“Há sec­to­res do PS que vêem o BE co­mo pro­ble­ma pa­ra a mai­o­ria ab­so­lu­ta”

Edição Público Lisboa - - DESTAQUE -

As re­la­ções têm es­ta­do ten­sas e já nin­guém o es­con­de. O Blo­co de Es­quer­da e o Go­ver­no ti­ve­ram mo­men­tos me­nos amigáveis nos úl­ti­mos me­ses du­ran­te as ne­go­ci­a­ções pa­ra o Or­ça­men­to de Es­ta­do de 2019 que se tor­na­ram mais evi­den­tes de­pois do ca­so Ri­car­do Ro­bles. Ago­ra, é a co­or­de­na­do­ra do par­ti­do, Ca­ta­ri­na Mar­tins, que não es­con­de que o par­ti­do sen­te que há uma mai­or ani­mo­si­da­de.

Em en­tre­vis­ta à Lu­sa, nas vés­pe­ras da XI Con­ven­ção Na­ci­o­nal do BE, diz que “há tal­vez sec­to­res do PS que con­si­de­ram que o Blo­co de Es­quer­da po­de ser um pro­ble­ma pa­ra o ob­jec­ti­vo da mai­o­ria ab­so­lu­ta e de­ci­di­ram que ga­nha­ri­am al­gu­ma coi­sa com al­gum ti­po de cris­pa­ção”, res­pon­de, quan­do qu­es­ti­o­na­da so­bre a su­bi­da de tom e crí­ti­ca dos so­ci­a­lis­tas em re­la­ção aos blo­quis­tas.

E o pri­mei­ro-mi­nis­tro es­tá nes­se lo­te? Ca­ta­ri­na Mar­tins acre­di­ta que o pri­mei­ro-mi­nis­tro es­tá em­pe­nha­do em con­cluir a le­gis­la­tu­ra: “Eu qu­e­ro pen­sar que o se­nhor pri­mei­ro-mi­nis­tro es­tá tão em­pe­nha­do co­mo eu em le­var a le­gis­la­tu­ra até ao fim, no cum­pri­men­to dos acor­dos que fi­ze­mos em 2015 e in­do mais além de­les, sem­pre que é pos­sí­vel.”

So­bre es­ta cris­pa­ção por par­te dos so­ci­a­lis­tas que pa­ra o BE se tor­nou mais evi­den­te de­pois do ca­so que en­vol­veu o ex-ve­re­a­dor blo­quis­ta Ri­car­do Ro­bles, Ca­ta­ri­na Mar­tins não diz a quem se es­tá a re­fe­rir, res­sal­va ape­nas que “não é to­da a gen­te que pen­sa as­sim no PS”. Is­to por­que, acre­di­ta, os so­ci­a­lis­tas já com­pre­en­de­ram que há “um acor­do pa­ra cum­prir e que o Blo­co man­te­ve exac­ta­men­te a mes­ma pos­tu­ra to­dos os di­as, in­de­pen­den­te­men­te das flu­tu­a­ções de ou­tros la­dos”.

Não é a pri­mei­ra vez que Ca­ta­ri­na Mar­tins se re­fe­re pu­bli­ca­men­te à ani­mo­si­da­de que os blo­quis­tas têm sen­ti­do por par­te do par­cei­ro. Nu­ma en­tre­vis­ta ao Ex­pres­so no úl­ti­mo sá­ba­do, Ca­ta­ri­na Mar­tins já di­zia que “o PS, even­tu­al­men­te, te­rá fei­to a aná­li­se de que o BE di­fi­cul­ta­va mais uma mai­o­ria ab­so­lu­ta do que o PCP”.

