio, co­mo re­ve­la­dor de “sen­ti­do de Es­ta­do”. Mas não dei­xou de ser sin­to­má­ti­ca a de­cla­ra­ção de Au­gus­to Santos Sil­va, o mi­nis­tro dos Es­tran­gei­ros e nú­me­ro dois do Go­ver­no, que fez ques­tão de se des­ta­car dos seus pa­res pa­ra sau­dar es­se ges­to que “eno­bre­ce” o co­le­ga de­mis­si­o­ná­rio e, con­for­me tam­bém con­fes­sou, seu ami­go. É que Azeredo é uma es­pé­cie de imi­ta­ção e ver­são me­nor de Santos Sil­va, além de se­rem am­bos uni­ver­si­tá­ri­os e de ex­trac­ção por­tu­en­se — tal co­mo Rio —, pe­la dis­po­ni­bi­li­da­de de­mons­tra­da pa­ra ocu­par car­gos po­lí­ti­cos da mais va­ri­a­da na­tu­re­za des­de que ba­fe­ja­dos pe­lo per­fu­me do po­der.

Santos Sil­va foi, su­ces­si­va­men­te, mi­nis­tro da Edu­ca­ção, da Cul­tu­ra, da De­fe­sa (tal co­mo o ami­go de­mis­si­o­ná­rio) e, por fim, dos Es­tran­gei­ros. Já Azeredo tran­si­tou de tu­tor po­lí­ti­co da Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al pa­ra tu­tor po­lí­ti­co das For­ças Ar­ma­das, com pas­sa­gem pe­la che­fia de ga­bi­ne­te do pre­si­den­te da Câ­ma­ra do Por­to, Rui Moreira, sem­pre com um sen­ti­do de adap­ta­ção e me­ta­mor­fo­se tí­pi­co de um ap­pa­rat­chik — cu­jo mo­de­lo é, pre­ci­sa­men­te, Santos Sil­va —, pron­to a abra­çar qual­quer fun­ção go­ver­na­ti­va. Só que es­ta elas­ti­ci­da­de, apa­ren­te­men­te tão pre­za­da por An­tó­nio Cos­ta, se pres­ta tam­bém a es­cor­re­ga­de­las mais ou me­nos es­pec­ta­cu­la­res em ter­re­nos mo­ve­di­ços co­mo é o das For­ças Ar­ma­das. E Azeredo não re­sis­tiu ao im­pac­to des­sa bom­ba ató­mi­ca do ri­dí­cu­lo que foi a no­ve­la de Tan­cos — que o atin­giu em cheio co­mo mi­nis­tro, as­sim co­mo às che­fi­as mi­li­ta­res e aos di­ver­sos ac­to­res des­sa no­ve­la, des­de o(s) au­tor(es) do cri­me aos seus en­co­bri­do­res e cúm­pli­ces, che­gan­do al­guns de­les a rei­vin­di­car uma ac­tu­a­ção con­cer­ta­da “em no­me do in­te­res­se na­ci­o­nal”.

Ain­da es­tão por es­cla­re­cer mui­tos por­me­no­res da his­tó­ria, mas o que já co­nhe­ce­mos é mais do que su­fi­ci­en­te pa­ra fi­car­mos es­tu­pe­fac­tos — ape­sar de even­tu­al­men­te es­tar­mos pre­pa­ra­dos pa­ra tu­do — com a mis­tu­ra ex­plo­si­va de ir­res­pon­sa­bi­li­da­de, de ta­ca­nhez men­tal e éti­ca ou ain­da de im­pen­sá­vel in­fan­ti­lis­mo que es­te ca­so pôs a des­co­ber­to. E pen­sar que tu­do is­to foi pra­ti­ca­do, en­ce­na­do e es­con­di­do à som­bra de uma ins­ti­tui­ção que é su­pos­to es­tar ao ser­vi­ço da de­fe­sa e se­gu­ran­ça do país, mas pa­re­ce

RUI GAUDÊNCIO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.