O em­pre­sá­rio, o de­sem­pre­ga­do e as alu­nas que que­rem o BE no Go­ver­no

O ce­ná­rio de ter o BE num exe­cu­ti­vo de es­quer­da é ago­ra mais re­al pa­ra blo­quis­tas. “Iria me­lho­rar mui­to a qua­li­da­de de vi­da de to­dos nós”, diz Luís Miguel Sá

Edição Público Lisboa - - DESTAQUE - Re­por­ta­gem Ma­ria João Lo­pes mj­lo­pes@pu­bli­co.pt

Pou­co de­pois da con­fu­são da hora de al­mo­ço e quan­do os tra­ba­lhos da XI Convenção Na­ci­o­nal do Blo­co de Es­quer­da são re­to­ma­dos, Luís Miguel Sá con­se­gue fi­nal­men­te sen­tar-se no bar do Pa­vi­lhão do Ca­sal Vis­to­so. O em­pre­sá­rio na área do cal­ça­do, e mi­li­tan­te do par­ti­do des­de 2003, não iria fal­tar à reu­nião mag­na do par­ti­do, em Lis­boa.

Com 38 anos, é tam­bém co­or­de­na­dor da con­ce­lhia do BE em San­ta Ma­ria da Fei­ra, on­de tem a fá­bri­ca de cal­ça­do que já foi vi­si­ta­da e apre­sen­ta­da pe­la lí­der Ca­ta­ri­na Martins co­mo bom exem­plo, du­ran­te a cam­pa­nha nas úl­ti­mas elei­ções le­gis­la­ti­vas. Tra­ta­se de uma fá­bri­ca de cal­ça­do or­to­pé­di­co e per­so­na­li­za­do pa­ra pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia. Ao con­trá­rio dos es­te­reó­ti­pos cri­a­dos à vol­ta dos mi­li­tan­tes dos par­ti­dos — ade­ren­tes, no ca­so do BE —, pa­ra Luís Miguel Sá ser em­pre­sá­rio na área do cal­ça­do e mi­li­tan­te do BE é bas­tan­te ló­gi­co: “Não con­ce­bo a ideia de ser em­pre­sá­rio e não res­pei­tar os di­rei­tos dos tra­ba­lha­do­res. Res­pei­to o tra­ba­lho e o pro­du­to”, de­fen­de.

Por is­so, es­tá não só sa­tis­fei­to com o tra­ba­lho fei­to pe­la “ge­rin­gon­ça” co­mo gos­ta­va que o BE ti­ves­se vo­tos pa­ra ir mais lon­ge, leia-se pa­ra o Go­ver­no. “De­pois do pe­sa­de­lo do PSD e CDS, pen­so que a ‘ge­rin­gon­ça’ veio con­quis­tar di­rei­tos pa­ra as pes­so­as, o que é mui­to im­por­tan­te pa­ra se ter es­pe­ran­ça no fu­tu­ro”, co­me­ça por di­zer, pa­ra lo­go ad­mi­tir que, sim, gos­ta­va de ver o par­ti­do a fa­zer par­te de um exe­cu­ti­vo de es­quer­da.

“Gos­ta­va que o BE ti­ves­se os vo­tos su­fi­ci­en­tes pa­ra de­fen­der o fu­tu­ro do nos­so país. Se os por­tu­gue­ses acha­rem que po­de de­fi­nir o fu­tu­ro do país, sim, gos­ta­va. Não te­nho dú­vi­das de que iria me­lho­rar mui­to a qua­li­da­de de vi­da de to­dos nós”, acres­cen­ta.

O “prin­cí­pio”