Na en­tre­vis­ta à Lu­sa, à per­gun­ta se o BE e o PCP são ho­je par­ti­dos mais pró­xi­mos ou mais an­ta­go­ni­za­dos, Ca­ta­ri­na Mar­tins res­pon­de, pri­mei­ro, que é pre­ci­so va­lo­ri­zar “mui­to o tra­ba­lho e a con­ver­gên­cia” com os co­mu­nis­tas. “Re­gis­to que man­te­mos di­fe­ren­ças pro­fun­das — e pa­ra nós amar­gas —, co­mo, por exem­plo, o PCP não ter apoi­a­do a des­pe­na­li­za­ção da mor­te as­sis­ti­da e per­mi­tir à di­rei­ta chum­bar um pro­jec­to que é uma am­bi­ção do país”, la­men­ta.

No en­tan­to, a de­pu­ta­da do BE as­si­na­la “tam­bém que em ma­té­ri­as co­mo a adop­ção por ca­sais do mes­mo se­xo a po­si­ção do PCP tem vin­do a evo­luir e deu al­guns pas­sos que há uns anos se acha­ria im­pos­sí­vel dar”, ten­do a ex­pec­ta­ti­va de que o par­ti­do “fa­ça par­te das idei­as pro­gres­sis­tas tam­bém no cam­po dos di­rei­tos e li­ber­da­des in­di­vi­du­ais”.

A XI Con­ven­ção Na­ci­o­nal, reu­nião mag­na do par­ti­do que co­me­çou on­tem com uma ses­são in­ter­na­ci­o­nal, é, pa­ra Ca­ta­ri­na Mar­tins, “um mo­men­to de ba­lan­ço”, pre­ci­sa­men­te no dia em que pas­sam três anos so­bre a as­si­na­tu­ra dos acor­dos que vi­a­bi­li­za­ram o Go­ver­no mi­no­ri­tá­rio do PS.

“É ver­da­de que é um mo­men­to em que o Blo­co se con­fron­ta com as pró­pri­as res­pon­sa­bi­li­da­des que te­ve, acres­ci­das, e tam­bém que coin­ci­de com o mo­men­to em que já há uma co­la­bo­ra­ção es­trei­ta, pen­sa­da, quo­ti­di­a­na en­tre uma ge­ra­ção mais no­va di­ri­gen­te, por­que o Blo­co nes­tes úl­ti­mos anos pro­ce­deu a uma enor­me re­no­va­ção”, des­ta­ca.

Pa­ra a di­ri­gen­te, “o BE tem uma con­ver­gên­cia gran­de de di­rec­ção so­bre os ca­mi­nhos que tem de se­guir”, des­va­lo­ri­zan­do qual­quer im­pac­to da po­lé­mi­ca que en­vol­veu o an­ti­go ve­re­a­dor Ri­car­do Ro­bles. Aliás, os blo­quis­tas que­rem in­sis­tir nu­ma ta­xa so­bre a es­pe­cu­la­ção imo­bi­liá­ria.

A con­ven­ção de­cor­re no ano em que o par­ti­do per­deu uma das su­as figuras de des­ta­que, João Se­me­do, que par­ti­lhou com Ca­ta­ri­na Mar­tins, en­tre 2012 e 2014, a li­de­ran­ça “bi­cé­fa­la” do par­ti­do e que mor­reu em Ju­lho. “O João foi mui­to mais, na po­lí­ti­ca, do que es­ses dois com­ba­tes [Lei de Ba­ses da Saú­de e des­pe­na­li­za­ção da eu­ta­ná­sia) que fo­ram os úl­ti­mos e mui­to im­por­tan­tes. Foi a ca­pa­ci­da­de de in­ter­lo­cu­ção, de cri­ar pon­tes. Foi sa­ber que a de­ter­mi­na­ção na po­lí­ti­ca do pro­gra­ma nun­ca é o sec­ta­ris­mo, nun­ca é di­zer que não con­se­gui­mos cons­truir pon­tes ou di­a­lo­gar”, elo­gia.

PÚ­BLI­CO/Lu­sa

NU­NO FER­REI­RA SAN­TOS

Ca­ta­ri­na Mar­tins é lí­der do Blo­co de Es­quer­da des­de 2012

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.