O outro diá­rio ado­les­cen­te da II Guer­ra: “Te­nho me­do da mor­te”

Co­nhe­ce­mos bem o de An­ne Frank, mas ain­da não le­mos o de Re­nia Spi­e­gel, exe­cu­ta­da aos 18 anos nu­ma pe­que­na ci­da­de da Po­ló­nia. Em bre­ve che­ga­rá às li­vra­ri­as em in­glês. A Se­gun­da Guer­ra outra vez em di­rec­to e na pri­mei­ra pes­soa

Edição Público Lisboa - - CULTURA - Li­vros Lu­cin­da Ca­ne­las

Há qua­se 70 anos Re­nia Spi­e­gel es­cre­veu a úl­ti­ma en­tra­da no seu diá­rio. São três pa­rá­gra­fos em que esta jo­vem po­la­ca, ju­dia, se di­ri­ge à mãe, de quem aca­ba de re­ce­ber uma car­ta com uma fo­to­gra­fia, e a Deus. “A po­lí­cia do ghet­to ju­deu veio na noi­te pas­sa­da. Ain­da não pa­gá­mos tu­do. Oh! Por que não po­de cho­ver di­nhei­ro? Afi­nal, é a vi­da das pes­so­as. Che­ga­ram tem­pos hor­rí­veis. Não ima­gi­nas quão hor­rí­veis, ma­mã. Mas Deus to­ma con­ta de nós e, em­bo­ra eu es­te­ja ter­ri­vel­men­te as­sus­ta­da, con­fio Ne­le.”

Nes­se mesmo dia, 25 de Ju­lho de 1942, já à noi­te, Re­nia pa­re­ce des­pe­dir-se, co­mo se pres­sen­tis­se que o fim não tar­da­va: “Meu que­ri­do diá­rio, meu bom e ado­ra­do ami­go! Pas­sá­mos por tem­pos ater­ra­do­res juntos, mas ago­ra en­fren­ta­mos o pi­or dos mo­men­tos. (...) Es­cu­ta, Is­ra­el, sal­va-nos, aju­da-nos. Pro­te­ges­te-me das ba­las e das bom­bas, das gra­na­das. Aju­da-me a so­bre­vi­ver! E tu, mi­nha que­ri­da ma­mã, re­za por nós ho­je, re­za com for­ça.” Se­ria exe­cu­ta­da cin­co di­as de­pois.

Anos an­tes, em 1939, quan­do Re­nia es­ta­va já a vi­ver em casa dos avós na pe­que­na ci­da­de de Pr­zemysl, e a ir­mã se­te anos mais no­va, Ari­a­na, es­ta­va de vi­si­ta, ti­nham fi­ca­do se­pa­ra­das da mãe. Com a Po­ló­nia di­vi­di­da en­tre rus­sos e ale­mães, aca­ba­ram por fi­car em la­dos opos­tos da “fron­tei­ra” que o ar­ran­que da Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al de­se­nhou a ré­gua e es­qua­dro. Ró­za, que se mu­da­ra com Ari­a­na pa­ra Var­só­via pa­ra que a fi­lha pu­des­se se­guir uma carreira no mun­do do es­pec­tá­cu­lo (cha­ma­vam­lhe a “Shir­ley Tem­ple po­la­ca” por se ter es­tre­a­do em palco aos oi­to anos, can­tan­do, to­can­do pi­a­no e re­ci­tan­do po­e­sia), per­ma­ne­ce­ra na ca­pi­tal, ter­ri­tó­rio sob ocu­pa­ção na­zi.

Um ex­cer­to do diá­rio da jo­vem Re­nia Spi­e­gel (1924-1942) foi ago­ra pu­bli­ca­do pe­la pri­mei­ra vez em in­glês, na re­vis­ta men­sal da Smith­so­ni­an Ins­ti­tu­ti­on, uma das mais importantes or­ga­ni­za­ções de edu­ca­ção e cul­tu­ra nor­te-ame­ri­ca­nas, que tam­bém lhe de­di­cou um lon­go ar­ti­go, as­si­na­do pe­la es­cri­to­ra e jor­na­lis­ta Ro­bin Shul­man.

O diá­rio es­cri­to em mais de 700 pá­gi­nas de ca­der­nos es­co­la­res du­ran­te qua­se três anos, e que foi pe­la pri­mei­ra vez edi­ta­do na Po­ló­nia em 2016, de­ve­rá che­gar de no­vo às li­vra­ri­as em bre­ve, já que Ari­a­na, que se ra­di­cou nos Es­ta­dos Uni­dos de­pois da guer­ra, ce­le­brou este Ve­rão um acor­do com a St Mar­tin’s Press, uma das mai­o­res edi­to­ras do mun­do em lín­gua in­gle­sa, pa­ra o pu­bli­car, num vo­lu­me que in­clui­rá tam­bém a sua pró­pria his­tó­ria de so­bre­vi­vên­cia.

