Ou­tros ca­sos que pro­vo­ca­ram demissões no Go­ver­no

Edição Público Porto - - DESTAQUE - Só­nia Sa­pa­ge

di­as. Mes­mo de­pois de ser as­so­ci­a­do ao con­luio en­tre a PJM e o ale­ga­do as­sal­tan­te. Um mi­nis­tro frá­gil mui­to por cul­pa pró­pria, por pa­re­cer que nun­ca en­ten­deu re­al­men­te a gra­vi­da­de do que se pas­sou em Tan­cos, ape­sar dos cons­tan­tes aler­tas do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. Che­gou mes­mo a des­va­lo­ri­zar a si­tu­a­ção em di­ver­sas oca­siões. Caiu on­tem, em­pur­ra­do por Tan­cos. Nu­ma car­ta en­tre­gue a Cos­ta, jus­ti­fi­cou que a saí­da era pa­ra evi­tar que as For­ças Ar­ma­das fos­sem “des­gas­ta­das pe­lo ata­que po­lí­ti­co” e pe­las “acu­sa­ções” de que dis­se es­tar a ser al­vo. Des­gas­ta­do es­ta­va ele há mui­to.

Lu­ci­a­no Al­va­rez

te­ces­se, pa­ra que a su­bor­di­na­ção do po­der po­lí­ti­co le­gí­ti­mo e de­mo­crá­ti­co não fos­se pos­ta em cau­sa”, con­clui Me­lo Go­mes. O abis­mo des­cri­to en­tre o mi­nis­tro e a tro­pa não vem, pois e só, da es­cas­sez de mei­os.

En­con­trões mi­nis­te­ri­ais

“Não vai mu­dar na­da”, an­te­vê um ofi­ci­al na re­ser­va que so­li­ci­ta o ano­ni­ma­to. “Hou­ve um gran­de de­sin­ves­ti­men­to nos úl­ti­mos anos e, em vez de mi­mar o be­bé, o mi­nis­tro deu-lhe um en­con­trão”, pros­se­gue. “Te­ve o azar de lhe re­ben­tar nas mãos, po­dia ter si­do ou­tro”, des­ta­ca.

O “en­con­trão” tem epi­só­di­os e da­tas. Em Abril de 2016, o che­fe do Es­ta­do-Mai­or do Exér­ci­to (CEME), Car­los Je­ró­ni­mo, saiu por não con­cor­dar com a de­mis­são da di­rec­ção do Co­lé­gio Mi­li­tar na sequên­cia da re­ve­la­ção de dis­cri­mi­na­ção de alu­nos ho­mos­se­xu­ais.

“Pa­ra nós es­tá em cau­sa a in­ter­fe­rên­cia do mi­nis­tro da De­fe­sa na ac­ção do CEME”, as­si­na­la o mes­mo ofi­ci­al. O em­ba­te, nu­ma so­ci­e­da­de aten­ta e con­trá­ria à ho­mo­fo­bia, co­lo­cou os mi­li­ta­res sob os fo­cos me­diá­ti­cos. A subs­ti­tui­ção do ge­ne­ral Car­los Je­ró­ni­mo pe­lo ge­ne­ral Ro­vis­co Du­ar­te não re­sol­veu a ques­tão. Co­mo se ve­ria.

Em Se­tem­bro de 2016, a mor­te de dois for­man­dos no cur­so de Co­man­dos abriu ou­tra bre­cha. A in­ves­ti­ga­ção do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co é co­ad­ju­va­da pe­la Po­lí­cia Ju­di­ciá­ria Mi­li­tar, o CEME Ro­vis­co Du­ar­te exo­ne­rou o co­man­dan­te, e 19 ofi­ci­ais do Re­gi­men­to de Co­man­dos es­tão ago­ra a ser jul­ga­dos. “De­via ha­ver apoio ju­rí­di­co [ins­ti­tu­ci­o­nal] a es­tes mi­li­ta­res, hou­ve um aban­do­no dos ho­mens”, ana­li­sa o mi­li­tar. No país, a dis­cus­são foi a de sa­ber se era le­gí­ti­mo mor­rer num trei­no que a pra­xis mi­li­tar de­fen­de co­mo du­ro pa­ra ser fi­el à re­a­li­da­de.

