O Bra­sil e a lu­so­fo­nia na Ama­do­ra BD

A 29.ª edi­ção do Fes­ti­val In­ter­na­ci­o­nal de Ban­da De­se­nha­da da Ama­do­ra, que ter­mi­na es­te do­min­go, tem co­mo te­ma cen­tral o Bra­sil, além de ex­po­si­ções so­bre Fran­cis­co Sou­sa Lo­bo, Ar­tur Correia ou Ál­va­ro

Edição Público Lisboa - - CULTURA - Fes­ti­val Ro­dri­go No­guei­ra

O Bra­sil já era o te­ma da edi­ção des­te ano da Ama­do­ra BD, a 29.ª do cer­ta­me, an­tes se­quer de se ima­gi­nar que Jair Bol­so­na­ro po­dia vir a ser o seu pre­si­den­te, ex­pli­ca ao PÚ­BLI­CO Nel­son Do­na, di­rec­tor do fes­ti­val de ban­da de­se­nha­da da Ama­do­ra, que aca­ba es­te do­min­go.

“Pro­gra­ma­mos às ve­zes no ano an­te­ri­or, ou­tras ve­zes com dois anos de an­te­ce­dên­cia, e is­to co­me­çou a ser pen­sa­do no ano pas­sa­do”, diz Nel­son Do­na, ex­pli­can­do que “ha­via dois fac­to­res prin­ci­pais” a con­si­de­rar: o fac­to de “mui­tos ar­tis­tas bra­si­lei­ros es­co­lhe­rem o fes­ti­val da Ama­do­ra pa­ra fa­ze­rem lan­ça­men­tos de li­vros que só de­pois sa­em no Bra­sil” e a cir­cuns­tân­cia de se tra­tar de um país que “vi­ve um mo­men­to de gran­de quan­ti­da­de e qua­li­da­de de ar­tis­tas bra­si­lei­ros a fa­ze­rem, co­mo eles di­zem, ‘qua­dri­nhos’”.

No Ve­rão, o di­rec­tor es­ta­va no Bra­sil a fi­na­li­zar a es­co­lha dos dez ar­tis­tas — que, na ver­da­de, são 11, já que há uma du­pla, a de João Pi­nhei­ro e Sir­le­ne Bar­bo­sa — re­pre­sen­ta­dos na ex­po­si­ção prin­ci­pal des­te ano, cu­ja cu­ra­do­ria é da sua res­pon­sa­bi­li­da­de. “A par­tir de me­a­dos de Se­tem­bro, co­me­ça a gran­de agi­ta­ção po­lí­ti­co-so­ci­al”, con­ta, “e a ex­po­si­ção ga­nhou uma ou­tra im­por­tân­cia do pon­to de vis­ta de re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de e re­pre­sen­ta­ção de um país”, com pe­ças a se­rem até adap­ta­das, con­ti­nua.

Is­so po­de ver-se no pi­so 0 do Fó­rum Luís de Ca­mões, na Es­tra­da da Bran­doa, on­de o fes­ti­val es­tá a de­cor­rer des­de 26 de Ou­tu­bro. A ex­po­si­ção prin­ci­pal, Era uma vez um país (mais ou me­nos) ma­ra­vi­lho­so tem, por exem­plo, uma re­por­ta­gem em ban­da de­se­nha­da — que ti­nha si­do o te­ma da edi­ção do ano pas­sa­do — da au­to­ra Helô D’An­ge­lo, so­bre as ma­ni­fes­ta­ções #EleNão do fi­nal de Se­tem­bro. É a obra mais ac­tu­al da mos­tra e, na quar­ta-fei­ra à tar­de, quan­do o PÚ­BLI­CO pas­sou pe­lo fes­ti­val, ser­viu de pre­tex­to pa­ra uma con­ver­sa en­tre miú­dos a en­tra­rem na ado­les­cên­cia.

A ex­po­si­ção era pa­ra ter ou­tro O fes­ti­val in­ter­na­ci­o­nal de BD ter­mi­na es­te do­min­go tí­tu­lo, mas foi mu­da­do ain­da an­tes de sa­be­rem o re­sul­ta­do das elei­ções, pa­ra re­flec­tir os ar­tis­tas es­co­lhi­dos, que “le­van­tam mui­tas ques­tões, mui­tas de­las com­pli­ca­das de res­pon­der”, e “ques­ti­o­nam a so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra”, elu­ci­da o cu­ra­dor. Já os cri­té­ri­os de es­co­lha dos ar­tis­tas in­ci­di­ram, as­su­me, so­bre no­mes que “tra­ba­lhas­sem temas es­tru­tu­ran­tes ou frac­tu­ran­tes con­tem­po­râ­ne­os bra­si­lei­ros, que aju­das­sem a en­ten­der o Bra­sil de ho­je”.

