Cos­ta pa­ra Ale­gre: “Não me re­ceie co­mo ‘ma­ta-tou­rei­ros’”

Pri­mei­ro-mi­nis­tro res­pon­de a his­tó­ri­co so­ci­a­lis­ta e diz que fi­ca cho­ca­do com trans­mis­sões na RTP, mas não lhe pas­sa pe­la ca­be­ça proi­bi-las

Edição Público Lisboa - - FRONT PAGE - Tau­ro­ma­quia He­le­na Pe­rei­ra e Ál­va­ro Vi­ei­ra he­le­na.pe­rei­ra@pu­bli­co.pt al­va­ro.vi­ei­ra@pu­bli­co.pt

O pri­mei­ro-mi­nis­tro, An­tó­nio Cos­ta, sai em de­fe­sa da sua mi­nis­tra da Cul­tu­ra em res­pos­ta à car­ta aber­ta so­bre as tou­ra­das que o his­tó­ri­co so­ci­a­lis­ta Ma­nu­el Ale­gre lhe di­ri­giu. “Não me re­ceie co­mo ‘ma­ta-tou­rei­ros’, qual ver­são con­tem­po­râ­nea de ‘ma­ta-fra­des’”, avi­sa. E diz que pre­fe­re “con­ce­der a ca­da mu­ni­cí­pio a li­ber­da­de de per­mi­tir ou não a re­a­li­za­ção de tou­ra­das no seu ter­ri­tó­rio”.

Num ar­ti­go de opi­nião (ver tex­to ao lado), Cos­ta ex­pli­ca que não acre­di­ta “nu­ma hi­e­rar­quia de ci­vi­li­za­ções, nem no ex­clu­si­vis­mo iden­ti­tá­rio, nem no de­ter­mi­nis­mo his­tó­ri­co da evo­lu­ção ci­vi­li­za­ci­o­nal”. E que, por is­so, “afir­mar que uma cer­ta op­ção é uma ques­tão de ci­vi­li­za­ção não sig­ni­fi­ca des­qua­li­fi­car o opo­nen­te co­mo in­ci­vi­li­za­do”.

Na sua car­ta, Ma­nu­el Ale­gre re­a­fir­ma­va o apoio à ac­tu­al “so­lu­ção go­ver­na­ti­va” mas con­fes­sa­va sen­tir a “li­ber­da­de pes­so­al ame­a­ça­da”. “Não por cau­sa do que se pas­sa no mun­do, mas por­que o di­a­bo se es­con­de nos de­ta­lhes. Es­tá no fun­da­men­ta­lis­mo do po­li­ti­ca­men­te cor­rec­to, na ten­ta­ção de in­ter­fe­rir nos gos­tos e com­por­ta­men­tos das pes­so­as, no pro­ta­go­nis­mo de al­guns de­pu­ta­dos e go­ver­nan­tes que nin­guém man­da­tou pa­ra re­or­de­na­rem ou de­sor­de­na­rem a nos­sa ci­vi­li­za­ção”, es­cre­veu o an­ti­go can­di­da­to pre­si­den­ci­al.

Ago­ra, sur­ge a res­pos­ta de Cos­ta ao de­ba­te que se abriu no PS quan­do a mi­nis­tra da Cul­tu­ra de­fen­deu a ma­nu­ten­ção do IVA das tou­ra­das em 13% ao con­trá­rio de ou­tros es­pec­tá­cu­los, que des­cem pa­ra 6%, e que cons­ta da pro­pos­ta de Or­ça­men­to do Es­ta­do pa­ra 2019. “Não é uma ques­tão de gos­to. É uma ques­tão de ci­vi­li­za­ção e man­te­re­mos co­mo es­tá”, de­fen­deu no Par­la­men­to Gra­ça Fon­se­ca.

An­tó­nio Cos­ta pros­se­gue di­zen­do ain­da a Ale­gre: “Co­mo ho­mem da Li­ber­da­de tem tam­bém de res­pei­tar os ci­da­dãos que, co­mo eu, re­jei­tam a tou­ra­da co­mo ma­ni­fes­ta­ção pú­bli­ca de uma cul­tu­ra de vi­o­lên­cia ou de de­su­ma fru­te do so­fri­men­to ani­mal”. E cri­ti­ca “o no­vo po­li­ti­ca­men­te cor­rec­to [que] é ser po­li­ti­ca­men­te ‘in­cor­rec­to’”.

O pri­mei­ro-mi­nis­tro faz ain­da uma revelação: “Cho­ca-me que o ser­vi­ço pú­bli­co de te­le­vi­são trans- mi­ta tou­ra­das. Mas não me ocor­re proi­bir a sua trans­mis­são.”

A dis­cus­são so­bre o IVA das tou­ra­das di­vi­diu os so­ci­a­lis­tas e a car­ta aber­ta de Ale­gre me­re­ceu tam­bém gran­des crí­ti­cas do de­pu­ta­do do PAN, André Silva. “Esta é, de fac­to, uma po­si­ção in­fe­liz e ir­res­pon­sá­vel por par­te de Ma­nu­el Ale­gre”, cen­su­rou.

