Fa­mi­li­a­res de Me­ne­zes re­ce­be­ram dois mi­lhões em offsho­re

Trans­fe­rên­ci­as da Lon­ge Com­pany LLC fo­ram fei­tas quan­do Luís Filipe Me­ne­zes era pre­si­den­te da Câ­ma­ra de Gaia. Inquérito foi ar­qui­va­do em Ju­lho

Edição Público Lisboa - - FRONT PAGE - Pa­tri­mó­nio Ma­ri­a­na Oli­vei­ra

Fo­ram du­as trans­fe­rên­ci­as com um va­lor glo­bal de qua­se dois mi­lhões de eu­ros que tiveram ori­gem nu­ma mis­te­ri­o­sa so­ci­e­da­de offsho­re cha­ma­da Lon­ge Com­pany LLC, se­di­a­da nos Es­ta­dos Uni­dos, que não se con­se­guiu apu­rar a quem per­ten­ce. O di­nhei­ro de­sa­guou em No­vem­bro de 2008 nu­ma con­ta, aber­ta uns di­as an­tes, na su­cur­sal offsho­re de Ma­cau do BCP, em no­me do pai de Luís Filipe Me­ne­zes, en­tão pre­si­den­te da Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Vi­la No­va de Gaia, e em no­me de um dos fi­lhos do au­tar­ca, Pe­dro. De­pois de mui­tas vol­tas, uma par­te subs­tan­ci­al do di­nhei­ro foi en­ca­mi­nha­do pa­ra Por­tu­gal e aca­bou por ser­vir pa­ra com­prar em 2012 um lu­xu­o­so apar­ta­men­to na Foz, no Por­to, on­de vi­ve o ex-pre­si­den­te do PSD.

As in­for­ma­ções cons­tam num pro­ces­so que cor­reu no De­par­ta­men­to de In­ves­ti­ga­ção e Ac­ção Pe­nal do Por­to em que Me­ne­zes foi in­ves­ti­ga­do por vá­ri­os cri­mes, in­cluin­do cor­rup­ção, e que aca­bou ar­qui­va­do em Ju­lho por fal­ta de pro­vas. Vá­ri­os pe­di­dos de co­o­pe­ra­ção in­ter­na­ci­o­nal con­se­gui­ram des­ven­dar o cir­cui­to do di­nhei­ro, a mai­o­ria do qual en­trou em Por­tu­gal, em Abril de 2012, nu­ma con­ta do pai de Me­ne­zes, aber­ta uns di­as an­tes, no Ban­co Es­pí­ri­to San­to. Os 1.435.600 eu­ros fo­ram re­gu­la­ri­za­dos do pon­to de vis­ta fis­cal com o re­cur­so ao ter­cei­ro Re­gi­me Ex­cep­ci­o­nal de Re­gu­la­ri­za­ção Tri­bu­tá­ria (RERT III), que im­pli­cou o pa­ga­men­to de 107.670 eu­ros de im­pos­tos.

Ape­sar de formalmente o di­nhei­ro ter si­do en­vi­a­do pa­ra con­tas do pai de Me­ne­zes e de um dos seus fi­lhos, o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co (MP) não acre­di­ta que fos­se re­al­men­te de­les. A con­clu­são foi re­ti­ra­da de­pois de ana­li­sa­dos os ren­di­men­tos de­cla­ra­dos pe­los dois fa­mi­li­a­res de Me­ne­zes ao lon­go de vá­ri­os anos. Por is­so, a pro­cu­ra­do­ra ti­tu­lar do inquérito, Ma­ria Ade­lai­de Mo­rais, es­cre­ve nu­ma car­ta ro­ga­tó­ria a pedir elementos às au­to­ri­da­des ju­di­ciá­ri­as nor­te-ame­ri­ca­nas que “se en­con­tra de­mons­tra­da a im­pos­si­bi­li­da­de ab­so­lu­ta” dos qua­se dois mi­lhões de eu­ros se­rem do pai de Me­ne­zes e do fi­lho Pe­dro, já que “os mes­mos não apre­sen­tam pro­vei­tos que, mi­ni­ma­men­te, o sus­ten­tem”.