Foi en­tre es­tas du­as águas que na­ve­gou o mi­nis­tro. No en­tan­to, com o rou­bo do ma­te­ri­al de guer­ra em Tan­cos, a sua pe­cu­li­ar de­vo­lu­ção e a su­ces­são de re­la­tos con­tra­di­tó­ri­os, mi­li­ta­res, mi­nis­tro e che­fi­as pas­sa­ram a al­vo da opi­nião pú­bli­ca que, até en­tão, só olha­va as ca­ser­nas co­mo sím­bo­lo do pas­sa­do. A mi­ra da in­cre­du­li­da­de as­sen­tou no Mi­nis­té­rio da De­fe­sa e o ti­tu­lar da pas­ta não aguen­tou o des­gas­te do lu­me bran­do. “O mi­nis­tro não te­ve em aten­ção a es­pe­ci­fi­ci­da­de das For­ças Ar­ma­das”, con­clui o ofi­ci­al que re­que­reu ano­ni­ma­to.

De­pois da de­mis­são de Azeredo Lo­pes, os seus ca­ma­ra­das de ar­mas acham que a saí­da de Ro­vis­co Du­ar­te do Exér­ci­to é ine­vi­tá­vel. Por uma vez, há acor­do com a so­ci­e­da­de ci­vil, que tam­bém es­tra­nhou a li­gei­re­za com que o mi­nis­tro des­cre­veu e res­pon­deu ao acha­men­to da Cha­mus­ca. Já os mi­li­ta­res não es­que­cem que subs­ti­tuiu Car­los Je­ró­ni­mo e acu­sam-no de dei­xar cair os Co­man­dos.

