A é par­ti­lha­da por to­dos? De­pu­ta­dos con­tes­tam

A de­pu­ta­da so­ci­al-de­mo­cra­ta Emí­lia Cer­quei­ra as­su­miu ter usa­do a pa­la­vra-pas­se do co­le­ga de ban­ca­da, mas as­se­gu­ra que foi pa­ra con­sul­tar do­cu­men­tos de tra­ba­lho, e não pa­ra o re­gis­tar co­mo pre­sen­te

Edição Público Lisboa - - POLÍTICA - Par­la­men­to So­fia Ro­dri­gues

A de­pu­ta­da do PSD Emí­lia Cer­quei­ra as­su­miu on­tem a res­pon­sa­bi­li­da­de pe­lo re­gis­to de dois di­as de pre­sen­ça (fal­sa) no ple­ná­rio da As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca de Jo­sé Sil­va­no, de­pu­ta­do e se­cre­tá­rio-ge­ral do PSD, mas aca­bou por in­fla­mar mais o ca­so, ao afir­mar que a par­ti­lha de pas­swords é uma prá­ti­ca ba­nal no Par­la­men­to. Há de­pu­ta­dos do PSD (e não só) que dis­cor­dam. E as­su­mem que nun­ca par­ti­lha­ram pa­la­vras-pas­se nem que pre­ci­sam de o fa­zer, mui­to me­nos pa­ra con­sul­tar do­cu­men­tos de co­mis­sões.

Um dia de­pois de o se­cre­tá­rio-ge­ral ter as­se­gu­ra­do que não pe­diu a nin­guém pa­ra fa­zer o re­gis­to da pre­sen­ça em ple­ná­rio nos di­as 18 e 24 de Ou­tu­bro — quan­do es­ta­va em ini­ci­a­ti­vas do PSD —, Emí­lia Cer­quei­ra as­su­miu que foi a au­to­ra do re­gis­to, mas “inad­ver­ti­da­men­te”. Em con­fe­rên­cia de im­pren­sa no Par­la­men­to, em que es­te­ve so­zi­nha, a de­pu­ta­da ad­mi­tiu ter a pas­sword de Sil­va­no e de “al­guns co­le­gas” que usa pa­ra con­sul­tar do­cu­men­tos de tra­ba­lho so­bre a pri­mei­ra co­mis­são, co­mo “em qual­quer or­ga­ni­za­ção”. Fá-lo no ple­ná­rio e tam­bém a par­tir do seu ga­bi­ne­te. Só que, no ca­so dos aces­sos fei­tos atra­vés do com­pu­ta­dor no ple­ná­rio, a en­tra­da com a pas­sword re­gis­ta au­to­ma­ti­ca­men­te a pre­sen­ça do de­pu­ta­do. E, se­gun­do a sua ver­são, foi o que acon­te­ceu, pa­ra ter fi­ca­do re­gis­ta­da a pre­sen­ça de Sil­va­no quan­do es­te es­ta­va au­sen­te.

A de­pu­ta­da man­te­ve o tom de des­va­lo­ri­za­ção que Jo­sé Sil­va­no e a di­rec­ção do PSD usam so­bre es­te ca­so. Os jor­na­lis­tas qui­se­ram sa­ber se não re­ti­ra con­sequên­ci­as des­ta sua ati­tu­de de usar uma pas­sword de um co­le­ga, co­mo de­pu­ta­da e mem­bro do con­se­lho na­ci­o­nal de ju­ris­di­ção do PSD, de­pois de os ser­vi­ços da As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca in­for­ma­rem que es­sa pa­la­vra-pas­se é “pes­so­al e in­trans­mis­sí­vel”. “Não ve­jo qu­al a li­ga­ção de uma ques­tão à ou­tra. Não tem na­da de mal. Não tem na­da de er­ra­do par­ti­lhar pas­swords”, res­pon­deu.

Ques­ti­o­na­do pe­lo PÚ­BLI­CO so­bre a re­ve­la­ção de que a par­ti­lha de pas- swords é uma prá­ti­ca fre­quen­te, o ga­bi­ne­te de im­pren­sa do pre­si­den­te da As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca re­jei­tou co­men­tar. Só que há vá­ri­os de­pu­ta­dos do PSD, co­mo Te­re­sa Le­al Co­e­lho e Mar­ga­ri­da Bal­sei­ro Lo­pes, a as­su­mir que não par­ti­lham pas­swords.

Em de­cla­ra­ções à Lu­sa, o lí­der da ban­ca­da, Fer­nan­do Ne­grão, con­si­de­rou o ca­so en­cer­ra­do mas con­fir­mou nem to­dos os de­pu­ta­dos do PSD par­ti­lham a pa­la­vra-pas­se. E ad­mi­tiu que o sis­te­ma de re­gis­to de pre­sen­ças pre­ci­se de ser re­vis­to.

No CDS, o de­pu­ta­do e por­ta-voz do par­ti­do João Al­mei­da de­mar­cou-se des­ta prá­ti­ca nu­ma no­ta pu­bli­ca­da no Fa­ce­bo­ok: “Nin­guém tem a mi­nha pas­sword, nem eu te­nho a de nin­guém. Es­ta é a prá­ti­ca que co­nhe­ço”.