Não é o úni­co. As es­tu­dan­tes da Uni­ver­si­da­de No­va Ana So­fia Nu­nes e Ga­bri­e­la Mo­rais tam­bém se mos­tram en­tu­si­as­ma­das com tal ce­ná­rio. Es­tão jun­tas no pa­vi­lhão e com pres­sa pa­ra dei­xa­rem o bar, em fren­te do qual es­tá a ban­ca com sa­cos, pins, li­vros e dis­cos. T-shirts com fra­ses co­mo “no mun­do nin­guém é ile­gal”, “nem ar­te, nem cul­tu­ra, tou­ra­da é tor­tu­ra”, ou “se o am­bi­en­te fos­se um ban­co já es­ta­ria a sal­vo”. As du­as es­tu­dan­tes apres­sam-se, a eu­ro­de­pu­ta­da Ma­ri­sa Ma­ti­as vai apre­sen­tar a mo­ção en­ca­be­ça­da por Ca­ta­ri­na Martins e elas que­rem ou­vir. Mesmo as­sim, ar­ran­jam tem­po pa­ra con­tar o que as le­vou a ade­rir ao BE e co­mo gos­ta­vam que o par­ti­do al­can­ças­se mais re­pre­sen­ta­ção nas ur­nas. Ana So­fia Nu­nes, es­tu­dan­te de So­ci­o­lo­gia com 19 anos, jun­tou­se ao par­ti­do há cer­ca de ano e meio: “O BE é o úni­co par­ti­do no pa­no­ra­ma na­ci­o­nal que lu­ta pe­las mi­no­ri­as. Sempre ti­ve um interesse pe­la lu­ta an­ti-ra­cis­ta e fe­mi­nis­ta. O BE, ao en­vol­ver-se nestas lutas, dá voz a quem não tem voz”, jus­ti­fi­ca.

E mos­tra-se con­fi­an­te qu­an­to ao de­sem­pe­nho que o par­ti­do te­rá nes­te ano de elei­ções que se avi­zi­nha — ha­ve­rá eu­ro­pei­as, re­gi­o­nais, e le­gis­la­ti­vas. “Pen­so que o BE ga­nha­rá mais for­ça. Nesta le­gis­la­tu­ra, o BE con­se­guiu al­can­çar po­lí­ti­cas co­mo, por exem­plo, bai­xar as pro­pi­nas. Is­to só vem mos­trar a for­ça que tem na po­lí­ti­ca na­ci­o­nal. Qu­an­to a ir pa­ra o Go­ver­no, é o que que­re­mos e pen­so que tem for­ça e es­tá bem or­ga­ni­za­do pa­ra is­so, mas não sei se já é a al­tu­ra.”

Tam­bém Ga­bri­e­la Mo­rais, es­tu­dan­te de An­tro­po­lo­gia de 18 anos e ade­ren­te há dois, vê com bons olhos es­sa pos­si­bi­li­da­de. E até au­men­ta a fas­quia, an­te­ven­do even­tu­ais obs­tá­cu­los co­lo­ca­dos pe­las po­lí­ti­cas eu­ro­pei­as: “Nós não so­mos a dí­vi­da. A so­ci­e­da­de que ide­a­li­za­mos não per­mi­te pôr a dí­vi­da em pri­mei­ro lu­gar”, de­fen­de.

Já Ma­nu­el Sou­sa, de­sem­pre­ga­do de 56 anos, não con­ta­va es­tar na convenção: “Nun­ca pen­sei es­tar aqui nu­ma convenção do BE. E, sei lá, es­tou!”, ex­cla­ma. Con­ver­sa­dor, aca­ba por con­tar que já te­ve vá­ri­os tra­ba­lhos — ta­xis­ta, ca­mi­o­nis­ta, pin­tor —, que vi­ve em Óbi­dos e que há dois anos re­sol­veu jun­tar-se ao BE. Porquê? Por cau­sa da “des­go­ver­na­ção hor­ro­ro­sa” que fo­ram quer os go­ver­nos da di­rei­ta quer os do PS. “Es­tá­va­mos a ser de­ma­si­a­do en­ga­na­dos pa­ra fi­car qui­e­to no meu can­to”, jus­ti­fi­ca.

E ago­ra? “Esta ‘ge­rin­gon­ça’ veio dar um bo­ca­do de trans­pa­rên­cia à po­lí­ti­ca. A po­lí­ti­ca é a vi­da das pes­so­as. Com a ‘ge­rin­gon­ça’, há um prin­cí­pio do que po­de ser um ca­mi­nho cor­rec­to, mas é preciso ir mui­to, mui­to mais lon­ge”, diz Ma­nu­el Sou­sa, de­fen­den­do que, se o PS não ti­ver mai­o­ria ab­so­lu­ta, e o BE con­se­guir mais vo­tos, “já se po­de co­me­çar a so­nhar”.

RUI GAUDÊNCIO

XI Convenção blo­quis­ta ter­mi­na ho­je em Lis­boa

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.