O mé­di­co be­ne­vo­len­te, a co­zi­nhei­ra e as an­do­ri­nhas

Em Ten­tú­gal há uma quin­ta que per­ten­ceu à Casa Ca­da­val du­ran­te sé­cu­los. Par­te foi in­cen­di­a­da, de­pois re­cons­truí­da, pa­ra vol­tar a co­nhe­cer o de­clí­nio a par­tir de me­a­dos do sé­cu­lo XX

Edição Público Lisboa - - LOCAL - Edi­fí­ci­os aban­do­na­dos Ca­mi­lo Sol­da­do

À se­cre­tá­ria do es­trei­to e ata­fu­lha­do es­cri­tó­rio do seu apar­ta­men­to em Coim­bra, o mé­di­co Armando Le­al Gon­sal­ves per­cor­re a ga­le­ria de fo­to­gra­fi­as di­gi­ta­li­za­das que con­ser­va no com­pu­ta­dor. Nas ima­gens a pre­to e bran­co es­tão os avós, o pai, os pri­mos, os com­pa­nhei­ros de in­fân­cia ou os ami­gos da fa­mí­lia, des­de o tem­po em que ain­da não era nas­ci­do até à sua ju­ven­tu­de. O car­di­o­lo­gis­ta, que aos 80 anos con­ti­nua a dar con­sul­tas, apre­sen­ta a su­ces­são de fo­to­gra­fi­as no ecrã com o va­gar ne­ces­sá­rio pa­ra de­ta­lhar on­de foi ti­ra­da ca­da uma e in­di­car que nomes que cor­res­pon­dem a que caras.

As re­cor­da­ções da pri­mei­ra me­ta­de do sé­cu­lo XX que Armando Le­al Gon­sal­ves vai mos­tran­do têm um pa­no de fun­do co­mum: a casa em Ten­tú­gal on­de pas­sa­va fins-de­se­ma­na e fé­ri­as, a meio ca­mi­nho en­tre Mon­te­mor-o-Ve­lho e Coim­bra. À casa que te­rá si­do cons­truí­da no sé­cu­lo XIV co­nhe­cem-lhe vá­ri­os nomes: Pa­ço dos Con­des de Ten­tú­gal, dos Du­ques do Ca­da­val, do In­fan­te D. Pe­dro, Quin­ta do Pa­ço ou, sim­ples­men­te, o Pa­ço.

Ape­sar de ter per­ten­ci­do du­ran­te sé­cu­los à Casa Ca­da­val, a fa­mí­lia não mo­ra­va lá. Ape­nas a vi­si­ta­va pon­tu­al­men­te, con­tro­lan­do a quin­ta atra­vés da no­me­a­ção de um ad­mi­nis­tra­dor. É aqui que en­tra a fa­mí­lia Gon­sal­ves (cu­jo S foi so­bre­vi­ven­do às mu­dan­ças de gra­fia), que di­ri­giu o Pa­ço du­ran­te ge­ra­ções. O último foi Armando Gon­sal­ves, de quem o ne­to her­dou o no­me e se­guiu a pro­fis­são, que ad­mi­nis­trou o Pa­ço des­de o iní­cio do sé­cu­lo XX até 1955, da­ta da sua mor­te.

An­tes de­le, o pai Fran­cis­co já ti­nha de­sem­pe­nha­do igual fun­ção ao ser­vi­ço da fa­mí­lia Al­va­res Pe­rei­ra de Me­lo (du­ques do Ca­da­val), mas o fi­lho, que tam­bém era mé­di­co pneu­mo­lo­gis­ta, dei­xa­ria uma mar­ca mais du­ra­dou- ra, che­gan­do até ho­je nas bo­cas dos mais an­ti­gos de Ten­tú­gal. Tan­to que o seu no­me bap­ti­zou uma ala­me­da em Coim­bra e uma das prin­ci­pais ru­as da vi­la de Ten­tú­gal, on­de há um bus­to em sua me­mó­ria.

Vin­te es­cu­dos na Pri­ma­ve­ra

Um ca­sal de an­do­ri­nhas en­trou na co­zi­nha do Pa­ço e cons­truiu ali o seu ni­nho. O ad­mi­nis­tra­dor Armando Gon­sal­ves não quis de­sins­ta­lar as aves e man­dou co­lo­car umas por­tas ve­lhas por bai­xo, pa­ra pro­te­ger o as­seio do res­to da di­vi­são. As an­do­ri­nhas en­tra­vam, nin­guém as in­co­mo­da­va e ti­nham ali a sua casa, que par­ti­lha­vam com a co­zi­nhei­ra Te­re­sa da Silva.