De­pu­ta­dos ou­vi­dos pe­lo PÚ­BLI­CO di­zem não com­pre­en­der a ne­ces­si­da­de tão re­cor­ren­te de en­trar na re­de in­ter­na com os da­dos de ou­tro co­le­ga pa­ra con­sul­tar do­cu­men­tos das co­mis­sões, já que eles es­tão sem­pre aces­sí­veis por email ou na in­tra­net, mes­mo que o de­pu­ta­do não es­te­ja en­vol­vi­do di­rec­ta­men­te no tra­ba­lho. Ou­tros lem­bram ain­da que há ou­tros mei­os in­for­má­ti­cos pa­ra guar­dar e par­ti­lhar fi­chei­ros.

Com uma po­lé­mi­ca que du­ra há seis di­as, a de­pu­ta­da dis­se não se ter aper­ce­bi­do das no­tí­ci­as no fim-de­se­ma­na (es­te­ve fo­ra de Por­tu­gal) e as­se­gu­rou que só na quin­ta-fei­ra à noi­te te­ve cons­ci­ên­cia do “cir­co me­diá­ti­co” do ca­so, após a con­fe­rên­cia de im­pren­sa de Sil­va­no em que es­te re­cla­ma­va uma in­ves­ti­ga­ção da Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da Re­pú­bli­ca. De­pu­ta­da do PSD Foi só na quin­ta-fei­ra à noi­te que te­le­fo­nou a Jo­sé Sil­va­no, de quem dis­se ser “ami­ga”.

Con­si­de­ran­do que es­te ca­so é “um ata­que di­rec­to à di­rec­ção de Rui Rio”, a de­pu­ta­da usou um tom agres­si­vo pa­ra apon­tar o de­do aos que se “di­ver­tem tan­to a acu­sar o de­pu­ta­do Jo­sé Sil­va­no” e qua­li­fi­cou os que ago­ra se “pre­o­cu­pam tan­to” com uma prá­ti­ca cor­ren­te co­mo “um ban­do de vir­gens ofen­di­das nu­ma ter­ra on­de não há vir­gens”.

As jus­ti­fi­ca­ções por par­te da di­rec­ção do PSD pa­ra a me­di­a­ti­za­ção des­te ca­so das fal­sas pre­sen­ças do se­cre­tá­rio-ge­ral co­me­ça­ram a ser da­das on­tem de ma­nhã, seis di­as de­pois de o Ex­pres­so no­ti­ci­ar o ca­so, e após uma se­ma­na de des­va­lo­ri­za­ção. De­pois de não te­rem es­ta­do vi­sí­veis du­ran­te se­ma­nas (Rio é que tem da­do a ca­ra pe­lo par­ti­do), dois vi­ce-pre­si­den­tes saí­ram em de­fe­sa do lí­der e ao ata­que à co­mu­ni­ca­ção so­ci­al. Sal­va­dor Ma­lhei­ro apon­tou o de­do a “cer­tos ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al”, sem es­pe­ci­fi­car. “Ou es­ses ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al têm a cer­te­za ab­so­lu­ta (...) de que tal prá­ti­ca não é re­pli­ca­da nos ou­tros par­ti­dos, por ou­tros lí­de­res par­ti­dá­ri­os” — no pre­sen­te e no pas­sa­do —, “ou en­tão es­ta é mais uma pro­va ca­bal de que exis­tem ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção que têm um ob­jec­ti­vo mui­to cla­ro: atin­gir e de­ne­grir a ac­tu­al di­rec­ção de Rui Rio”, cri­ti­cou na TSF.

Ou­tro vi­ce-pre­si­den­te, Da­vid Jus­ti­no, veio de­fen­der que tem exis­ti­do um “con­jun­to de ac­ções sis­te­má­ti­cas de ata­que à di­rec­ção do PSD”, de­pois de afir­mar que “o PS não pre­ci­sa de fa­zer na­da pa­ra ga­nhar as elei­ções, es­tá a ser le­va­do ao co­lo”. Na SIC-No­tí­ci­as, o pre­si­den­te do con­se­lho es­tra­té­gi­co na­ci­o­nal rei­te­rou o que dis­se Rio: a ques­tão das fal­sas pre­sen­ças no Par­la­men­to é “uma ques­tiún­cu­la”. Ou­tra lei­tu­ra faz o ex-lí­der da ban­ca­da do PSD, Luís Mon­te­ne­gro, as­su­min­do pre­o­cu­pa­ção com o ca­so e cri­ti­can­do o dis­cur­so do “mo­ra­lis­mo” de Rio: “A for­ma co­mo tem ge­ri­do al­guns des­tes ca­sos tem-lhe re­ti­ra­do

mar­gem de manobra”. sro­dri­gues@pu­bli­co.pt

MÁ­RIO CRUZ/LU­SA

Sil­va­no dis­se que não pe­diu a nin­guém pa­ra o dar co­mo pre­sen­te Emí­lia Cer­quei­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.