Ze­ro diz que 28 mi­lhões de eu­ros ar­dem com o li­xo de Lis­boa e Por­to

Go­ver­no re­cu­sa que sub­si­di­a­ção da ener­gia pro­du­zi­da por qu­ei­ma de re­sí­du­os es­te­ja a atra­sar cum­pri­men­to das me­tas de re­ci­cla­gem

Edição Público Porto - - LOCAL - Abel Co­en­trão aco­en­trao@pu­bli­co.pt

A as­so­ci­a­ção am­bi­en­ta­lis­ta Ze­ro con­ta­bi­li­za em mais de 28 mi­lhões de eu­ros o va­lor pa­go pe­los por­tu­gue­ses nas su­as contas de elec­tri­ci­da­de no ano pas­sa­do por con­ta da sub­si­di­a­ção do pre­ço pa­go pe­la ener­gia pro­du­zi­da a par­tir da qu­ei­ma dos re­sí­du­os dos oi­to con­ce­lhos que in­te­gram a Li­por, no Gran­de Por­to, e dos 19 mu­ni­cí­pi­os da Gran­de Lis­boa que en­ca­mi­nham os re­sí­du­os ur­ba­nos pa­ra a Va­lor­sul. O Go­ver­no con­tes­ta es­tes nú­me­ros e ga­ran­te que não é o des­vio de li­xo pa­ra as in­ci­ne­ra­do­ras que pre­ju­di­ca o es­for­ço de cum­pri­men­to das me­tas de re­ci­cla­gem de re­sí­du­os, cu­jo pla­no vai ser re­vis­to em 2018.

Os dois mai­o­res sis­te­mas de tra­ta­men­to de re­sí­du­os ur­ba­nos do país es­tão, se­gun­do a Ze­ro, re­féns de uma es­tra­té­gia de va­lo­ri­za­ção ener­gé­ti­ca do li­xo pro­du­zi­do nas du­as re­giões. Uma apos­ta, avi­sa aque­la as­so­ci­a­ção, que é du­pla­men­te per­ni­ci­o­sa pa­ra o am­bi­en­te, pe­las emis­sões de CO2 que lhe es­tão as­so­ci­a­das e por­que, ga­ran­te Rui Ber­ke­mei­er, vai pôr em cau­sa o cum­pri­men­to das me­tas de re­ci­cla­gem que o país ins­cre­veu no PERSU (Pla­no Es­tra­té­gi­co de Re­sí­du­os Só­li­dos Ur­ba­nos) pa­ra 2020.

“Sa­bia que a Cen­tral de Va­lo­ri­za­ção Ener­gé­ti­ca re­ce­be cer­ca de 2 mil to­ne­la­das de re­sí­du­os por dia e pro­duz ener­gia su­fi­ci­en­te pa­ra ali­men­tar uma ci­da­de de 150 mil ha­bi­tan­tes?”. A in­for­ma­ção po­si­ti­va des­ta­ca­da pe­la Va­lor­sul no seu si­te não con­ven­ce a Ze­ro — As­so­ci­a­ção Sis­te­ma Ter­res­tre Sus­ten­tá­vel que, em co­mu­ni­ca­do, con­ta­bi­li­za em 750 mil to­ne­la­das de CO2 as emis­sões das du­as in­ci­ne­ra­do­ras de RU do país, só no ano pas­sa­do, por via da qu­ei­ma de um mi­lhão de to­ne­la­das de re­sí­du­os, ou se­ja, mais de um quinto (22%) de to­do o li­xo do­més­ti­co que pro­du­zi­mos. E uma boa par­te des­te ma­te­ri­al, as­se­gu­ra, se­ria re­ci­clá­vel.

Ten­do em con­ta es­te cál­cu­lo de emis­sões, a as­so­ci­a­ção ques­ti­o­na co­mo po­de o Go­ver­no con­ti­nu­ar a sub­si­di­ar a ener­gia pro­du­zi­da des­ta for­ma co­mo se ela fos­se pro­ve­ni­en­te de fon­tes re­no­vá­veis. Re­cor­ren­do a da­dos de 2016 do Mer­ca­do Ibé­ri­co de Ener­gia eléc­tri­ca (Mi­bel) e da En­ti­da­de Re­gu­la­do­ra do Sec­tor Eléc­tri­co (ERSE), a Ze­ro con­ta­bi­li­za em 48,05 eu­ros o di­fe­ren­ci­al en­tre o pre­ço a pa­gar pe­lo MWh de ener­gia pro­du­zi­do por fon­tes não po­lu­en­tes e a que provém de fon­tes con­ven­ci­o­nais, di­fe­ren­ci­al es­te que acaba por se re­flec­tir na fac­tu­ra dos con­su­mi­do­res.

