Po­li­ti­za­ção do con­fli­to tor­na mais di­fí­cil a ac­ção da ONU na Sí­ria

Aju­da che­gou fi­nal­men­te à po­pu­la­ção no cam­po de Ruk­ban. “Não é um lu­gar on­de as pes­so­as pos­sam con­ti­nu­ar”, re­co­nhe­ce o co­or­de­na­dor da as­sis­tên­cia hu­ma­ni­tá­ria da ONU na Sí­ria, Pa­nos Moumt­zis

Edição Público Lisboa - - MUNDO - Guer­ra na Sí­ria Ri­ta Si­za, Bru­xe­las

As con­di­ções pa­ra os mais de 50 mil re­fu­gi­a­dos sí­ri­os que es­tão en­cur­ra­la­dos há qua­se três anos no cam­po de Ruk­ban, jun­to à fron­tei­ra com a Jordânia, não se­ri­am mui­to di­fe­ren­tes se em vez de es­ta­rem per­di­dos no de­ser­to es­ti­ves­sem na Lua, com­pa­ra o vi­ce-se­cre­tá­rio-ge­ral e co­or­de­na­dor da as­sis­tên­cia hu­ma­ni­tá­ria das Na­ções Uni­das pa­ra a cri­se da Sí­ria, Pa­nos Moumt­zis. “Li­te­ral­men­te no meio do na­da”, o cam­po de Ruk­ban, tal co­mo o ter­ri­tó­rio lu­nar, “é du­ro: é quen­te, é frio, fi­ca inun­da­do”, des­cre­ve. “As con­di­ções são mesmo mui­to difíceis. Aque­le não é um lu­gar on­de as pes­so­as pos­sam con­ti­nu­ar”, afir­ma.

Há uma semana, de­pois de in­ten­sas negociações, as Na­ções Uni­das con­se­gui­ram fi­nal­men­te fa­zer che­gar um com­boio hu­ma­ni­tá­rio, com­pos­to por 78 ca­miões, até ao cam­po de Ruk­ban. A po­pu­la­ção que ali se en­con­tra (a gran­de mai­o­ria são mu­lhe­res e cri­an­ças) é ví­ti­ma da com­ple­xi­da­de e vi­o­lên­cia do con­fli­to do país, que des­de 2011 tem obri­ga­do os sí­ri­os a mo­vi­men­tos de des­lo­ca­ção in­ter­nos cons­tan­tes.

Aque­les que so­bre­vi­vem em Ruk­ban ten­ci­o­na­vam es­ca­par da vi­o­lên­cia do Da­esh e fu­gir pa­ra a Jordânia, que al­ber­ga mais de 670 mil re­fu­gi­a­dos sí­ri­os. Mas no fi­nal de 2015, uma sequência de ata­ques pro­ta­go­ni­za­dos pe­los is­la­mis­tas le­vou ao fe­cho da fron­tei­ra. Sem hi­pó­te­se de vol­tar pa­ra trás, as fa­mí­li­as em fu­ga não tiveram outra al­ter­na­ti­va que não as­sen­tar cam­po em ple­no de­ser­to — on­de per­ma­ne­cem. “A si­tu­a­ção é trá­gi­ca e aque­las pes­so­as es­tão de­ses­pe­ra­das”, re­su­me Moumt­zis.

A úl­ti­ma vez que a aju­da hu­ma­ni­tá­ria che­gou a Ruk­ban foi há dez me­ses, em Ja­nei­ro. An­tes disso, as Na­ções Uni­das, em par­ce­ria com o Cres­cen­te Ver­me­lho da Sí­ria, só ti­nham con­se­gui­do lá en­trar em Ju­lho de 2017. “Há mui­tas ne­ces­si­da­des que não es­tão a ser pre­en­chi­das há de­ma­si­a­do tem­po. No último ano, não fo­mos ca­pa­zes de prestar o apoio que de­se­já­va­mos”, la­men­ta este res­pon­sá­vel — que po­de­ria re­pe­tir a mesma fra­se em re­la­ção a mui­tos ou­tros cam­pos e lo­cais da Sí­ria, on­de as po­pu­la­ções de­sa­lo­ja­das por uma guer­ra que se pro­lon­ga há mais de oi­to anos, e dei­xou o país to­tal­men­te de­vas­ta­do, es­tão de­pen­den­tes do au­xi­lio in­ter­na­ci­o­nal pa­ra so­bre­vi­ver.

