Pro­cu­ra­do­ra-ge­ral da Re­pú­bli­ca ces­san­te deu en­tre­vis­ta à SIC e ao

Edição Público Porto - - SOCIEDADE - Ope­ra­ção Marquês

An­tó­nio Cos­ta e a mi­nis­tra da Jus­ti­ça fi­ca­ram em si­lên­cio na to­ma­da de pos­se da no­va pro­cu­ra­do­ra-ge­ral da Re­pú­bli­ca, que elo­gi­ou o tra­ba­lho fei­to pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co na A fal­ta de mei­os pa­ra com­ba­ter a cor­rup­ção foi a pe­dra de to­que dos dis­cur­sos do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca e da no­va pro­cu­ra­do­ra-ge­ral da Re­pú­bli­ca, Lu­cí­lia Ga­go, na to­ma­da de pos­se da ma­gis­tra­da que vai re­pre­sen­tar to­do o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co.

Pre­sen­tes na cerimónia, que de­cor­reu on­tem no Pa­lá­cio de Be­lém, mas sem di­rei­to ao uso da pa­la­vra, o pri­mei­ro-mi­nis­tro, An­tó­nio Cos­ta, e a mi­nis­tra da Jus­ti­ça, Fran­cis­ca van Du­nem, ou­vi­ram e ca­la­ram. O ti­ro de par­ti­da foi da­do por Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa, quan­do alu­diu a uma “per­ma­nen­te in­su­fi­ci­ên­cia de re­cur­sos, mes­mo quan­do re­for­ça­dos pe­ran­te so­li­ci­ta­ções sem fim”. E evo­cou, a es­te pro­pó­si­to, uma vi­si­ta que fez em 2016 à uni­da­de do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co on­de se li­da com a cri­mi­na­li­da­de eco­nó­mi­co-fi­nan­cei­ra mais com­ple­xa, o De­par­ta­men­to Cen­tral de In­ves­ti­ga­ção e Ac­ção Pe­nal: “Re­cor­da­rei sem­pre a ima­gem de sa­las chei­as até ao tec­to de vo­lu­mes de mi­lha­res de pá­gi­nas, co­mo que es­ma­gan­do os ma­gis­tra­dos e es­pe­ci­a­lis­tas afa­no­sa­men­te tra­ba­lhan­do nos pro­ces­sos de mai­or en­ver­ga­du­ra.”

Sal­tou-lhe à vis­ta o con­tras­te “en­tre a imen­si­dão ma­te­ri­al da ta­re­fa e a es­cas­sez de re­cur­sos hu­ma­nos”. Mais tar­de ha­via de vol­tar ao te­ma, ao men­ci­o­nar que a cri­a­ção de con­di­ções de au­to­no­mia do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co im­pli­ca a exis­tên­cia de re­cur­sos hu­ma­nos su­fi­ci­en­tes.

Mos­tran­do es­tar em sin­to­nia com o che­fe do Es­ta­do, Lu­cí­lia Ga­go fa­lou a se­guir, pa­ra avi­sar que a jus­ti­ça só con­se­gui­rá ser cé­le­re se vir re­for­ça­dos os mei­os hu­ma­nos e téc­ni­cos à sua dis­po­si­ção. A no­va pro­cu­ra­do­ra­ge­ral da Re­pú­bli­ca não es­ca­mo­te­ou os obs­tá­cu­los com que se con­fron­tam ma­gis­tra­dos e po­lí­cia: o com­ba­te à cri­mi­na­li­da­de eco­nó­mi­co-fi­nan­cei­ra “exi­ge a do­ta­ção dos im­pres­cin­dí­veis mei­os hu­ma­nos e téc­ni­cos”, ra­zão pe­la qual Lu­cí­lia Ga­go con­si­de­rou ser ur­gen­te ca­pa­ci­tar a Po­lí­cia Ju­di­ciá­ria pa­ra au­men­tar a sua res­pos­ta ao ní­vel das pe­ri­ta­gens in­for- má­ti­cas e con­ta­bi­lís­ti­co-fi­nan­cei­ras.

Há pro­ces­sos que che­gam a fi­car pa­ra­dos um e dois anos, à es­pe­ra de que a Ju­di­ciá­ria te­nha dis­po­ni­bi­li­da­de pa­ra le­var a ca­bo a aná­li­se pe­ri­ci­al de com­pu­ta­do­res apre­en­di­dos e de con­tas ban­cá­ri­as ar­res­ta­das. Aqui, a no­va pro­cu­ra­do­ra-ge­ral da Re­pú­bli­ca vol­tou a jun­tar a sua voz à do Pre­si­den­te: uma das pri­o­ri­da­des do seu man­da­to se­rá o com­ba­te à cri­mi­na­li­da­de eco­nó­mi­co-fi­nan­cei­ra, com par­ti­cu­lar en­fo­que na cor­rup­ção, “que se tor­nou um dos mai­o­res fla­ge­los sus­cep­tí­veis de aba­lar os ali­cer­ces do Es­ta­do e de cor­ro­er a con­fi­an­ça dos ci­da­dãos no re­gi­me de­mo­crá­ti­co”. Mar­ce­lo re­fe­riu-se-lhe co­mo “um com­ba­te sem tré­guas”. Afi­nal, dis­se tam­bém, to­dos de­vem me­re­cer igual tra­ta­men­to, in­cluin­do os mais po­de­ro­sos — ve­nham eles do mun­do da eco­no­mia, da po­lí­ti­ca, dos me­dia, da cul­tu­ra ou do des­por­to.