Sub­sí­di­os pa­gos por to­dos

Ana­li­san­do os re­la­tó­ri­os de contas das du­as em­pre­sas, a as­so­ci­a­ção “cons­ta­tou que a sub­si­di­a­ção da ener­gia re­pre­sen­ta uma par­te mui­to im­por­tan­te das re­cei­tas, es­ti­man­do­se que a Li­por te­nha be­ne­fi­ci­a­do, in­jus­ta­men­te, do apoio in­vo­lun­tá­rio dos con­su­mi­do­res por­tu­gue­ses de 8,5 mi­lhões eu­ros e a Va­lor­sul de 19,4 mi­lhões de eu­ros”. Des­tes qua­se 28 mi­lhões de eu­ros, cer­ca de 20 mi­lhões fo­ram pa­gos por ci­da­dãos e em­pre­sas que vi­vem fo­ra des­tas re­giões. A Ze­ro cri­ti­ca ain­da que “es­tas em­pre­sas be­ne­fi­ci­em “de uma re­du­ção anu­al da Ta­xa de Ges­tão de Re­sí­du­os (TGR) na or­dem dos 4,6 mi­lhões de eu­ros, qu­an­do não exis­tem ra­zões ob­jec­ti­vas pa­ra que a in­ci­ne­ra­ção pa­gue ape­nas um quar­to do que pa­ga a de­po­si­ção em ater­ro”.

Con­tac­ta­do pe­lo PÚ­BLI­CO, o se­cre­tá­rio de Es­ta­do do Am­bi­en­te con­tes­ta es­ta aná­li­se da Ze­ro, con­si­de­ran­do-a er­ra­da des­de lo­go pe­la for­ma co­mo ati­ra pa­ra ci­ma dos con­su­mi­do­res do­més­ti­cos, res­pon­sá­veis por “ape­nas um quar­to do con­su­mo to­tal de elec­tri­ci­da­de”, to­do o pe­so da sub­si­di­a­ção fei­ta a es­tes dois sis­te­mas. E mais ain­da, no­ta, qu­an­do nas re­giões abran­gi­das pe­la Li­por e pe­la Va­lor­sul vi­ve um ter­ço da po­pu­la­ção por­tu­gue­sa, o que di­mi­nui ain­da mais a fac­tu­ra pa­ga pe­los res­tan­tes ci­da­dãos, ga­ran­te Car­los Martins.

O se­cre­tá­rio de Es­ta­do do Am­bi­en­te lem­bra que o Go­ver­no es­tá a es­tu­dar al­te­ra­ções à sub­si­di­a­ção

da pro­du­ção de ener­gia por fon­tes re­no­vá­veis, que se­rão de­ci­di­das “em mo­men­to opor­tu­no”, tal co­mo as no­vas ta­xas de ges­tão de re­sí­du­os, ex­pli­cou, mas re­cu­sa cul­par a va­lo­ri­za­ção ener­gé­ti­ca pe­los even­tu­ais atra­sos no cum­pri­men­to das me­tas de re­ci­cla­gem. Es­se, in­sis­te, é um pro­ble­ma dos ci­da­dãos, em ge­ral, 30% dos quais não re­ci­clam na­da, cri­ti­ca, as­si­na­lan­do que é nes­te cam­po que o Go­ver­no, os sis­te­mas de tra­ta­men­to e as em­pre­sas res­pon­pon­de­ram, sá­veis pe­la va­lo­ri­za­ção dos ma­te­ri­ais re­ci­cla­dos têm de tra­ba­lhar, no­me­a­da­men­te atra­vés de cam­pa­nhas, de edu­ca­ção am­bi­en­tal e de ins­ta­la­ção de equi­pa­men­tos de re­co­lha por­ta a por­ta on­de tal se­ja pos­sí­vel.

Num mo­men­to em que se pre­pa­ra a re­vi­são do Pla­no Es­tra­té­gi­co de Re­sí­du­os Ur­ba­nos — que te­rá de ser ac­tu­a­li­za­do até Ju­nho de 2018 — Car­los Martins ad­mi­te que uma das for­mas de ga­ran­tir que o país al­can­ça as me­tas pro­pos­tas pas­sa pe­lo re­for­ço da re­co­lha por­ta a por­ta — e nis­so es­tá de acor­do com a Ze­ro — mas re­cu­sa a uni­ver­sa­li­za­ção des­te sis­te­ma, que se­ria de­ma­si­a­do one­ro­so pa­ra as em­pre­sas e pa­ra os con­su­mi­do­res, in­sis­te. A apos­ta pas­sa­rá por es­ten­dê­lo a vá­ri­as zo­nas do país den­sa­men­te po­vo­a­das, on­de os ga­nhos de es­ca­la di­mi­nu­em os seus cus­tos.