Pe­lo ar­ti­go e ex­cer­tos pu­bli­ca­dos na re­vis­ta ame­ri­ca­na, en­tre­tan­to ci­ta­dos pe­la im­pren­sa in­ter­na­ci­o­nal, é pos­sí­vel di­zer sem me­do de er­rar que o re­la­to que Re­nia faz da­que­les três anos (1939-1942) re­sul­ta de um olhar ge­nuí­no so­bre o que a ro­deia, mis­tu­ran­do as pre­o­cu­pa­ções co­muns de uma ado­les­cen­te — a es­co­la, os co­le­gas, os pro­fes­so­res, as dis­cus­sões com a ir­mã, o cor­po em trans­for­ma­ção, o seu pri­mei­ro amor e com ele o pri­mei­ro bei­jo — com as de uma jo­vem mu­lher que se vê mer­gu­lha­da num ce­ná­rio trá­gi­co, te­men­do pe­la sua pró­pria vi­da e pe­la da­que­les que ama, sen­tin­do-se por ve­zes pro­fun­da­men­te so­zi­nha.

“Deus sal­vou o Zy­gus [o seu na­mo­ra­do, Zyg­munt Schwar­zer]. Ele es­ti­ve­ram a le­var pes­so­as to­da a noi­te. Reu­ni­ram 1260 ra­pa­zes. Há tan­tas ví­ti­mas, pais, mães, ir­mãos. (...) Esta foi uma noi­te ter­rí­vel, de­ma­si­a­do ter­rí­vel pa­ra des­cre­ver. Mas o Zy­gus es­te­ve aqui, o meu que­ri­do, que­ri­do e amo­ro­so. Abra­çá­mo-nos e bei­já­mo­nos sem pa­rar”, es­cre­ve a 19 de Ju­nho de 1942, de­pois de um rai­de da Ges­ta­po ter en­vi­a­do mais de mil ju­deus de Pr­zemysl pa­ra os cam­pos de tra­ba­lho, ma­tan­do ain­da inú­me­ros mem­bros das su­as fa­mí­li­as.

Ad­mi­tin­do que a com­pa­ra­ção de Re­nia Spi­e­gel com An­ne Frank, é ób­via pa­ra a mai­o­ria dos lei­to­res — am­bas são mu­lhe­res mui­to jovens, am­bas es­cre­vem so­bre o que é ser­se ju­deu du­ran­te a Se­gun­da Guer­ra, sem dei­xar de fo­ra os te­mas da ado­les­cên­cia —, Ro­bin Shul­man faz ques­tão de no­tar que a pri­mei­ra é um pou­co mais ve­lha e mais “so­fis­ti­ca­da” do que a se­gun­da, es­cre­ven­do tan­to em po­e­sia co­mo em pro­sa. Mais re­le­van­te no jogo das di­fe­ren­ças, su­bli­nha a jor­na­lis­ta, é o fac­to de o diá­rio de Re­nia ter si­do es­cri­to em con­tac­to di­rec­to com o mun­do, ao pas­so que o de An­ne é fei­to quan­do a jo­vem ale­mã es­ta­va já es­con­di­da com a fa­mí­lia num ane­xo do es­cri­tó­rio do pai, em Ames­ter­dão.

“Len­do tão di­fe­ren­tes re­la­tos na pri­mei­ra pes­soa lem­bra-nos que ca­da uma dos mi­lhões de ví­ti­mas do Ho­lo­caus­to te­ve uma ex­pe­ri­ên­cia úni­ca e trá­gi­ca”, con­ti­nua a au­to­ra do ar­ti­go pa­ra a Smith­so­ni­an. “Por que ra­zão de­ci­di co­me­çar um diá­rio ho­je? Acon­te­ceu al­gu­ma coi­sa im­por­tan­te? Não! Eu só qu­e­ro um ami­go. Al­guém com quem pos­sa con­ver­sar so­bre as mi­nhas pre­o­cu­pa­ções e ale­gri­as do dia-a-dia. Al­guém que sin­ta o que eu sin­to, que acre­di­te no que di­go e nun­ca re­ve­le os meus se­gre­dos”, co­me­ça por es­cre­ver, a 31 de Ja­nei­ro de 1939, esta jo­vem po­la­ca que so­nha­va ser pro­fes­so­ra e co­nhe­cer o mun­do. Ti­nha ape­nas 15 anos. Me­nos de três me­ses an­tes, a co­me­çar a 9 de No­vem­bro de 1938, uma on­da de vi­o­lên­cia an­ti-se­mi­ta ti­nha atra­ves­sa­do a Ale­ma­nha, a Áus­tria e a Re­pú­bli­ca Che­ca. Du­ran­te 48 ho­ras, cen­te­nas e cen­te­nas de si­na­go­gas, es­co­las, lo­jas e ca­sas que per­ten­ci­am a ci­da­dãos ju­deus fo­ram des­truí­das. Aque­la que fi­cou co­nhe­ci­da co­mo a Noi­te de Cris­tal aca­ba­ria com qua­se cem ju­deus as­sas­si­na­dos, mui­tos de­les es­pan­ca­dos nas ru­as, e com mais de 20 mil de­por­ta­dos pa­ra os cam­pos de con­cen­tra­ção.

No Ve­rão de 1941, Re­nia fa­la, as­sim, do que sen­te ao ter de usar a bra­ça­dei­ra bran­ca com a es­tre­la de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.