“Ó Te­re­sa, ca­da ano, quan­do me dis­se­res que as an­do­ri­nhas che­ga­ram, eu dou-te 20 es­cu­dos”, ter-lhe-á di­to o ad­mi­nis­tra­dor. Nos anos 1940, 20 es­cu­dos era di­nhei­ro. Man­te­ve a pa­la­vra de tal for­ma que, che­gan­do a Fe­ve­rei­ro, Te­re­sa co­me­ça­va a olhar pe­la ja­ne­la: “Quan­do é que vo­cês vêm que o di­nhei­ro dá-me tan­to jei­to.”

A his­tó­ria é as­sim con­ta­da por José Cra­vei­ro, o de­po­si­tá­rio de mui­to do pa­tri­mó­nio da quin­ta sem nun­ca ter si­do seu do­no nem nun­ca lá ter vi­vi­do. Nas­ceu nu­ma al­deia das re­don­de­zas e mu­dou-se pa­ra Ten­tú­gal em 1962, on­de ain­da mo­ra. É con­ta­dor de his­tó­ri­as. Pa­ra es­sa ocu­pa­ção con­tri­buiu a ta­ber­na dos pais, on­de co­me­çou a tra­ba­lhar aos oi­to anos. Quan­do lhe per­gun­tam so­bre o Pa­ço, José Cra­vei­ro vai de­sen­ro­lan­do his­tó­ri­as que dão cor­po à re­pu­ta­ção do an­ti­go ad­mi­nis­tra­dor co­mo fi­gu­ra ge­ne­ro­sa. Mas su­bli­nha que ele não da­va es­mo­las, em­bo­ra por ve­zes pro­cu­ras­se as ta­re­fas mais inó­cu­as co­mo pre­tex­to pa­ra dis­tri­buir uns es­cu­dos.

José Ca­va­co, ho­je com 78 anos, é ne­to da co­zi­nhei­ra Te­re­sa da Silva, Fez a 4.ª clas­se com 12 anos e foi tra­ba­lhar pa­ra o Pa­ço, mas an­tes já lá brin­ca­va com o ne­to do ad­mi­nis­tra­dor e tam­bém “fa­zia uns ser­vi­ci­tos”, re­cor­da. A tro­co de uns es­cu­dos re- Em es­ta­do de ruí­na, o Pa­ço de Ten­tú­gal foi clas­si­fi­ca­do em 2013 co­mo mo­nu­men­to de interesse pú­bli­co, o que li­mi­ta fu­tu­ras in­ter­ven­ções ga­va os va­sos da casa, que o ad­mi­nis­tra­dor lhe ga­ran­tia se­rem “tan­tos quan­tos di­as tem um ano”.

Se du­ran­te a semana o mé­di­co exer­cia a pro­fis­são em Coim­bra, aos do­min­gos, das 7h às 13h, da­va con­sul­tas no Pa­ço às pes­so­as com me­nos pos­si­bi­li­da­des, sen­do mui­tas ve­zes re­com­pen­sa­do com ovos, bo­los e ou­tros gé­ne­ros, con­ta Armando Le­al Gon­sal­ves. “Mas não le­va­va di­nhei­ro de nin­guém”, pe­lo con­trá­rio.

Já lá vão cer­ca de 15 anos, mas o ne­to ain­da lem­bra o dia em que um ma­ri­do e mu­lher lhe apa­re­ce­ram no con­sul­tó­rio e lhe dis­se­ram ter si­do tra­ta­dos da tu­ber­cu­lo­se pe­lo avô. Co­mo não ti­nham pos­ses pa­ra ir a Coim­bra, Armando Gon­sal­ves (avô) ofe­re­ceu uma quan­tia que o ca­sal dis­se ter da­do pa­ra a ra­di­o­gra­fia, pa­ra a viagem, pa­ra al­mo­çar e que ain­da so­brou. “Ele di­zia pa­ra irem à far­má­cia e po­rem o no­me de­le”, re­cor­da.

Armando Gon­sal­ves mor­reu em 1955, com me­nos três de­dos de­vi­do à fal­ta de pro­tec­ção ade­qua­da du­ran­te as ra­di­o­gra­fi­as e sem for­tu­na. Dei­xou dí­vi­das por sal­dar nas far­má­ci­as e o es­pó­lio que dei­xou es­te­ve pa­ra ir a lei­lão, ten­do aca­ba­do por fi­car na pos­se da fa­mí­lia.

Uma casa de no­bres

A mor­te do res­pon­sá­vel te­rá coin­ci­di­do com a per­da de ful­gor da casa, que en­tra­ria em de­clí­nio e re­gres­sa­ria ao es­ta­do de ruí­na, pe­lo qual já pas­sa­ra nou­tras épo­cas.

Pa­ra en­con­trar as ori­gens do com-

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.