Ou­tra pri­o­ri­da­de dos seis anos do man­da­to de Lu­cí­lia Ga­go, que ago­ra co­me­ça, diz res­pei­to à vi­o­lên­cia do­més­ti­ca — fe­nó­me­no que, no seu en­ten­der, “re­cla­ma re­do­bra­dos es­for­ços” que pos­sam “pôr co­bro à on­da de­vas­ta­do­ra de ho­mi­cí­di­os que tei­ma em as­so­lar o país”. Ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, avi­sou, “não de­ve es­ca­par a sen­si­bi­li­da­de das ma­té­ri­as so­bre o gé­ne­ro”, sob a pe­na do sur­gi­men­to de “equí­vo­cos com na­tu­ral im­pac­to no te­ci­do so­ci­al”.

E mes­mo te­mas mais sen­sí­veis, co­mo o re­cur­so, por par­te dos ar­gui­dos, a ex­pe­di­en­tes le­gais que vi­sam atra­sar a ac­ção da jus­ti­ça — even­tu­al­men­te até os pro­ces­sos pres­cre­ve­rem — não fi­ca­ram fo­ra da in­ter­ven­ção da su­ces­so­ra de Jo­a­na Mar­ques Vi­dal.

Qu­es­ti­o­na­da so­bre os gran­des ca­sos que têm mar­ca­do a jus­ti­ça por­tu­gue­sa, a pro­cu­ra­do­ra-ge­ral da Re­pú­bli­ca ces­san­te, Jo­a­na Mar­ques Vi­dal, diz que “ama­nhã po­dem apa­re­cer ca­sos ain­da mai­o­res”. Nu­ma en­tre­vis­ta de fi­nal de man­da­to, que deu à SIC e ao se­ma­ná­rio Ex­pres­so, a ma­gis­tra­da re­ve­lou ain­da que sou­be du­as ho­ras an­tes do anún­cio da sua su­ces­so­ra que não ve­ria o seu man­da­to re­no­va­do e mais tar­de, uma hora de­pois, quem iria ser a no­va ti­tu­lar do car­go. Foi a mi­nis­tra da Jus­ti­ça quem lhe te­le­fo­nou a anun­ci­ar-lhe o no­me de Lu­cí­lia Ga­go. Re­cu­sou-se, po­rém, a di­zer qual te­ria si­do a sua res­pos­ta ca­so lhe ti­ves­se si­do pe­di­do pa­ra fi­car à fren­te do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co: “Se­ria ar­ro­gân­cia da mi­nha par­te di­zer que es­ta­va dis­po­ní­vel sem ter si­do con­vi­da­da.”

Mar­ques Vi­dal re­co­nhe­ce que foi des­con­for­tá­vel a po­lé­mi­ca que se ge­rou à vol­ta da sua subs­ti­tui­ção des­de Ja­nei­ro pas­sa­do, al­tu­ra em que a mi­nis­tra da Jus­ti­ça anun­ci­ou que não ten­ci­o­na­va re­con­du­zi­la. “Não me sen­ti mui­to bem. Ge­rou-se um jo­go [po­lí­ti­co] ao qual fui com­ple­ta­men­te alheia e so­bre o qual não me po­dia pro­nun­ci­ar.” Em­bo­ra con­ti­nue a de­fen­der que o man­da­to do pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca de­va ser úni­co, a ma­gis­tra­da de­fen­de que ele pos­sa es­ten­der-se até aos no­ve anos, em vez dos ac­tu­ais seis. É que dei­xou por com­ple­tar al­gu­mas ta­re­fas que con­si­de­ra im­por­tan­tes, ad­mi­te: “Ain­da há mui­to a fa­zer nos cri­mes de vi­o­lên­cia do­més­ti­ca.” A de­fe­sa dos cha­ma­dos “di­rei­tos di­fu­sos da co­mu­ni­da­de” — os di­rei­tos cul­tu­rais ou o di­rei­to ao am­bi­en­te, por exem­plo — é ou­tra área “on­de, in­fe­liz­men­te, o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co ain­da não se con­se­guiu or­ga­ni­zar pa­ra exer­cer as su­as fun­ções”.