Já Fran­cis­co Lou­çã, ex-co­or­de­na­dor do BE, par­ti­do que pro­põe IVA de 23% (ta­xa má­xi­ma) pa­ra as tou­ra­das, des­dra­ma­ti­za a ques­tão. “As tou­ra­das irão aca­bar” mas “não é por cau­sa do IVA”, de­fen­deu na sex­ta-fei­ra na SIC No­tí­ci­as. “O de­ba­te é so­bre uma tra­di­ção que es­tá ho­je mui­to mais nos li­vros do He­mingway (...) por­que co­mo prá­ti­ca cul­tu­ral pra­ti­ca­men­te já de­sa­pa­re­ceu”, con­si­de­ra.

Fa­e­nas ju­di­ci­ais

A aber­tu­ra ma­ni­fes­ta­da por Cos­ta à pos­si­bi­li­da­de de os mu­ni­cí­pi­os não per­mi­ti­rem tou­ra­das é sau­da­da pe­lo seu ca­ma­ra­da de par­ti­do José Ma­ria Cos­ta, pre­si­den­te da Câ­ma­ra de Vi­a­na do Cas­te­lo. Este mu­ni­cí­pio, lo­go em 2009, num exe­cu­ti­vo li­de­ra­do pe­lo ex-can­di­da­to à Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca De­fen­sor Moura, apro­vou de­cla­ra­ção a as­su­mir-se “ci­da­de an­ti­tou­ra­das”.

Mas es­sa po­si­ção po­lí­ti­ca tem um al­can­ce mui­to re­la­ti­vo. En­quan­to as leis ge­rais da Re­pú­bli­ca pre­vi­rem a re­a­li­za­ção de tou­ra­das, qual­quer ini­ci­a­ti­va nor­ma­ti­va de âm­bi­to mu­ni­ci­pal, ou su­pra­mu­ni­ci­pal, que pre­ten­da abo­lir as cor­ri­das de tou­ros no res­pec­ti­vo ter­ri­tó­rio se­rá fa­cil­men­te im­pug­ná­vel. Nos ter­mos cons­ti­tu­ci­o­nais, um mu­ni­cí­pio nun­ca po­de­ria de­cla­rar ile­gal al­go que a lei ge­ral re­co­nhe­ce co­mo le­gal.

Por is­so, o má­xi­mo que a Câ­ma­ra de Vi­a­na do Cas­te­lo tem con­se­gui­do é não au­to­ri­zar a re­a­li­za­ção de tou­ra­das em es­pa­ços mu­ni­ci­pais, co­mo a an­ti­ga pra­ça de tou­ros — e mesmo nes­tes o in­de­fe­ri­men­to não dei­xa de ser im­pug­ná­vel, ain­da que num pro­ces­so lon­go, de uti­li­da­de du­vi­do­sa... A Câ­ma­ra da Póvoa de Var­zim tam­bém se as­su­miu este ano co­mo an­ti­tou­ra­das e anun­ci­ou que não se re­a­li­za­rão mais cor­ri­das na pra­ça de tou­ros do mu­ni­cí­pio.

Quan­do os pro­mo­to­res or­ga­ni­zam as tou­ra­das em are­nas amo­ví­veis e em ter­re­nos pri­va­dos, co­mo a ProToi­ro-Fe­de­ra­ção Por­tu­gue­sa de Tau­ro­ma­quia tem fei­to re­gu­lar­men­te em Vi­a­na, aqui­lo que es­tes mu­ni­cí­pi­os po­dem fa­zer é o que José Ma­ria Cos­ta re­co­nhe­ce co­mo sen­do “con­tor­nar a lei”. In­vo­cam-se ques­tões de “se­gu­ran­ça, aces­si­bi­li­da­des e uso dos so­los” pa­ra re­cu­sar au­to­ri­za­ção e im­pe­dir as tou­ra­das — umas ve­zes com su­ces­so, outras não.

Vi­a­na do Cas­te­lo tam­bém apro­vou em 2014 um re­gu­la­men­to mu­ni­ci­pal no qual proí­be “es­pec­tá­cu­los em que se in­fli­jam so­fri­men­to ou le­sões aos ani­mais”, mas o al­can­ce da me­di­da con­ti­nua a ser cur­to fa­ce às tou­ra­das. Em 2018, a Pro Toi­ro não pro­mo­veu a sua tou­ra­da de Agos­to, por al­tu­ra das Fes­tas da Se­nho­ra da Ago­nia, num ter­re­no pri­va­do. Mas a li­ti­gân­cia com a Câ­ma­ra de Vi­a­na, num du­e­lo de in­de­fe­ri­men­tos e pro­vi­dên­ci­as cau­te­la­res, já se tor­nou uma tra­di­ção, com os tou­ros a mo­ti­va­rem um jogo do ga­to e do ra­to sempre de des­fe­cho in­cer­to.

NEL­SON GARRIDO

Vi­a­na do Cas­te­lo e Póvoa de Var­zim de­cla­ra­ram-se an­ti­tou­ra­das, sem que is­so te­nha for­ça le­gal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.