nu­no.ri­bei­ro@pu­bli­co.pt

Opri­mei­ro go­ver­nan­te a dei­xar o exe­cu­ti­vo de An­tó­nio Cos­ta foi João So­a­res, ex­mi­nis­tro da Cul­tu­ra. O úl­ti­mo é Azeredo Lo­pes, da De­fe­sa. Fal­ta sa­ber o que acon­te­ce aos seus “aju­dan­tes”. Qua­se cin­co me­ses de­pois de a “ge­rin­gon­ça” to­mar pos­se, em Abril de 2016, o mi­nis­tro da Cul­tu­ra, João So­a­res, de­mi­tiu-se após ter es­cri­to na sua pá­gi­na do Fa­ce­bo­ok que es­pe­ra­va “ter a sor­te” de po­der dar “bo­fe­ta­das” ao crí­ti­co Au­gus­to M. Se­a­bra e de apli­car “sa­lu­ta­res bo­fe­ta­das” ao co­men­ta­dor Vas­co Pu­li­do Va­len­te”. An­tó­nio Cos­ta co­men­tou, na al­tu­ra, que “nem à me­sa do ca­fé [os mi­nis­tros] po­dem dei­xar de se lem­brar que são mem­bros do Go­ver­no”. Foi um pre­nún­cio da de­mis­são. Com João So­a­res saiu a se­cre­tá­ria de Es­ta­do da Cul­tu­ra Isa­bel Bo­te­lho Le­al. Luís Cas­tro Men­des su­ce­deu a So­a­res e con­vi­dou Mi­guel Hon­ra­do pa­ra seu se­cre­tá­rio de Es­ta­do. Na mes­ma se­ma­na, mas sem re­la­ção com es­te epi­só­dio, de­mi­tiu-se João Wen­go­ro­vius Me­ne­ses, se­cre­tá­rio de Es­ta­do da Ju­ven­tu­de e Des­por­to, em de­sa­cor­do com o mi­nis­tro da Edu­ca­ção. Foi subs­ti­tuí­do a 14 de Ju­nho por João Pau­lo Re­be­lo. Em Fe­ve­rei­ro de 2017, na sequên­cia de ou­tra mi­nir­re­mo­de­la­ção, foi em­pos­sa­do Ál­va­ro No­vo co­mo se­cre­tá­rio de Es­ta­do do Te­sou­ro por des­do­bra­men­to da pas­ta de Ri­car­do Mou­ri­nho Fé­lix. Fer­nan­do Ro­cha An­dra­de (As­sun­tos Fis­cais), João Vas­con­ce­los (In­dús­tria) e Jor­ge Cos­ta Oliveira (In­ter­na­ci­o­na­li­za­ção) de­mi­ti­ram-se em Ju­lho de 2017, an­te­ci­pan­do a sua cons­ti­tui­ção co­mo ar­gui­dos pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co por sus­pei­tas do cri­me de re­ce­bi­men­to in­de­vi­do de van­ta­gem. Em cau­sa es­ta­vam as des­lo­ca­ções des­tes go­ver­nan­tes a jo­gos do Eu­ro 2016, a con­vi­te da Galp. An­tó­nio Cos­ta apro­vei­tou en­tão pa­ra me­xer no Go­ver­no, alar­gan­do a re­mo­de­la­ção: sa­em Amân­dio Tor­res (Flo­res­tas e De­sen­vol­vi­men­to Ru­ral), Mar­ga­ri­da Mar­ques (As­sun­tos Eu­ro­peus), Ca­ro­li­na Fer­ra (Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca) e Mi­guel Pra­ta Ro­que (Pre­si­dên­cia do Con­se­lho de Mi­nis­tros), e en­tram Ana Pau­la Za­ca­ri­as (As­sun­tos Eu­ro­peus), Eu­ri­co Bri­lhan­te Di­as (In­ter­na­ci­o­na­li­za­ção), Ana Te­re­sa Leh­man (In­dús­tria), Mi­guel Frei­tas (Flo­res­tas), An­tó­nio Men­don­ça Men­des (As­sun­tos Fis­cais), Ti­a­go An­tu­nes (PCM), Fá­ti­ma Fon­se­ca (Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca). É ain­da cri­a­da a Se­cre­ta­ria de Es­ta­do da Ha­bi­ta­ção (Ana Pi­nho). Cons­tan­ça Ur­ba­no de Sou­sa ten­tou de­mi­tir-se do car­go de mi­nis­tra da Ad­mi­nis­tra­ção In­ter­na an­tes, mas só con­se­guiu fa­zê-lo de­pois do dis­cur­so do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca a pro­pó­si­to dos in­cên­di­os de 15 de Ou­tu­bro, do qual tam­bém re­sul­ta­ram ví­ti­mas mor­tais. Saiu a 18 de Ou­tu­bro e com ela saiu tam­bém o se­cre­tá­rio de Es­ta­do Jor­ge Go­mes. Edu­ar­do Ca­bri­ta dei­xou en­tão o car­go de mi­nis­tro ad­jun­to do pri­mei­ro-mi­nis­tro, pa­ra su­ce­der a Cons­tan­ça. Fo­ram cri­a­das du­as no­vas se­cre­ta­ri­as de Es­ta­do: Pro­tec­ção Ci­vil (en­tre­gue a Jo­sé Ar­tur Ne­ves) e Au­tar­qui­as Lo­cais (Car­los Mi­guel). A se­cre­tá­ria de Es­ta­do ad­jun­ta Isa­bel One­to man­te­ve-se no car­go. Saiu ain­da Ca­ta­ri­na Mar­ce­li­no, se­cre­tá­ria de Es­ta­do da Igual­da­de (foi subs­ti­tuí­da por Ro­sa Lo­pes Mon­tei­ro), e en­trou Pe­dro Si­za Vi­ei­ra pa­ra o car­go de mi­nis­tro ad­jun­to.

so­nia.sa­pa­ge@pu­bli­co.pt

João So­a­res dei­xou o Go­ver­no em Abril de 2016 e ocu­pou o seu lu­gar no Par­la­men­to, co­mo de­pu­ta­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.