No 8.º ano são mui­tos os alu­nos que er­ram na gra­má­ti­ca e na arit­mé­ti­ca

Re­sul­ta­dos na­ci­o­nais das pro­vas de afe­ri­ção dão con­ta de uma ten­dên­cia de agra­va­men­to das di­fi­cul­da­des dos alu­nos à me­di­da que pro­gri­dem de ano. Pro­fes­so­res apon­tam o de­do aos pro­gra­mas em vi­gor

Edição Público Porto - - POR­TU­GAL - Cla­ra Vi­a­na

Ape­nas 16,9% dos alu­nos do 8.º ano de es­co­la­ri­da­de con­se­gui­ram res­pon­der de acor­do com o es­pe­ra­do nas per­gun­tas re­la­ti­vas a gra­má­ti­ca que cons­ta­vam da pro­va de afe­ri­ção de Por­tu­guês, re­a­li­za­da em Ju­nho. E só 22,8% o fi­ze­ram na par­te re­la­ti­va à lei­tu­ra. Es­tas per­cen­ta­gens so­bem pa­ra 63,6% e 59,7% en­tre os alu­nos do 2.º ano de es­co­la­ri­da­de, se­gun­do os re­sul­ta­dos na­ci­o­nais das pro­vas de afe­ri­ção di­vul­ga­dos on­tem pe­lo Ins­ti­tu­to de Ava­li­a­ção Edu­ca­ti­va.

Ao con­trá­rio dos exa­mes, que dei­xa­ram de exis­tir no 4.º e no 6.º ano de es­co­la­ri­da­de, as pro­vas de afe­ri­ção não con­tam pa­ra a no­ta fi­nal dos alu­nos. Es­te ano fo­ram fei­tas em 56% das es­co­las. No pró­xi­mo ano lec­ti­vo, a sua re­a­li­za­ção se­rá obri­ga­tó­ria pa­ra to­dos os alu­nos dos 2.º, 5.º e 8.º anos de es­co­la­ri­da­de.

O que os re­sul­ta­dos na­ci­o­nais mos­tram, pa­ra já, é que à me­di­da que os alu­nos pro­gri­dem de ano exis­te uma ten­dên­cia pa­ra se agra­va­rem as su­as di­fi­cul­da­des, tan­to a Por­tu­guês co­mo a Ma­te­má­ti­ca. No ca­so da pri­mei­ra dis­ci­pli­na, a per­cen­ta­gem dos que con­se­gui­ram res­pon­der sem di­fi­cul­da­des às com­po­nen­tes de gra­má­ti­ca e lei­tu­ra no 5.º ano des­ceu pa­ra 30,9% e 50,5%, res­pec­ti­va­men­te.

A pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção de Pro­fes­so­res de Por­tu­guês, Ed­vi­ges Fer­rei­ra, con­si­de­ra que os re­sul­ta­dos a lei­tu­ra no 8.º ano de es­co­la­ri­da­de, que clas­si­fi­ca co­mo “mui­to fra­cos”, de­vem le­var a “uma re­for­mu­la­ção dos pro­gra­mas e das me­tas cur­ri­cu­la­res em vi­gor”. “Os pro­fes­so­res es­tão mui­to es­par­ti­lha­dos e têm um le­que mui­to re­du­zi­do de tex­tos a pro­por que pro­va­vel­men­te não se adap­ta a vá­ri­as re­giões do país, já que Por­tu­gal não é só Lis­boa”, co­men­ta, acres­cen­tan­do tam­bém que os pro­gra­mas em vi­gor “não se ade­quam aos alu­nos do sé­cu­lo XXI”. Ed­vi­ges Fer­rei­ra con­si­de­ra, con­tu­do, que não se de­vem com­pa­rar os re­sul­ta­dos dos alu­nos mais no­vos com os dos mais ve­lhos, por­que “no 2.º ano ain­da es­tá tu­do mui­to no iní­cio” e os con­teú­dos pro­pos­tos não são equi­pa­rá­veis.

Na dis­ci­pli­na de Ma­te­má­ti­ca, 55,4% dos alu­nos do se­gun­do ano Com­pre­en­são Oral — um ní­vel de en­si­no fre­quen­ta­do mai­o­ri­ta­ri­a­men­te por cri­an­ças de se­te anos — con­se­gui­ram res­pon­der às ques­tões re­la­ti­vas a nú­me­ros e ope­ra­ções arit­mé­ti­cas. Mas aos 13 anos es­ta per­cen­ta­gem já não vai além dos 15,6% e aos dez, no 5.º ano, fi­ca-se pe­los 12,1%. O pa­no­ra­ma ain­da é pi­or quan­do se tra­ta de ge­o­me­tria. No 2.º ano de es­co­la­ri­da­de, 54,6% res­pon­de­ram sem di­fi­cul­da­des aos itens des­te con­teú­do, mas no 8.º ano ape­nas 8,7% con­se­gui­ram o mes­mo.

Pa­ra Lur­des Fi­guei­ral, pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção de Pro­fes­so­res de Ma­te­má­ti­ca, es­ta os­ci­la­ção de re­sul­ta­dos vem con­fir­mar o que já têm cons­ta­ta­do no ter­re­no: “Os de­sem­pe­nhos vão pi­o­ran­do pro­gres­si­va­men­te por­que os alu­nos vão de­sis­tin­do.” Es­ta do­cen­te res­sal­va que não exis­te uma ra­zão úni­ca pa­ra tal, em­bo­ra lem­bre as crí­ti­cas da sua as­so­ci­a­ção ao pro­gra­ma do en­si­no bá­si­co, que en­trou em vi­gor em 2013. “É com­ple­ta­men­te ina­de­qua­do, co­mo mos­tram os re­sul­ta­dos ob­ti­dos em vá­ri­as das áre­as ava­li­a­das nas pro­vas de afe­ri­ção, e que tem con­tri­buí­do pa­ra que os alu­nos se es­te­jam a afas­tar ca­da vez mais da dis­ci­pli­na”, diz. O que es­tes re­sul­ta­dos mos­tram tam­bém, acres­cen­ta, é que se im­põe “uma in­ter­ven­ção mui­to fo­ca­da no en­si­no bá­si­co, on­de nos úl­ti­mos anos foi fei­to um mau in­ves­ti­men­to, e que pas­sa por ter res­pos­tas so­bre o que se quer pa­ra os alu­nos nes­te ní­vel de es­co­la­ri­da­de”.

Nas pro­vas de Ma­te­má­ti­ca o domínio em que os alu­nos se saí­ram me­lhor foi o da or­ga­ni­za­ção e tra­ta­men­to de da­dos (grá­fi­cos). A Por­tu­guês, os alu­nos do 2.º ano saí­ram-se me­lhor a gra­má­ti­ca. Já os do 5.º ano e do 8.º des­ta­ca­ram-se na es­cri­ta.

RUI FA­RI­NHA

No pró­xi­mo ano lec­ti­vo, as pro­vas de afe­ri­ção se­rão obri­ga­tó­ri­as pa­ra to­dos os alu­nos dos 2.º, 5.º e 8.º anos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.