Ges­tor que ven­deu CP Car­ga foi pa­ra gru­po com­pra­dor

San­ches Osó­rio te­ve o pe­lou­ro fi­nan­cei­ro da fer­ro­viá­ria e par­ti­ci­pou ac­ti­va­men­te no pro­ces­so de pri­va­ti­za­ção da CP Car­ga. Foi con­tra­ta­do em Mar­ço

Edição Público Lisboa - - FRONT PAGE - Fer­ro­via Carlos Ci­pri­a­no carlos.ci­pri­a­no@pu­bli­co.pt

Nu­no Ser­ra San­ches Osó­rio, que per­ten­ceu à an­te­ri­or ad­mi­nis­tra­ção da CP (en­tre Abril de 2015 e Ju­nho de 2017), on­de ti­nha a seu car­go o pe­lou­ro fi­nan­cei­ro, par­ti­ci­pou no pro­ces­so de pri­va­ti­za­ção da CP Car­ga, ho­je Medway, em­pre­sa pa­ra a qual es­tá a tra­ba­lhar des­de Mar­ço des­te ano.

O ges­tor en­trou na CP em Abril de 2015 pa­ra subs­ti­tuir Isa­bel Vi­cen­te, que ti­nha ba­ti­do com a por­ta, in­com­pa­ti­bi­li­za­da com a sua co­le­ga da ad­mi­nis­tra­ção, Cris­ti­na Di­as, e o en­tão se­cre­tá­rio de Es­ta­do dos Trans­por­tes, Sér­gio Monteiro. Em cau­sa es­ta­va uma di­ver­gên­cia so­bre o mo­de­lo de pri­va­ti­za­ção da EMEF (que não che­gou a con­cre­ti­zar-se).

San­ches Osó­rio, que é pró­xi­mo do CDS, foi en­tão es­co­lhi­do pa­ra dar con­ti­nui­da­de à ven­da da CP Car­ga e da EMEF. O gru­po suí­ço MSC ha­ve­ria de ser o ven­ce­dor, aca­ban­do por fi­car, em Se­tem­bro de 2015, com a em­pre­sa de trans­por­te de mer­ca­do­ri­as da CP.

A ad­mi­nis­tra­ção da CP, en­tão pre­si­di­da por Ma­nu­el Qu­ei­ró (o qual nun­ca foi fa­vo­rá­vel às pri­va­ti­za­ções do gru­po CP), só du­ra­ria mais dois anos, ten­do San­ches Osó­rio si­do ad­mi­nis­tra­dor en­tre Abril de 2015 e Ju­nho de 2017. Em Mar­ço de 2018 in­gres­sa­ria nos qua­dros do gru­po MSC, de­ten­tor da an­ti­ga CP Car­ga.

Con­tac­ta­do pe­lo PÚ­BLI­CO, o ges- tor não quis fa­zer ne­nhum co­men­tá­rio, li­mi­tan­do-se a re­fe­rir que não hou­ve ne­nhum im­pe­di­men­to le­gal e que só en­trou na Medway “dois anos de­pois, que foi o tem­po su­fi­ci­en­te pa­ra que não hou­ves­se qual­quer ti­po de pro­ble­ma”.

Pa­ra José Rei­zi­nho, da Co­mis­são de Tra­ba­lha­do­res da CP, este é ape­nas mais um ca­so, en­tre ou­tros, que fa­zem par­te de um pro­jec­to mais vas­to que é des­truir a CP. “Vêm pa­ra aí, fa­zem o tra­ba­lhi­nho que lhes é en­co­men­da­do por quem os no­meia, que é o Go­ver­no, e de­pois ficam a co­nhe­cer os me­an­dros do sec­tor e con­ti­nu­am ao ser­vi­ço dos in­te­res­ses de quem fi­ca com as em­pre­sas que já fo­ram da CP.”