Se­ja co­mo for, o no­vo Es­ta­tu­to do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, que es­tá pa­ra dis­cus­são no Par­la­men­to, pre­vê a cri­a­ção de uma no­va uni­da­de, pre­ci­sa­men­te com es­ta mis­são. A ex-pro­cu­ra­do­ra­ge­ral da Re­pú­bli­ca la­men­tou, de res­to, que não te­nha si­do pos­sí­vel con­cluir a re­vi­são des­te es­ta­tu­to du­ran­te o seu man­da­to. So­bre o seu fu­tu­ro, Jo­a­na Mar­que Vi­dal, que tem 62 anos, ex­pli­cou que o mais cer­to se­rá in­te­grar um dos tri­bu­nais de to­po que exis­tem, se­ja o Su­pre­mo Tri­bu­nal de Jus­ti­ça ou o Su­pre­mo Tri­bu­nal Ad­mi­nis­tra­ti­vo. An­tes dis­so, quer ti­rar um mês de li­cen­ça. “Pa­ra com­pen­sar as fé­ri­as que não ti­ve”, acres­cen­tou. Com­pe­te aos ór­gãos de so­be­ra­nia le­va­rem a ca­bo uma re­for­ma que per­mi­ta “mai­or agi­li­za­ção na tra­mi­ta­ção pro­ces­su­al”, ta­re­fa em que o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co não se exi­mi­rá de co­la­bo­rar. Por fim, a Ope­ra­ção Marquês: Lu­cí­lia Ga­go fez ques­tão de fa­lar des­te pro­ces­so co­mo sen­do “ilus­tra­ti­vo dos ní­veis de exi­gên­cia e qua­li­da­de do tra­ba­lho do De­par­ta­men­to Cen­tral de In­ves­ti­ga­ção e Ac­ção Pe­nal” e de di­zer aber­ta­men­te que de­po­si­ta ple­na con­fi­an­ça no seu di­rec­tor, Ama­deu Guer­ra. O ma­gis­tra­do ter­mi­na a co­mis­são de ser­vi­ço no pri­mei­ro tri­mes­tre de 2019, po­den­do, se as­sim o en­ten­der, vê-la re­no­va­da.

Qua­se no fi­nal do seu dis­cur­so, Mar­ce­lo vol­tou a um dos seus pon­tos de par­ti­da: a mo­ra­li­za­ção da vi­da co­lec­ti­va em Por­tu­gal. “Se al­guém, dis­traí­do ou per­su­a­di­do de que há es­pa­ço pa­ra a im­pu­ni­da­de, pen­sa que a pas­sa­gem de tes­te­mu­nho na Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da Re­pú­bli­ca im­pli­ca al­te­ra­ções de va­lo­res e de prin­cí­pi­os, de­sen­ga­ne-se.” Por­que “não há cam­pa­nhas pes­so­ais ou po­lí­ti­cas que pa­ra­li­sem, tra­vem ou con­di­ci­o­nem a jus­ti­ça”, as­se­gu­rou. De­pois, elo­gi­ou o “mar­can­te le­ga­do” dei­xa­do por Jo­a­na Mar­ques Vi­dal. Já Lu­cí­lia Ga­go op­tou por des­ta­car o fac­to de o su­ces­so ou in­su­ces­so do pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca não de­pen­der ape­nas de si pró­prio: “O mé­ri­to do de­sem­pe­nho não lhe de­ve ser ex­clu­si­va­men­te im­pu­ta­do, co­mo se de uma fi­gu­ra pro­vi­den­ci­al e mes­si­â­ni­ca se tra­tas­se, mas an­tes a to­dos os ór­gãos e agen­tes do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co.”

No fi­nal da cerimónia, hou­ve ma­ni­fes­ta­ções de agra­do pe­ran­te as po­si­ções ex­pres­sas pe­la ma­gis­tra­da. Ape­sar de não ter to­ca­do na ques­tão de se po­der avi­zi­nhar uma cor­ri­da às re­for­mas por par­te dos pro­cu­ra­do­res, se o Go­ver­no le­var por di­an­te a al­te­ra­ção das re­gras de apo­sen­ta­ção do sec­tor, o pre­si­den­te do Sin­di­ca­to de Ma­gis­tra­dos do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, An­tó­nio Ven­ti­nhas, con­si­de­rou que a no­va ca­ra do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co “to­cou nos prin­ci­pais pro­ble­mas” que in­qui­e­tam a clas­se. “Co­me­çou bem”, re­su­miu o pro­cu­ra­dor.

Jus­ti­ça Ana Hen­ri­ques e Le­o­ne­te Bo­te­lho A cor­rup­ção tor­nou-se “um dos mai­o­res fla­ge­los sus­cep­tí­veis de aba­lar os ali­cer­ces do Es­ta­do”, afir­mou a no­va pro­cu­ra­do­ra-ge­ral

ana.hen­ri­ques@pu­bli­co.pt le­o­ne­te.bo­te­lho@pu­bli­co.pt

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.