Azeredo e mi­li­ta­res: des­con­fi­an­ça le­va­da ao ru­bro

Os olhos es­tão pos­tos na ma­nu­ten­ção de Ro­vis­co Du­ar­te à fren­te do Exér­ci­to, e a mi­ra da in­cre­du­li­da­de vi­sa o Mi­nis­té­rio da De­fe­sa Na­ci­o­nal

Edição Público Porto - - DESTAQUE - Nu­no Ri­bei­ro

A 10 de Ou­tu­bro, dois di­as an­tes de pe­dir a de­mis­são ao pri­mei­ro-mi­nis­tro, Azeredo Lo­pes as­si­nou um des­pa­cho no qual da­va 48 ho­ras ao ge­ne­ral Rui Ma­ti­as pa­ra que, pe­ran­te o abu­so num ar­ren­da­men­to, cla­ri­fi­cas­se a si­tu­a­ção do pa­tri­mó­nio imo­bi­liá­rio do Ins­ti­tu­to de Ac­ção So­ci­al das For­ças Ar­ma­das (IASFA) que di­ri­ge. Es­te te­rá si­do um dos úl­ti­mos em­ba­tes de um re­la­ci­o­na­men­to de des­con­fi­an­ça en­tre o mi­nis­tro da De­fe­sa Na­ci­o­nal e os mi­li­ta­res.

Por iro­nia, coin­ci­dên­cia ou sar­cas­mo, o des­pa­cho 49 de 2018 pa­ra apu­rar quem é quem nos ar­ren­da­men­tos do IASFA ex­pi­rou no mes­mo dia em que o mi­nis­tro aban­do­nou fun­ções sem se sa­ber se a or­dem mi­nis­te­ri­al foi cum­pri­da. E com a som­bra de cor­rup­ção no com­por­ta­men­to de al­guns mi­li­ta­res. Se­ria um mat­ch nu­lo, um em­pa­te en­tre a de­mis­são do ci­vil que es­te­ve à fren­te do Mi­nis­té­rio da De­fe­sa e a nu­vem de dú­vi­das que Tan­cos e os ar­ren­da­men­tos dei­xam so­bre as For­ças Ar­ma­das.

“Não há bra­ço-de-fer­ro en­tre os mi­li­ta­res e o Go­ver­no, há ne­ces­si­da­de de uma re­ver­são da po­lí­ti­ca se­gui­da em re­la­ção às For­ças Ar­ma­das no sen­ti­do de as dig­ni­fi­car e de dar os re­cur­sos ne­ces­sá­ri­os ao cum­pri­men­to da sua mis­são”, comenta ao PÚ­BLI­CO o al­mi­ran­te Me­lo Go­mes, an­ti­go che­fe do Es­ta­do-Mai­or da Ar­ma­da.

Ape­sar do desmentido de um em­ba­te per­pé­tuo, es­te mi­li­tar não dei­xa de evi­den­ci­ar que es­pe­ra­va ou­tro de­sem­pe­nho go­ver­na­men­tal. “A po­lí­ti­ca se­gui­da pre­ci­sa de ser mu­da­da, a re­for­ma 2020 [do exe­cu­ti­vo de Pas­sos Co­e­lho] pre­ci­sa de ser re­ver­ti­da, co­mo se es­pe­ra­va que acon­te­ces­se quan­do es­te Go­ver­no e es­te mi­nis­tro to­ma­ram pos­se”, des­ta­ca o pre­si­den­te da di­rec­ção do think tank Gru­po de Re­fle­xão Es­tra­té­gi­ca In­de­pen­den­te.

Cor­ri­gir tra­jec­tó­ria

Cor­ri­gir es­ta tra­jec­tó­ria não se afi­gu­ra pos­sí­vel no Or­ça­men­to pa­ra 2019, que es­ta tar­de é dis­cu­ti­do pe­lo Go­ver­no em Con­se­lho de Mi­nis­tros, em­bo­ra o pri­mei­ro-mi­nis­tro te­nha pro­me­ti­do que as con­tas da De­fe­sa do pró­xi­mo ano, fe­cha­das no mi­nis­té­rio de Azeredo Lo­pes e Mar­cos Pe­res­trel­lo, se­jam as mai­o­res de to­da a le­gis­la­tu­ra.

“Cor­ria-se o ris­co de uma de­sau­to­ri­za­ção, não é chan­ta­gem, do Es­ta­do por mi­li­ta­res. Ti­ve­mos de to­mar pro­vi­dên­ci­as pa­ra que tal não acon-

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.