Or­dem lan­ça pro­gra­ma pa­ra aju­dar do­en­tes a to­ma­rem de­ci­sões

Que exa­mes de­vo fa­zer? De­vo ir às ur­gên­ci­as? Res­pos­tas a es­tas e ou­tras per­gun­tas po­dem en­con­trar-se no no­vo

Edição Público Porto - - SOCIEDADE - Ana Maia

Pas­sou on­tem a es­tar dis­po­ní­vel um pro­gra­ma no si­te da Or­dem dos Mé­di­cos pa­ra aju­dar os por­tu­gue­ses a to­mar me­lho­res de­ci­sões em saúde. Es­co­lhas Cri­te­ri­o­sas em Saúde é a ver­são por­tu­gue­sa do pro­jec­to Cho­o­sing Wi­sely, que co­me­çou nos Es­ta­dos Uni­dos em 2012 e que tem si­do pos­to em prá­ti­ca em vá­ri­os paí­ses do mun­do. É um pro­gra­ma de edu­ca­ção pa­ra a saúde com re­co­men­da­ções sim­ples. Um dos ob­jec­ti­vos pas­sa por re­du­zir in­ter­ven­ções e exa­mes des­ne­ces­sá­ri­os.

“É um pro­jec­to que tem que ver com a edu­ca­ção pa­ra a saúde. Ci­da­dãos mais in­for­ma­dos têm mais ca­pa­ci­da­de pa­ra de­ci­dir e par­ti­lhar a de­ci­são com o mé­di­co”, ex­pli­cou o bas­to­ná­rio dos mé­di­cos, na apre­sen­ta­ção do pro­gra­ma que de­co­reu on­tem na Or­dem dos Mé­di­cos. “Qu­e­re­mos in­cluir in­for­ma­ção so- bre si­tu­a­ções agu­das, ur­gen­tes e não ur­gen­tes. Qu­e­re­mos con­tri­buir com in­for­ma­ção [que aju­de] os uten­tes a per­ce­be­rem quan­do de­vem ir ao cen­tro de saúde ou às ur­gên­ci­as.”

As re­co­men­da­ções — nes­te mo­men­to es­tão dis­po­ní­veis 63 em vá­ri­as es­pe­ci­a­li­da­des — são emi­ti­das pe­los vá­ri­os co­lé­gi­os da es­pe­ci­a­li­da­de e têm por ba­se ar­ti­gos ci­en­tí­fi­cos. A in­ten­ção, adi­an­tou o mé­di­co An­tó­nio Vaz Car­nei­ro, res­pon­sá­vel pe­lo Cen­tro de In­ves­ti­ga­ção de Me­di­ci­na Ba­se­a­da na Evi­dên­cia, e que tam­bém es­tá en­vol­vi­do nes­te pro­jec­to, “é jun­tar to­dos os me­ses mais con­teú­dos” a es­ta pla­ta­for­ma, au­men­tan­do as­sim a in­for­ma­ção dis­po­ní­vel.

anu­al faz sen­ti­do?

Es­cri­tas de for­ma sim­ples, es­tas re­co­men­da­ções “são fei­tas pa­ra aju­dar a re­la­ção en­tre mé­di­cos e do­en­tes”, pa­ra, por exem­plo, “não exis­tir uma pres­são exa­ge­ra­da pa­ra fa­ze­rem exa­mes que po­dem não ser im­por­tan­tes pa­ra o con­tex­to”, acres­cen­ta Mi­guel Gui­ma­rães. Sa­li­en­tan­do que não subs­ti­tu­em uma con­sul­ta com o mé­di­co, po­dem aju­dar a es­cla­re­cer mui­tas dú­vi­das e a per­ce­ber me­lhor por­que é que o mé­di­co re­cei­ta ou não um an­ti­bió­ti­co ou re­co­men­da um exa­me em vez de ou­tro. Ou sim­ples­men­te diz que não é pre­ci­so fa­zer na­da.