De­se­qui­lí­brio nas me­tas

Tal co­mo apon­ta a Ze­ro nes­te co­mu­ni­ca­do, tam­bém o se­cre­tá­rio de Es­ta­do não con­cor­da com a for­ma co­mo o an­te­ri­or Go­ver­no dis­tri­buiu, no PERSU 2020, o es­for­ço de re­ci­cla­gem pe­los vá­ri­os sis­te­mas mul­ti­mu­ni­ci­pais, ali­vi­an­do a pres­são so­bre en­ti­da­des co­mo a Li­por ou a Va­lor­sul, e pe­din­do a al­guns sis­te­mas do in­te­ri­or do país que re­ci­clem 80% do li­xo que pro­du­zem, por exem­plo. Por is­so, as­su­me, na re­vi­são de me­a­dos de 2018 vai ser pe­di­do um es­for­ço mai­or aos sis­te­mas que abran­jam ter­ri­tó­ri­os mais ur­ba­nos, nos quais, com me­nor in­ves­ti­men­to, é pos­sí­vel al­can­çar os re­sul­ta­dos pre­ten­di­dos, e ali­vi­a­da a pres­são so­bre os res­tan­tes.

Quer a Li­por, quer a Va­lor­sul res- por email, a al­gu­mas das ques­tões sus­ci­ta­das por es­te co­mu­ni­ca­do da Ze­ro, de­fen­den­do am­bas o re­cur­so à in­ci­ne­ra­ção. “O ar­gu­men­to de que a va­lo­ri­za­ção ener­gé­ti­ca ini­be o cum­pri­men­to de me­tas de re­ci­cla­gem é pou­co es­cla­re­ci­do e des­pro­vi­do de fun­da­men­to. Tan­to é as­sim que os paí­ses eu­ro­peus com me­lho­res ta­xas de re­ci­cla­gem (Áus­tria, Bél­gi­ca, Ale­ma­nha, Ho­lan­da, Sué­cia, en­tre ou­tros) são tam­bém os que têm mai­o­res ta­xas de va­lo­ri­za­ção ener­gé­ti­ca. Nes­ses paí­ses a frac­ção de re­sí­du­os de­po­si­ta­dos em ater­ro é per­to de ze­ro. Co­mo tal, es­se re­ceio não tem fun­da­men­to”, es­cre­ve a res­pon­sá­vel pe­lo ga­bi­ne­te de co­mu­ni­ca­ção da Va­lor­sul.

Já o ad­mi­nis­tra­dor-de­le­ga­do da Li­por, Fer­nan­do Lei­te, que acu­sa a Ze­ro de pas­sar uma “ideia fal­sa” por “ra­zões ide­o­ló­gi­cas”, acres­cen­ta que to­da a re­cei­ta que a Li­por re­ti­ra das su­as ope­ra­ções é rein­ves­ti­da em pro­jec­tos de re­co­lha se­lec­ti­va, em es­pe­ci­al no por­ta a por­ta”. Se­gun­do es­te ges­tor, os cer­ca de 4 mi­lhões de eu­ros da úl­ti­ma can­di­da­tu­ra da Li­por ao POSEUR [Pro­gra­ma Ope­ra­ci­o­nal Sus­ten­ta­bi­li­da­de e Efi­ci­ên­cia no Uso dos Re­cur­sos] vão ser to­tal­men­te apli­ca­dos na com­pra de con­ten­to­res, cam­pa­nhas de sen­si­bi­li­za­ção e re­co­lha se­lec­ti­va, me­di­das es­sen­ci­ais pa­ra o cum­pri­men­to das me­tas com as quais es­ta em­pre­sa, tal co­mo a Va­lor­sul, ga­ran­te es­tar em­pe­nha­da.

O ar­gu­men­to de que a va­lo­ri­za­ção ener­gé­ti­ca ini­be o cum­pri­men­to de me­tas de re­ci­cla­gem é pou­co es­cla­re­ci­do Va­lor­sul

FER­NAN­DO VE­LU­DO/NFACTOS

A Ze­ro con­ta­bi­li­za em 750 mil to­ne­la­das de CO2 as emis­sões das du­as in­ci­ne­ra­do­ras por via da qu­ei­ma de um mi­lhão de to­ne­la­das de re­sí­du­os

MI­GUEL MAN­SO

NEL­SON GARRIDO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.