Fa­ma­li­cão in­ves­te oi­to mi­lhões pa­ra ter um es­tá­dio de “pri­mei­ra”

A obra de­ve es­ten­der-se até 2021, do­tan­do o es­tá­dio mu­ni­ci­pal de uma ca­pa­ci­da­de pa­ra 7000 pes­so­as

Edição Público Porto - - LOCAL - Ti­a­go Men­des Di­as

O Es­tá­dio Mu­ni­ci­pal de Fa­ma­li­cão, inau­gu­ra­do em 1952, co­mo Cam­po dos Bar­gos, vai ser al­vo de um dos “mai­o­res in­ves­ti­men­tos pú­bli­cos” já le­va­dos a ca­bo no con­ce­lho, rei­te­rou on­tem o pre­si­den­te da câ­ma­ra, Pau­lo Cu­nha, du­ran­te a apre­sen­ta­ção do pro­jec­to de re­qua­li­fi­ca­ção da in­fra-es­tru­tu­ra: a in­ter­ven­ção no re­cin­to uti­li­za­do pe­lo Fu­te­bol Clu­be de Fa­ma­li­cão, cu­ja equi­pa sé­ni­or mas­cu­li­na de fu­te­bol mi­li­ta na Se­gun­da Li­ga, vai cus­tar oi­to mi­lhões de eu­ros, com fi­nan­ci­a­men­to in­te­gral do or­ça­men­to mu­ni­ci­pal.

O au­tar­ca de­fen­deu que a obra tem um dos “rá­ci­os mais bai­xos de cus­to por lu­gar”, ten­do em con­ta o “pa­drão de in­ves­ti­men­to de ou­tros com­ple­xos des­por­ti­vos do país”, e cum­pre si­mul­ta­ne­a­men­te o pro­pó­si­to de acom­pa­nhar a “ex­ce­lên­cia do pro­jec­to des­por­ti­vo” do clu­be fun­da­do em 1931. Pres­tes a lan­çar o pro­jec­to a con­cur­so, a câ­ma­ra es­pe­ra ini­ci­ar a re­qua­li­fi­ca­ção no pró­xi­mo ano e con­cluí-la em 2021. A in­ter­ven­ção vai es­ten­der-se por três anos pa­ra per­mi­tir que o FC Fa­ma­li­cão con­ti­nue a jo­gar na­que­le re­cin­to em si­mul­tâ­neo com as obras.

O au­men­to da lo­ta­ção, de 5500 pa­ra 7000 es­pec­ta­do­res, é uma das al­te­ra­ções con­tem­pla­das pe­lo pro­jec­to; o rel­va­do vai ser re­bai­xa­do e o es­pa­ço en­tre as ban­ca­das e o cam­po, an­ti­ga­men­te ocu­pa­do por uma pis­ta de atle­tis­mo, vai ser apro­vei­ta­do pa­ra a in­clu­são de 1500 lu­ga­res — 750 na ban­ca­da po­en­te, di­vi­di­da em três sec­to­res, e 750 na nas­cen­te.

Mas a obra tam­bém vi­sa su­prir um “con­jun­to de in­su­fi­ci­ên­ci­as e de ir­re­gu­la­ri­da­des”, dis­se o au­tor do pro­jec­to, Pau­lo Al­mei­da, du­ran­te a apre­sen­ta­ção. Mais an­ti­ga, a ban­ca­da po­en­te vai ter ca­pa­ci­da­de pa­ra 2660 es­pec­ta­do­res e uma no­va co­ber­tu­ra, por ci­ma da área pa­ra trans­mis­sões te­le­vi­si­vas. Jun­to à ex­tre­mi­da­de nor­te da ban­ca­da, vai sur­gir um edi­fí­cio de três pi­sos, com bal­neá­ri­os, sa­la de im­pren­sa e área ad­mi­nis­tra­ti­va, en­tre ou­tras va­lên­ci­as. Nas tra­sei­ras da ban­ca­da, vai nas­cer uma rua e uma pra­ça, com es­ta­ci­o­na­men­to.

Inau­gu­ra­da em 1991, a ban­ca­da nas­cen­te, com 4340 lu­ga­res, vai ter pe­la pri­mei­ra vez co­ber­tu­ra, ins­ta­la­ções sa­ni­tá­ri­as e es­pa­ços pa­ra ba­res. O flu­xo de en­tra­das e saí­das vai tam­bém ser me­lho­ra­do, com a cri­a­ção de dois cor­re­do­res de aces­so a es­sa in­fra-es­tru­tu­ra. No fu­tu­ro, a lo­ta­ção do es­tá­dio po­de atin­gir os 10.000 lu­ga­res, ca­so se edi­fi­quem du­as ban­ca­das, pa­ra 1500 es­pec­ta­do­res ca­da, nos es­pa­ços atrás das ba­li­zas.

Nu­ma aná­li­se ao pro­jec­to, o pre­si­den­te da câ­ma­ra su­bli­nhou que a re­qua­li­fi­ca­ção vai apro­xi­mar o es­tá­dio do meio ur­ba­no en­vol­ven­te e tor­ná-lo mais in­clu­si­vo — te­rá 26 lu­ga­res pa­ra pes­so­as de mo­bi­li­da­de re­du­zi­da. Pau­lo Cu­nha con­fes­sou tam­bém que gos­ta­ria de ver o FC Fa­ma­li­cão con­cre­ti­zar o ob­jec­ti­vo de re­gres­sar à I Li­ga já na pró­xi­ma épo­ca, ain­da com as obras em cur­so. “É uma am­bi­ção le­gí­ti­ma dos fa­ma­li­cen­ses. O con­ce­lho tem di­nâ­mi­ca eco­nó­mi­ca e for­ça su­fi­ci­en­tes pa­ra om­bre­ar com ou­tros con­ce­lhos nes­se pa­ta­mar”, rei­te­rou.

O pre­si­den­te da ins­ti­tui­ção des­por­ti­va, Jor­ge Sil­va, vin­cou que a su­bi­da ao prin­ci­pal cam­pe­o­na­to na­ci­o­nal de fu­te­bol po­de­rá ser uma consequência de um cres­ci­men­to que vai ser for­ta­le­ci­do com a re­mo­de­la­ção do es­tá­dio.

DR

Fo­to­mon­ta­gem do fu­tu­ro es­tá­dio, um pro­jec­to de Pau­lo Al­mei­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.