É um le­que de no­mes que vai dos epi­só­di­os da re­sis­tên­cia ne­gra à es­cra­vi­dão de Mar­ce­lo D’Sa­le­te e à His­tó­ria de Por­tu­gal e do Bra­sil por João Spac­ca, pas­san­do pe­la vi­vên­cia em São Pau­lo de An­dré Di­niz — ti­ra­dos do seu Mal­di­tos Ami­gos, que es­tá dis­po­ní­vel pa­ra con­sul­ta e dá von­ta­de de pas­sar o tem­po to­do da vi­si­ta a lê-lo de uma pon­ta à ou­tra. O gru­po é di­ver­so, e in­clui, além dos no­mes já re­fe­ri­dos, João Mar­cos, An­dré Duc­ci, Klé­vis­son Vi­a­na, Pe­dro Co­bi­a­co e Mar­cel­lo Quin­ta­ni­lha.

O di­rec­tor cos­tu­ma di­zer que “ca­da vez mais a ban­da de­se­nha­da dei­xou de tra­tar os he­róis e pas­sou a tra­tar de pes­so­as de car­ne e os­so, his­tó­ri­as de pes­so­as que mui­tas ve­zes são os pró­pri­os au­to­res”. São “ban­das de­se­nha­das de ho­je, que re­pre­sen­tam a so­ci­e­da­de, com et­ni­as di­ver­sas, com al­guns au­to­res que vão à pro­cu­ra da­que­les de quem nun­ca se fa­lou”, pros­se­gue.

A re­pre­sen­ta­ção de pes­so­as ne­gras que fo­ge a es­te­reó­ti­pos his­to­ri­ca­men­te co­muns não só na ban­da de­se­nha­da — e por ve­zes ali na­que­le mes­mo es­pa­ço —, mas em to­da a ar­te, di­a­lo­ga qua­se di­rec­ta­men­te com a ex­po­si­ção que es­tá ao la­do, a de Fran­cis­co Sou­sa Lo­bo, que ven­ceu o pré­mio de Me­lhor Ál­bum Por­tu­guês na edi­ção do ano pas­sa­do do fes­ti­val por cau­sa de De­ser­to/Nu­vem, co­mis­sa­ri­a­da por Ti­a­go Bap­tis­ta. É al­guém que faz um “ques­ti­o­na­men­to cons­tan­te, so­bre as­sun­tos mui­to di­fí­ceis”, re­su­me Nel­son Do­na. No iní­cio de O De­se­nha­dor De­fun­to, uma das mui­tas e com­ple­xas obras su­as ali ex­pos­tas, o au­tor vai ver a ex­po­si­ção de um amigo de­se­nha­dor, e re­fe­re-se às “ca­ras car­to­o­nes­cas, li­gei­ra­men­te ra­cis­tas” que vê lá.

Ain­da no mes­mo pi­so, mos­tram-se tam­bém os ven­ce­do­res de al­guns dos fes­ti­vais mais im­por­tan­tes de ban­da de­se­nha­da da Eu­ro­pa. “É al­go que te­mos es­ta­do a ten­tar fa­zer há mui­tos anos”, con­fes­sa o di­rec­tor. Já no an­dar de bai­xo, o des­ta­que de­le vai pa­ra O Ri­so co­mo Vo­ca­ção, ex­ten­sa re­tros­pec­ti­va de Ar­tur Correia, “uma fi­gu­ra in­con­tor­ná­vel” da ban­da de­se­nha­da e do ci­ne­ma de ani­ma­ção em Por­tu­gal, que mor­reu em Mar­ço, co­mis­sa­ri­a­da por Luís Sal­va­do.

Na gé­ne­se da ex­po­si­ção do Bra­sil, diz o di­rec­tor, es­ta­va a ideia de lu­so­fo­nia. “Há uma pre­sen­ça mui­to for­te e de gran­de qua­li­da­de de ban­da de­se­nha­da em lín­gua por­tu­gue­sa, quer em Por­tu­gal ou no Bra­sil”, con­ta. As es­tru­tu­ras do fes­ti­val, pros­se­gue, as­sen­tam no te­ma, por um la­do, por ou­tro nas efemérides e por ou­tro ain­da nos pré­mi­os, que no ano pas­sa­do “ca­lha­ram ser atri­buí­dos a au­to­res por­tu­gue­ses” — Ál­va­ro, por exem­plo, tem uma ex­po­si­ção no pi­so -1 do fó­rum, por ter ga­nho o pré­mio Me­lho­res Ti­ras Hu­mo­rís­ti­cas. “Pa­re­ceu in­te­res­san­te ex­plo­rar e per­ce­ber es­ta ques­tão de que ho­je é pos­sí­vel fa­zer um fes­ti­val de gran­de qua­li­da­de pra­ti­ca­men­te só com au­to­res lu­só­fo­nos. Há al­guns anos, is­so sig­ni­fi­ca­ria de ime­di­a­to um fra­cas­so em ter­mos de pú­bli­co.” ro­dri­go.no­guei­ra@pu­bli­co.pt

MI­GUEL MANSO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.