Nes­se pe­di­do de co­o­pe­ra­ção, com da­ta de No­vem­bro de 2016, a pro­cu­ra­do­ra es­cre­ve: “Do con­fron­to de to­dos os elementos re­sul­tam in­dí­ci­os de que Luís Filipe Me­ne­zes, em ra­zão do car­go de­sem­pe­nha­do ou por cau­sa de­le, te­rá au­fe­ri­do van­ta­gens in­de­vi­das que es­ca­mo­te­ou, ca­na­li­zan­do-as, atra­vés de seu pai e fi­lho, pe­lo me­nos em par­te, pa­ra con­ta ban­cá­ria no ex­te­ri­or.”

De con­ta pa­ra con­ta

O di­nhei­ro, que en­trou na con­ta dos fa­mi­li­a­res de Me­ne­zes no BCP de Ma­cau, pas­sou pa­ra outra con­ta do ad­vo­ga­do Amo­rim Pe­rei­ra — que foi o di­rec­tor fi­nan­cei­ro da cam­pa­nha de Me­ne­zes à Câ­ma­ra do Por­to, em 2013 — na mesma su­cur­sal offsho­re, e de­pois an­dou a sal­tar en­tre du­as con­tas no Lu­xem­bur­go, am­bas em no­me do pai de Me­ne­zes e do fi­lho Pe­dro. O ad­vo­ga­do Amo­rim Pe­rei­ra apa­re­ce a re­a­li­zar a mai­or par­te das tran­sac­ções ban­cá­ri­as, co­mo re­pre­sen­tan­te da­que­les fa­mi­li­a­res do au­tar­ca (ver in­fo­gra­fia).

Nu­ma in­for­ma­ção de Fe­ve­rei­ro de 2016 da PJ, que in­ves­ti­gou o ca­so, afir­ma­va-se que era “con­vic­ção da in­ves­ti­ga­ção” que a con­ta do BES e as do Lu­xem­bur­go não eram con­tro­la­das pe­los efec­ti­vos ti­tu­la­res, sen­do “Luís Filipe Me­ne­zes o de­ten­tor do res­pec­ti­vo controlo por in­ter­mé­dio de Amo­rim Pe­rei­ra, pro­cu­ra­dor da con­ta com ple­nos po­de­res no que res­pei­ta a ope­ra­ções ban­cá­ri­as”.

O MP acre­di­ta­va que a com­ple­xi­da­de dos mo­vi­men­tos ser­via pa­ra en­co­brir a verdade. “As su­ces­si­vas trans­fe­rên­ci­as en­tre con­tas ban­cá­ri­as pro­ve­ni­en­tes e com des­ti­no a ter­cei-

ta­dos, ti­nham mo­ra­da em Gi­bral­tar” e que a em­pre­sa se en­con­tra “can­ce­la­da, por não exis­tên­cia de agente re­gis­ta­do e por não pa­ga­men­to de im­pos­tos/ta­xas”. O MP tam­bém ten­tou ob­ter in­for­ma­ções atra­vés dos dois ban­cos en­vol­vi­dos nas du­as ope­ra­ções: o ABM Am­ro Bank, com se­de em Ames­ter­dão, e o Ban­co Pri­va­do Por­tu­guês, Cay­man. Mas to­das as di­li­gên­ci­as se re­ve­la­ram in­fru­tí­fe­ras, ten­do a pro­cu­ra­do­ra de­ci­di­do ar­qui­var o inquérito. Is­to ao abri­go de uma nor­ma que de­ter­mi­na es­se des­fe­cho quan­do não te­nha si­do “pos­sí­vel ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co ob­ter in­dí­ci­os su­fi­ci­en­tes da ve­ri­fi­ca­ção de cri­me ou de quem fo­ram os agen­tes”.