Um es­tu­do de 2013, re­a­li­za­do jun­to de mil por­tu­gue­ses, mos­trou que cer­ca de 99% con­si­de­ra­vam que de­ve­ri­am fa­zer aná­li­ses de ro­ti­na to­dos os anos. Não se­rá por is­so di­fí­cil con­cluir que, pa­ra mui­tas pes­so­as, es­te é um pe­di­do na­tu­ral a fa­zer ao mé­di­co. Mas se­rá que se jus­ti­fi­ca? A res­pos­ta po­de en­con­trá-la nas re­co­men­da­ções da área de me­di­ci­na ge­ral e fa­mi­li­ar. “Es­co­lha dei­xar de re­co­men­dar um check-up anu­al a adul­tos as­sin­to­má­ti­cos [sem sin­to­mas], sem fac­to­res de ris­co e sem pro­ble­mas de saúde di­ag­nos­ti­ca­dos”, diz a re­co­men­da­ção, a pro­fis­si­o­nais e uten­tes, que ex­pli­ca ain­da que “a evi­dên­cia dis­po­ní­vel de­mons­tra que a apli­ca­ção de exa­mes com­ple­men­ta­res de di­ag­nós­ti­co de for­ma in­dis­cri­mi­na­da con­duz a fal­sos po­si­ti­vos que po­dem con­du­zir a uma sequên­cia de tes­tes des­ne­ces­sá­ri­os”.

“Is­to não é uma abor­da­gem eco­no­mi­cis­ta, é uma ques­tão de qua­li­da­de de cui­da­dos”, diz Vaz Car­nei­ro. Qu­es­ti­o­na­do so­bre o que dis­tin­gue es­ta in­for­ma­ção da que po­de ser con­sul­ta­da em qual­quer ou­tro si­te na In­ter­net, ga­ran­te que es­ta “é ba­se­a­da na me­lhor evi­dên­cia ci­en­tí­fi­ca”.

amaia@pu­bli­co.pt

na­ci­o­nais”, que fo­ram li­dos co­mo sen­do so­bre o ca­so que en­vol­ve Cris­ti­a­no Ro­nal­do e Kathryn Mayor­ga.

“O di­rec­tor de In­for­ma­ção da RTP co­lo­cou o seu lu­gar à dis­po­si­ção do con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção” e es­te “de­ci­diu acei­tar a dis­po­ni­bi­li­da­de e subs­ti­tuir Pau­lo Den­ti­nho co­mo di­rec­tor de in­for­ma­ção da RTP”, diz o ór­gão de ges­tão da em­pre­sa.

A ad­mi­nis­tra­ção acres­cen­ta que “de­ci­diu no­me­ar a jor­na­lis­ta Ma­ria Flor Pe­dro­so pa­ra o car­go de di­rec­to­ra de In­for­ma­ção de te­le­vi­são”. Ex­pli­ca que já ini­ci­ou o “pro­ces­so for­mal de re­co­lha de pa­re­ce­res jun­to da ERC — En­ti­da­de Re­gu­la­do­ra pa­ra a Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al e do con­se­lho de re­dac­ção da RTP”.

No ca­so do pe­di­do à ERC, que tem ca­rác­ter vin­cu­la­ti­vo, a ad­mi­nis­tra­ção te­rá de jus­ti­fi­car pri­mei­ro a saí­da de Den­ti­nho pa­ra que a en­ti­da­de re­gu­la­do­ra a acei­te e de­pois apro­ve a sua subs­ti­tui­ção por Ma­ria Flor Pe­dro­so. Já o pa­re­cer do con­se­lho de re­dac­ção da RTP é me­ra­men­te con­sul­ti­vo.

ma­ria.lo­pes@pu­bli­co.pt

MA­NU­EL RO­BER­TO

As re­co­men­da­ções são emi­ti­das pe­los vá­ri­os co­lé­gi­os da es­pe­ci­a­li­da­de

Ad­mi­nis­tra­ção da te­le­vi­são pú­bli­ca en­vi­ou on­tem um co­mu­ni­ca­do no qual in­di­ca a no­me­a­ção da jor­na­lis­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.