Go­ver­no abre a por­ta a guar­das ar­ma­dos em na­vi­os da ma­ri­nha mer­can­te

Di­plo­ma que re­gu­la a pre­sen­ça de se­gu­ran­ça pri­va­da já es­tá pron­to e vai ao encontro das rei­vin­di­ca­ções do sec­tor

Edição Público Porto - - ECONOMIA - Már­cio Be­ren­guer

O Go­ver­no pre­pa­ra-se pa­ra le­var a Con­se­lho de Mi­nis­tros uma pro­pos­ta de lei pa­ra re­gu­la­men­tar a pre­sen­ça de guar­das ar­ma­dos a bor­do de na­vi­os da ma­ri­nha mer­can­te com ban­dei­ra por­tu­gue­sa.

A le­gis­la­ção, sa­be o PÚ­BLI­CO, de­ve­rá ser sub­me­ti­da a um dos pró­xi­mos con­se­lhos de mi­nis­tros. O Mi­nis­té­rio do Mar, res­pon­sá­vel por es­ta pro­du­ção le­gis­la­ti­va, es­tá a aguar­dar ape­nas pe­la apro­va­ção da pro­pos­ta de Or­ça­men­to do Es­ta­do pa­ra 2019 pa­ra agen­dar a apre­ci­a­ção do di­plo­ma.

É o cul­mi­nar de um lon­go pro­ces­so que en­vol­veu três mi­nis­té­ri­os — De­fe­sa, Ad­mi­nis­tra­ção In­ter­na e Mar —, obri­gou a al­te­ra­ções na Lei de De­fe­sa Na­ci­o­nal e na Lei das Ar­mas, e mo­ti­vou con­sul­tas à Ma­ri­nha, PSP, GNR e Ad­mi­nis­tra­ção Ma­rí­ti­ma. É, tam­bém, a res­pos­ta do Go­ver­no às pres­sões que têm si­do fei­tas pe­lo clus­ter ma­rí­ti­mo na­ci­o­nal, que con­si­de­ra es­ta le­gis­la­ção es­sen­ci­al pa­ra au­men­tar a com­pe­ti­ti­vi­da­de do sec­tor em Por­tu­gal.

Fa­ce ao nú­me­ro de ca­sos de pi­ra­ta­ria ma­rí­ti­ma ocor­ri­dos nos úl­ti­mos anos, a mai­o­ria dos paí­ses se­guiu as re­co­men­da­ções da Or­ga­ni­za­ção Ma­rí­ti­ma In­ter­na­ci­o­nal (IMO, na si­gla fran­ce­sa) e avan­çou pa­ra a cri­a­ção de en­qua­dra­men­tos ju­rí­di­cos pa­ra per­mi­tir a pre­sen­ça de se­gu­ran­ça ar­ma­da a bor­do de na­vi­os da ma­ri­nha mer­can­te. Por­tu­gal e a Li­tuâ­nia são os úni­cos paí­ses da União Eu­ro­peia ain­da sem le­gis­la­ção nes­ta ma­té­ria.

A pro­pos­ta que se­rá ana­li­sa­da em Con­se­lho de Mi­nis­tros, a exem­plo do que acon­te­ce na mai­o­ria dos paí­ses, pre­vê a pos­si­bi­li­da­de de na­vi­os com pa­vi­lhão por­tu­guês na­ve­ga­rem com guar­das ar­ma­dos a bor­do. Sem­pre em águas in­ter­na­ci­o­nais, pa­ra não in­frin­gir a le­gis­la­ção dos por­tos de ori­gem ou de des­ti­no. O mo­de­lo que tem si­do adop­ta­do pas­sa pe­lo em­bar­que de se­gu­ran­ças pri­va­dos, a mai­o­ria an­ti­gos mi­li­ta­res, em águas in­ter­na­ci­o­nais, an­tes de o na­vio atra­ves­sar zo­nas mais sen­sí­veis. Os se­gu- ran­ças per­ma­ne­cem a bor­do du­ran­te a tra­ves­sia da zo­na con­si­de­ra­da de ris­co, de­sem­bar­can­do pa­ra ou­tro na­vio an­tes da en­tra­da em águas de ju­ris­di­ção na­ci­o­nal.

Já em 2013, o Con­se­lho Eco­nó­mi­co e So­ci­al Eu­ro­peu deu pa­re­cer po­si­ti­vo à im­ple­men­ta­ção de me­di­das pre­ven­ti­vas, eva­si­vas e de­fen­si­vas con­tra a pi­ra­ta­ria, des­de que ba­li­za­da por um “en­qua­dra­men­to ju­rí­di­co ri­go­ro­so” que, en­tre ou­tros as­pec­tos, res­pon­sa­bi­li­ze o co­man­dan­te do na­vio sem­pre que as ar­mas de fo­go fo­rem uti­li­za­das a bor­do.