A ex­pli­ca­ção de Me­ne­zes

Con­tac­ta­do pe­lo PÚ­BLI­CO, Luís Filipe Me­ne­zes in­sis­te que nun­ca te­ve “um tos­tão no es­tran­gei­ro” e ga­ran­te que os dois mi­lhões na­da têm que ver con­si­go. “O di­nhei­ro é do meu pai. Se ti­nham al­gu­ma dúvida, de­vi­am ter cha­ma­do o meu pai e a mim e nun­ca o fi­ze­ram”, afir­ma o an­ti­go pre­si­den­te do PSD. De fac­to, nem Me­ne­zes nem qual­quer fa­mi­li­ar seu fo­ram in­qui­ri­dos no pro­ces­so, que nun­ca te­ve ar­gui­dos. Me­ne­zes in­sis­te que a mãe ven­deu em 1971 um gran­de co­lé­gio que fun­dou em Ovar ao Es­ta­do, na al­tu­ra por mais de oi­to mil con­tos. “Ho­je se­ria o equi­va­len­te a dois ou três mi­lhões de eu­ros”, in­sis­te, sem ex­pli­car por­que é que o di­nhei­ro an­dou a sal­ti­tar en­tre vá­ri­as con­tas no es­tran­gei­ro. A ven­da é re­fe­ri­da no pro­ces­so, mas o MP não en­con­trou na Con­ser­va­tó­ria do Re­gis­to Pre­di­al de Ovar elementos so­bre es­sa ope­ra­ção. Só de uma outra fei­ta, dois anos mais tar­de, en­tre a Câ­ma­ra de Ovar e o Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção.

Amo­rim Pe­rei­ra che­gou a ser al­vo de es­cu­tas en­tre Mar­ço e Ju­nho de 2016, mas das in­ter­cep­ções não re­sul­ta­ram elementos com re­le­vân­cia pa­ra o inquérito. Se­gun­do o pró­prio Amo­rim Pe­rei­ra, que ga­ran­te o “des­co­nhe­ci­men­to ab­so­lu­to” da in­ves­ti­ga­ção, nes­sa al­tu­ra já não man­ti­nha qual­quer con­tac­to com Me­ne­zes ou seus fa­mi­li­a­res. “Não te­nho qual­quer con­tac­to com o Dr. Me­ne­zes ou com o pai há mais de seis anos”, as­se­gu­ra. Amo­rim Pe­rei­ra re­cu­sa pro­nun­ci­ar­se so­bre os fac­tos apu­ra­dos na in­ves­ti­ga­ção, ar­gu­men­tan­do que “to­das as in­ter­ven­ções” que te­ve “fo­ram co­mo ad­vo­ga­do”, lo­go es­tão abran­gi­das pe­lo si­gi­lo pro­fis­si­o­nal.

Mais de 630 mil eu­ros fo­ram trans­fe­ri­dos em 2010 da con­ta do ad­vo­ga­do, em Ma­cau, pa­ra uma con­ta no ban­co suí­ço UBS, em no­me da pri­mei­ra ex-mu­lher de Me­ne­zes, Ma­ria Cân­di­da Tavares. O di­vór­cio foi de­cre­ta­do em Fe­ve­rei­ro des­se ano e as trans­fe­rên­ci­as ocor­rem en­tre Ju­nho e De­zem­bro, sain­do o di­nhei­ro des­sa con­ta no pró­prio dia ou nos di­as se­guin­tes pa­ra um des­ti­no não iden­ti­fi­ca­do no pro­ces­so. Con­tac­ta­da pe­lo PÚ­BLI­CO, Ma­ria Cân­di­da Tavares in­sis­te que não sa­be na­da so­bre o te­ma. “Não fa­ço a mí­ni­ma ideia disso. Es­tou de boca aber­ta”, re­a­ge. O fi­lho Pe­dro aten­deu o te­le­fo­ne, mas des­li­gou, ar­gu­men­tan­do es­tar nu­ma reu­nião. E não vol­tou a aten­der.

FER­NAN­DO VELUDO/NFACTOS

Me­ne­zes dei­xou a vi­da po­lí­ti­ca após a der­ro­ta de 2013, no Por­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.