O co­ro­nel Luís Vi­ei­ra ti­nha um ob­jec­ti­vo fun­da­men­tal: que o ma­te­ri­al de guer­ra fos­se efec­ti­va­men­te re­cu­pe­ra­do. Es­se era o gran­de ob­jec­ti­vo

Edição Público Porto - - DESTAQUE -

Vas­co Bra­zão da PJM pa­ra in­gres­sar de no­vo no Exér­ci­to e ocu­par uma va­ga no es­tran­gei­ro, lon­ge da vi­gi­lân­cia da PJ. É as­sim que o ofi­ci­al se jun­ta à mis­são da União Eu­ro­peia na Re­pú­bli­ca Cen­tro Afri­ca­na, em Mar­ço des­te ano. Re­gres­sa no dia 1 de Ou­tu­bro, quan­do é de­ti­do pa­ra in­ter­ro­ga­tó­rio no âm­bi­to da Ope­ra­ção Húbris, lan­ça­da uma se­ma­na an­tes e na qual es­tão cons­ti­tuí­dos ar­gui­dos os oi­to mi­li­ta­res e o ci­vil.

So­bre es­se encontro no ga­bi­ne­te de Azeredo Lo­pes, sub­sis­tem mui­tas dú­vi­das. O ma­jor Bra­zão diz que am­bos es­ti­ve­ram no ga­bi­ne­te do mi­nis­tro da De­fe­sa Na­ci­o­nal, Jo­sé Azeredo Lo­pes, em No­vem­bro, e fo­ram re­ce­bi­dos pe­lo en­tão che­fe de ga­bi­ne­te, te­nen­te-ge­ne­ral Mar­tins Pe­rei­ra, que tam­bém con­fir­ma o encontro. Já o co­ro­nel Luís Vi­ei­ra re­por­ta-se ape­nas a uma reu­nião, em Ou­tu­bro, com o ex-che­fe de ga­bi­ne­te do mi­nis­tro, e ne­ga a en­tre­ga de um me­mo­ran­do in­for­mal no Mi­nis­té­rio da De­fe­sa em No­vem­bro.

O encontro de No­vem­bro re­la­ta­do por Bra­zão te­ria co­mo ob­jec­ti­vo in­for­mar o mi­nis­tro de que a ope­ra­ção de re­co­lha do ma­te­ri­al de guer­ra ti­nha ti­do a co­la­bo­ra­ção de um in­for­ma­dor, sus­pei­to de vá­ri­os cri­mes, e que, sem is­so, o ma­te­ri­al não te­ria si­do re­cu­pe­ra­do. O ob­jec­ti­vo se­ria tam­bém pres­si­o­nar Azeredo Lo­pes a in­ter­ce­der jun­to da mi­nis­tra da Jus­ti­ça, Fran­cis­ca Van Du­nem, na es­pe­ran­ça de que a in­ves­ti­ga­ção ao as­sal­to, di­ri­gi­da pe­lo DCI­AP, vol­tas­se a es­tar a car­go da PJM. “Se não fos­se is­so por que iri­am os dois ao ga­bi­ne­te do mi­nis­tro?”, in­ter­ro­ga-se uma fon­te li­ga­da ao pro­ces­so.

O mi­nis­tro não te­rá de­fi­ni­do uma po­si­ção con­cre­ta na con­ver­sa te­le­fó­ni­ca ale­ga­da­men­te man­ti­da com o en­tão di­rec­tor da PJM, em que es­te te­rá ex­pli­ca­do o que es­ta­va no do­cu­men­to Ad­vo­ga­do de Luís Vi­ei­ra não ofi­ci­al e não as­si­na­do, ago­ra re­fe­ri­do co­mo me­mo­ran­do dei­xa­do ao te­nen­te-ge­ne­ral Mar­tins Pe­rei­ra. Es­se do­cu­men­to ex­pu­nha o es­sen­ci­al do que se ti­nha pas­sa­do e jus­ti­fi­ca­va a na­tu­re­za da ope­ra­ção: o ma­te­ri­al, as­sim que fos­se en­con­tra­do, de­via ser le­va­do pa­ra quar­téis “sem de­mo­ra” por­que as­sim que se aper­ce­bes­se que “po­dia ser de Tan­cos”, o di­rec­tor da UNCT da PJ po­de­ria ser in­for­ma­do; e se tal acon­te­ces­se, a fa­mí­lia do in­for­ma­dor “cor­re­ria ris­co e o ma­te­ri­al nun­ca apa­re­ce­ria”, lê-se no me­mo­ran­do.

O mes­mo sen­ti­do de mis­são é de­fen­di­do pe­lo ad­vo­ga­do do di­rec­tor da PJM, co­ro­nel Luís Vi­ei­ra, que se en­con­tra pre­so pre­ven­ti­va­men­te no Es­ta­be­le­ci­men­to Pri­si­o­nal Mi­li­tar de To­mar. “O co­ro­nel Luís Vi­ei­ra ti­nha um ob­jec­ti­vo fun­da­men­tal: que o ma­te­ri­al de guer­ra fos­se efec­ti­va­men­te re­cu­pe­ra­do. Es­se era o gran­de ob­jec­ti­vo e por is­so cons­ti­tuiu as equi­pas”, dis­se ao PÚ­BLI­CO o ad­vo­ga­do, co­ro­nel Rui Ba­lei­zão. “Há

RUI GAUDÊNCIO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.