OE tem 180 mi­lhões pa­ra ace­le­rar entradas na re­for­ma

Fim de cor­te em pen­sões an­te­ci­pa­das be­ne­fi­cia 44 mil pes­so­as • Cri­a­da no­va pres­ta­ção pa­ra de­sem­pre­ga­dos com mais de 52 anos • Rei­to­res ques­ti­o­nam re­du­ção de pro­pi­nas

Edição Público Porto - - PRIMEIRA PÀGINA - Cla­ra Vi­a­na

Os rei­to­res fo­ram sur­pre­en­di­dos, on­tem, por um anún­cio fei­to pe­la de­pu­ta­da do Blo­co de Es­quer­da Ma­ri­a­na Mor­tá­gua. Nu­ma lon­ga reu­nião com o pri­mei­ro-mi­nis­tro, An­tó­nio Cos­ta, que ter­mi­nou já de ma­dru­ga­da, fi­cou acor­da­do que o Or­ça­men­to do Es­ta­do (OE) pa­ra 2019 con­tem­pla­rá uma re­du­ção do va­lor má­xi­mo das pro­pi­nas do ensino su­pe­ri­or, que pas­sa­rá de 1068 eu­ros pa­ra 856 eu­ros, dis­se.

Se­rá a pri­mei­ra vez, em pe­lo me­nos 15 anos, que se opta por uma re­du­ção das pro­pi­nas. O má­xi­mo a que se ti­nha che­ga­do até ago­ra foi o con­ge­la­men­to do va­lor má­xi­mo, que se en­con­tra em vi­gor há três anos.

Es­ta me­di­da le­va­rá a que no pró­xi­mo ano lec­ti­vo, quan­do se­rá pos­ta em prá­ti­ca, exis­ta uma re­du­ção de 40 a 50 mi­lhões de eu­ros nas re­cei­tas do con­jun­to das ins­ti­tui­ções do ensino su­pe­ri­or, ava­li­ou Mor­tá­gua. Por es­sa ra­zão, os rei­to­res contactados pe­lo PÚ­BLI­CO es­pe­ram que no mes­mo OE pa­ra 2019 fi­quem con­sa­gra­das ver­bas pa­ra com­pen­sar es­ta di­mi­nui­ção.

“A não acon­te­cer as­sim, se­rá uma tra­gé­dia”, aler­tou o rei­tor da Uni­ver­si­da­de do Por­to, An­tó­nio Pereira. Es­te res­pon­sá­vel es­ti­ma que as re­cei­tas da UP so­fram uma re­du­ção de um mi­lhão de eu­ros no pró­xi­mo ano lec­ti­vo. Mas diz-se con­ven­ci­do de que o exe­cu­ti­vo “vai re­por” as ver­bas que fi­ca­rão em fal­ta. “Qu­e­ro crer que o Go­ver­no vai hon­rar o pac­to as­si­na­do com as uni­ver­si­da­des”, fri­sou.

Es­te acor­do, as­si­na­do em 2016, pre­vê que uni­ver­si­da­des e po­li­téc­ni­cos se­jam res­sar­ci­dos fi­nan­cei­ra­men­te dos efei­tos de qual­quer al­te­ra­ção le­gis­la­ti­va que os afec­te, co­mo se­rá o ca­so ago­ra.

Me­nos op­ti­mis­ta pa­re­ce es­tar o rei­tor da Uni­ver­si­da­de de Lis­boa, An­tó­nio Cruz Ser­ra, que cha­ma a aten­ção pa­ra o fac­to de as ins­ti­tui­ções ain­da não te­rem si­do res­sar­ci­das pe­lo con­ge­la­men­to das pro­pi­nas em vi­gor des­de 2015/2016. “Con­cor­do com a re­du­ção, mas tem de exis­tir uma com­pen­sa­ção por par­te do Go­ver­no”, de­fen­de.

A UL é uma das qua­tro ins­ti­tui­ções do ensino su­pe­ri­or que tem man­ti­do o va­lor das pro­pi­nas no má­xi­mo le­gal. As ou­tras são a Uni­ver­si­da­de No­va de Lis­boa, o ISCTE e a Uni­ver­si­da­de de Lis­boa. Cruz Ser­ra adi­an­ta que a re­du­ção das pro­pi­nas te­rá um im­pac­to de oi­to mi­lhões de eu­ros nas re­cei­tas da UL.

O rei­tor da Uni­ver­si­da­de de Lis­boa tem dú­vi­das tam­bém so­bre as ra­zões que le­va­ram a que fos­se da­da pri­o­ri­da­de a es­ta me­di­da, quan­do se sa­be que “ho­je o pro­ble­ma mais gra­ve no sec­tor é o do alo­ja­men­to”, de­vi­do à ca­rên­cia de re­si­dên­ci­as uni­ver­si­tá­ri­as (só têm lu­ga­res pa­ra 12% dos mais de 100 mil alu­nos que ne­ces­si­tam de um quar­to). “O que pre­ci­sa­mos é de do­ta­ções or­ça­men­tais pa­ra cons­truir re­si­dên­ci­as”, re­for­ça.

“É uma me­di­da po­si­ti­va, mas não po­de­mos fi­car sa­tis­fei­tos por exis­tir uma re­du­ção pa­ra pou­cos de 200 eu­ros, quan­do mui­tos têm de pa­gar 400 eu­ros ou mais por um quar­to”, diz tam­bém o pre­si­den­te da Fe­de­ra­ção Aca­dé­mi­ca do Por­to, João Pe­dro Vi­dei­ra. “Os 50 mi­lhões de eu­ros que o Go­ver­no te­rá de dar às uni­ver­si­da­des pe­la per­da de re­cei­tas das pro­pi­nas da­ria pa­ra du­pli­car o nú­me­ro de re­si­dên­ci­as exis­ten­tes”, alerta.

Já o pre­si­den­te da Fe­de­ra­ção Aca­dé­mi­ca de Lis­boa, João Ro­dri­gues, clas­si­fi­ca es­ta me­di­da co­mo “ex­tre­ma­men­te po­si­ti­va” e “uma das mais fe­li­zes” dos úl­ti­mos anos pa­ra os es­tu­dan­tes do ensino su­pe­ri­or. Fri­sa que es­ta é uma “me­di­da trans­ver­sal”, uma vez que vai afec­tar to­das as ins­ti­tui­ções, à ex­cep­ção de qua­tros ins­ti­tu­tos po­li­téc­ni­cos, cu­jas pro­pi­nas já es­ta­vam abai­xo do no­vo tec­to ago­ra fi­xa­do, e que por is­so aju­da a que o “ensino su­pe­ri­or se­ja mais jus­to e in­clu­si­vo”.

Tam­bém a rei­to­ra do ISCTE, Ma­ria de Lur­des Ro­dri­gues, aplau­de a re­du­ção das pro­pi­nas por con­si­de­rar que o va­lor ac­tu­al cons­ti­tui “um obs­tá­cu­lo ao aces­so ao ensino su­pe­ri­or”. De­fen­de ain­da que ago­ra “é ne­ces­sá­rio ir mais lon­ge no re­for­ço da Ac­ção So­ci­al e das re­si­dên­ci­as uni­ver­si­tá­ri­as”.

cvi­a­na@pu­bli­co.pt

NEL­SON GAR­RI­DO

Es­tu­dan­tes do Por­to dor­mi­ram na rua em pro­tes­to con­tra a fal­ta de lu­ga­res nas re­si­dên­ci­as

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.