Iso­la­dos pe­lo aces­so do ex­te­ri­or, e sem re­cur­sos no in­te­ri­or, as ca­rên­ci­as no cam­po de Ruk­ban são to­tais. “Na semana pas­sa­da, perdemos du­as cri­an­ças que mor­re­ram com di­ar­reia, uma do­en­ça que po­de ser pre­ve­ni­da e que é to­tal­men­te tra­tá­vel”, ob­ser­va Pa­nos Moumt­zis. Por is­so, diz, foi tão im­por­tan­te ter con­se­gui­do tra­zer ago­ra água, ali­men­tos, me­di­ca­men­tos e ou­tros ma­te­ri­ais mé­di­cos, rou­pas, fral­das e pro­du­tos de hi­gi­e­ne, co­ber­to­res e ten­das. Com o In­ver­no a che­gar, a ONU quer ga­ran­tir que os re­fu­gi­a­dos alo­ja­dos em mais de dez mil ten­das e ca­ba­nas têm a pro­tec­ção mí­ni­ma con­tra o ri­gor dos elementos.

Ne­go­ci­ar au­to­ri­za­ções

A ex­pec­ta­ti­va das or­ga­ni­za­ções hu­ma­ni­tá­ri­as é po­der vol­tar a Ruk­ban em Ja­nei­ro com um no­vo car­re­ga­men­to de aju­da, o que obri­ga­rá a re­ne­go­ci­ar a au­to­ri­za­ção com to­dos os ac­to­res po­lí­ti­cos e mi­li­ta­res no ter­re­no. Co­mo re­cons­ti­tui Moumt­zis, pa­ra os ca­miões fa­ze­rem o per­cur­so en­tre a ca­pi­tal, Da­mas­co, e o cha­ma­do “qui­ló­me­tro 55” da es­tra­da que con­duz à fron­tei­ra, têm de ter uma per­mis­são pa­ra cir­cu­lar do Go­ver­no e do Exér­ci­to sí­rio, bem co­mo das for­ças rus­sas que apoi­am o Pre­si­den­te sí­rio, Bashar al-As­sad, que po­dem tra­var o seu avan­ço em qual­quer pon­to do per­cur­so. O qui­ló­me­tro 55 es­tá de­bai­xo O cam­po de Ruk­ban fi­ca no de­ser­to, jun­to à fron­tei­ra com a Jordânia da su­per­vi­são da co­li­ga­ção mi­li­tar in­ter­na­ci­o­nal que com­ba­te o Da­esh, li­de­ra­da pe­los EUA, que tem que dar luz ver­de à pas­sa­gem da ca­ra­va­na hu­ma­ni­tá­ria. Daí até ao cam­po, é preciso “dis­cu­tir” com as mi­lí­ci­as re­bel­des, dois gru­pos de mi­li­tan­tes ar­ma­dos que se man­têm ac­ti­vos na zo­na.

To­da a as­sis­tên­cia de emer­gên­cia que se con­si­ga fa­zer che­gar ao lo­cal se­rá pou­ca pa­ra re­sol­ver o pro­ble­ma da­que­las pes­so­as. “Fa­la­re­mos as ve­zes que for preciso com quem te­nha po­der ou ca­pa­ci­da­de de in­fluên­cia, se­ja o Go­ver­no da Sí­ria ou da Tur­quia, os gru­pos não es­ta­tais que ne­go­cei­em con­nos­co, os rus­sos e os ame­ri­ca­nos, pa­ra po­der che­gar perto das pes­so­as e aju­dá-las”, ga­ran­te Pa­nos Moumt­zis, que não tem dú­vi­das de que a dis­tri­bui­ção de

SARC HANDOUT/EPA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.