O di­ri­gen­te re­cor­da o ca­so de Cris­ti­na Di­as, que foi ad­mi­nis­tra­do­ra da CP e saiu, por von­ta­de pró­pria, da em­pre­sa pa­ra ir pa­ra o re­gu­la­dor (Au­to­ri­da­de da Mo­bi­li­da­de e dos Trans­por­tes), ten­do re­ce­bi­do uma in­dem­ni­za­ção de 80 mil eu­ros por­que era qua­dro da em­pre­sa. Ho­je, em te­o­ria, re­gu­la a em­pre­sa de on­de veio.

No ca­so da CP Car­ga, José Rei­zi­nho diz que o pro­ces­so de pri­va­ti­za­ção foi tão apres­sa­do que a trans­por­ta­do­ra pú­bli­ca “ofe­re­ceu lo­co­mo­ti­vas e va­gões à Medway”. San­ches Osó­rio ti­nha o pe­lou­ro fi­nan­cei­ro e “es­ta­va en­car­re­ga­do de fa­zer es­ses ne­gó­ci­os que fo­ram le­si­vos pa­ra a CP, por is­so não me sur­pre­en­de que ele es­te­ja ago­ra na Medway”.

A pri­va­ti­za­ção da CP Car­ga foi con­cluí­da com um pa­ga­men­to, por par­te, da MSC, de 53 mi­lhões de eu­ros (51 mi­lhões pa­ra ca­pi­ta­li­zar a em­pre­sa pú­bli­ca e mais dois mi­lhões pe­las ac­ções), ten­do o gru­po suí­ço pas­sa­do a de­ter 95% do seu ca­pi­tal. Os res­tan­tes 5% per­ten­cem ain­da à CP e não fo­ram ven­di­dos aos tra­ba­lha­do­res, tal co­mo es­ta­va pre­vis­to.

A MSC fi­cou ain­da com ac­ti­vos no va­lor de 110 mi­lhões de eu­ros, que eram ba­si­ca­men­te a fro­ta de 59 lo­co­mo­ti­vas da CP Car­ga. À da­ta, a Co­mis­são de Tra­ba­lha­do­res con­tes­tou o ne­gó­cio afir­man­do que as lo­co­mo­ti­vas es­ta­vam su­ba­va­li­a­das pe­lo que o ne­gó­cio era le­si­vo pa­ra a trans­por­ta­do­ra pú­bli­ca.

Ma­nu­el Hen­ri­ques, ad­vo­ga­do, que fez par­te du­ran­te cin­co anos do Con­se­lho de Pre­ven­ção da Cor­rup­ção, diz que não vê gran­de di­fe­ren­ça en­tre o ca­so de San­ches Osó­rio e o de Cris­ti­na Di­as. “Do pon­to de vis­ta le­gal não ve­jo qual­quer im­pe­di­men­to, mas não me pa­re­ce que se­ja uma po­si­ção cor­rec­ta do pon­to vis­ta éti­co. In­fe­liz­men­te, a lei per­mi­te-o, mas não de­ve­ria per­mi­tir”, dis­se ao PÚ­BLI­CO. O ad­vo­ga­do entende que “es­tas si­tu­a­ções não de­ve­ri­am acon­te­cer por­que [Osó­rio] par­ti­ci­pou no pro­ces­so de ne­go­ci­a­ção da ven­da de uma em­pre­sa pa­ra a qual foi tra­ba­lhar. In­fe­liz­men­te, is­to é mui­to fre­quen­te, não só no mun­do em­pre­sa­ri­al, mas tam­bém no mun­do da po­lí­ti­ca”.

[En­trei na Medway] dois anos de­pois, que foi o tem­po su­fi­ci­en­te pa­ra que não hou­ves­se qual­quer ti­po de pro­ble­ma San­ches Osó­rio Ex-ad­mi­nis­tra­dor da CP Car­ga

BRU­NO LISITA

Tra­ba­lha­do­res da CP Car­ga clas­si­fi­cam de “le­si­va” a pri­va­ti­za­ção da em­pre­sa fer­ro­viá­ria

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.