De acor­do com da­dos da Câ­ma­ra de Co­mér­cio In­ter­na­ci­o­nal, no ano pas­sa­do fo­ram re­gis­ta­dos 180 in­ci­den­tes de pi­ra­ta­ria e as­sal­tos ar­ma­dos con­tra na­vi­os. Mes­mo sen­do o nú­me­ro mais bai­xo des­de 1995 (188 in­ci­den­tes), os ata­ques pro­vo­ca­ram a mor­te a três tri­pu­lan­tes. Ou­tros 91 fo­ram fei­tos re­féns a bor­do e 75 fo­ram mes­mo rap­ta­dos dos na­vi­os.

Es­te ano, os ca­sos mais re­cen­tes dão con­ta do ata­que, no fi­nal de Se­tem­bro, em águas ter­ri­to­ri­ais da Ni­gé­ria, ao gra­ne­lei­ro suí­ço MV Gla­rus. Dos 19 tri­pu­lan­tes que se­gui­am a bor­do, 12 fo­ram se­ques­tra­dos. No mês an­te­ri­or, no mar do Ga­bão, 17 ma­rí­ti­mos do na­vio gre­go Pan­te­le­na es­ti­ve­ram se­ques­tra­dos du­ran­te no­ve di­as, na sequên­cia de ou­tro ata­que. Gol­fo da Gui­né, cor­no de Áfri­ca, Su­do­es­te Asiá­ti­co e Amé­ri­ca Cen­tral são as zo­nas que mais pre­o­cu­pam os ar­ma­do­res.

“Cer­ca de 400 ci­da­dãos por­tu­gue­ses são tri­pu­lan­tes de na­vi­os re­gis­ta­dos em Por­tu­gal e o país não se po­de alhe­ar da sua pro­tec­ção, tal co­mo não se po­de alhe­ar da pro­tec­ção dos ou­tros mi­lha­res de ma­rí­ti­mos que or­gu­lho­sa­men­te na­ve­gam com a ban­dei­ra na­ci­o­nal”, ar­gu­men­tou, no fi­nal de Se­tem­bro, Re­né Men­zel, da Eu­ro­pe­an In­ter­na­ti­o­nal Shi­pow­ners As­so­ci­a­ti­on of Por­tu­gal (EISAP).

A EISAP, que re­pre­sen­ta mais de 80% dos na­vi­os re­gis­ta­dos em Por­tu­gal, a mai­o­ria no Re­gis­to In­ter­na­ci­o­nal de Na­vi­os da Ma­dei­ra (MAR), tem fei­to pres­são jun­to do Mi­nis­té­rio do Mar pa­ra que en­qua­dre a pre­sen­ça de ar­mas a bor­do na le­gis­la­ção na­ci­o­nal. “A fal­ta de re­gu­la­men­ta­ção nes­ta ma­té­ria é um han­di­cap mui­to gran­de pa­ra o cres­ci­men­to de Por­tu­gal en­quan­to es­pa­ço pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to da in­dús­tria do ship­ping”, acres­cen­tou Re­né Men­zel, nu­ma no­ta emi­ti­da pe­lo MAR, que in­te­gra o Cen­tro In­ter­na­ci­o­nal de Ne­gó­ci­os da Ma­dei­ra.

No do­cu­men­to, os res­pon­sá­veis pe­lo re­gis­to de na­vi­os ma­dei­ren­se res­pon­sa­bi­li­za­vam a “au­sên­cia de re­gu­la­men­ta­ção” pa­ra a pre­sen­ça de se­gu­ran­ça ar­ma­da a bor­do dos na­vi­os de ban­dei­ra por­tu­gue­sa pe­la saí­da de 17 na­vi­os de ar­ma­do­res in­ter­na­ci­o­nais do MAR, que no fi­nal do pri­mei­ro se­mes­tre des­te ano ti­nha 618 em­bar­ca­ções re­gis­ta­das: 509 eram na­vi­os de co­mér­cio, 73 em­bar­ca­ções de re­creio e 36 ia­tes co­mer­ci­ais. Em Maio, a mi­nis­tra do Mar já se ti­nha com­pro­me­ti­do com um di­plo­ma so­bre a ma­té­ria.

Mo­de­lo que tem si­do adop­ta­do nou­tros paí­ses pas­sa por se­gu­ran­ças pri­va­dos, a mai­o­ria an­ti­gos mi­li­ta­res

mar­cio.be­ren­guer@pu­bli­co.pt

DA­NI­EL RO­CHA

Por­tu­gal e Li­tuâ­nia são os úni­cos paí­ses da União sem re­gu­la­men­ta­ção nes­ta ma­té­ria

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.