“Afi­nal não adi­an­tou de na­da”

Edição Público Porto - - DESTAQUE - Ma­ri­a­na Oli­vei­ra

fi­nal não adi­an­tou de na­da.” É as­sim que re­a­ge Jo­a­na (no­me fic­tí­cio), ho­je com 28 anos, às du­as de­ci­sões dos tri­bu­nais por­tu­gue­ses, uma que de­ter­mi­nou e ou­tra que con­fir­mou uma pe­na de prisão de qua­tro anos e seis me­ses, suspensa, pa­ra os dois ho­mens que a agre­di­ram se­xu­al­men­te quan­do se en­con­tra­va in­cons­ci­en­te nu­ma ca­sa de ba­nho de um bar-dis­co­te­ca, em Vi­la No­va de Gaia. Tu­do acon­te­ceu na ma­dru­ga­da de 27 de No­vem­bro de 2016 e os vi­o­la­do­res fo­ram o bar­man e o por­tei­ro do es­ta­be­le­ci­men­to. Co­nhe­cia-os, já que era fre­quen­ta­do­ra ha­bi­tu­al do bar ha­via uns me­ses.

Era, con­tu­do, ra­ro ir aos sá­ba­dos àque­la dis­co­te­ca. No ca­fé on­de tra­ba­lha­va era ha­bi­tu­al fa­zer os fins­de-se­ma­na. O mais nor­mal era ir às quar­tas-fei­ras, dia de fol­ga. Mas aque­le sá­ba­do foi uma ex­cep­ção. Tal­vez por­que ha­via uma fes­ta. Ofe­re­cia-se uma gar­ra­fa de uma be­bi­da al­coó­li­ca por me­sa. À de Jo­a­na e da ami­ga com quem foi, Carla (no­me fic­tí­cio), a sor­te di­tou-lhes uma vod­ka, que fo­ram es­va­zi­an­do ao som da dan­ça. Às 3h30 Jo­a­na foi de­sa­fi­a­da pe­lo bar­man pa­ra uma ro­da­da gra­tui­ta de shots. Be­beu pe­lo me­nos três, deu co­mo pro­va­do o tri­bu­nal.

Já o bar-dis­co­te­ca fe­cha­ra e Carla in­dis­pos­ta per­ma­ne­cia dei­ta­da num so­fá. Jo­a­na não es­ta­va mui­to me­lhor e mi­nu­tos an­tes das 5h foi à ca­sa de ba­nho on­de, dei­ta­da no chão, aca­bou por vo­mi­tar. A se­gu­rar-lhe a tes­ta es­ta­va o por­tei­ro. E foi ele quem, de­pois de Jo­a­na per­der a cons­ci­ên­cia, de­ci­diu man­ter com ela re­la­ções se­xu­ais, “de­pois de a ter des­pi­do da cin­tu­ra pa­ra bai­xo, man­ten­do-lhe a rou­pa a meio das per­nas”, se­gun­do con­si­de­rou pro­va­do o tri­bu­nal. A cer­ta al­tu­ra, Jo­a­na vol­tou a si “ain­da no mes­mo lo­cal”. Es­ta­va “dei­ta­da no chão, com a ca­be­ça en­cos­ta­da à por­ta de en­tra­da”.

Nes­sa al­tu­ra en­trou na ca­sa de ba­nho o bar­man, que fo­ra le­var Carla a ca­sa. Des­per­tou Jo­a­na, que se re­cor­da de ou­vir o por­tei­ro a di­zer ao co­le­ga: “Vai tu ago­ra” e de es­te ter res­pon­di­do: “Achas que vou as­sim? Nem dá von­ta­de, ela nem tem re­ac­ção.” Mas a von­ta­de lá te­rá che­ga­do. Quan­do Jo­a­na re­cu­pe­rou de no­vo a cons­ci­ên­cia viu-se in­cli­na­da so­bre o la­va­tó­rio, com as cu­e­cas e os cal­ções bai­xa­dos. Foi acor­da­da com pal­ma­das no ra­bo, mar­cas ates­ta­das mais tar­de pe­lo Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Me­di­ci­na le­gal, no exame pe­ri­ci­al que lhe foi fei­to.

Não há re­gis­to do que acon­te­ceu nas ho­ras que se se­gui­ram. As ima­gens de vi­de­o­vi­gi­lân­cia do bar não re­gis­ta­ram a saí­da de Jo­a­na ou dos dois agres­so­res, ape­sar de te­rem gra­va­do vá­ri­os epi­só­di­os da noi­te. As au­to­ri­da­des ad­mi­tem que po­dem ter si­do os vi­sa­dos, am­bos com aces­so ao sis­te­ma e à re­fe­ri­da pas­sword, a apa­gar as pro­vas.

A fi­ta do tem­po só vol­ta a re­gis­tar al­go por vol­ta das 9h, al­tu­ra em que o por­tei­ro le­vou Jo­a­na de car­ro a ca­sa. É já den­tro da vi­a­tu­ra que es­ta acor- da. Cons­ci­en­te do que acon­te­ce­ra, pe­de ao agres­sor pa­ra a dei­xar sair pa­ra apa­nhar um tá­xi — ou pa­ra a dei­xar na po­lí­cia. E es­te re­a­ge. Diz­lhe que a dei­xa em ca­sa e pe­de-lhe pa­ra pen­sar me­lhor. “Te­nho fi­lhos e se a mi­nha ex-mu­lher sa­be nun­ca mais vou ver os meus fi­lhos”, ter-lheá di­to o por­tei­ro, en­tão com 39 anos. “Pe­de-me o que tu qui­se­res que eu dou-te. Se qui­se­res dinheiro, eu dou­te.” A ofer­ta foi con­ta­da por Jo­a­na no de­poi­men­to que fez na Po­lí­cia Ju­di­ciá­ria e que o tri­bu­nal con­si­de­rou cre­dí­vel.

Jo­a­na ain­da ho­je ga­ran­te que dinheiro nun­ca foi a sua mo­ti­va­ção. Por is­so, nem se­quer pe­diu uma in­dem­ni­za­ção aos agres­so­res, co­mo po­dia ter fei­to. “Não é o dinheiro de­les que eu qu­e­ro. Que­ria é que eles pa­gas­sem pe­lo que fi­ze­ram”, afir­ma em con­ver­sa ao PÚ­BLI­CO. Ex­pli­ca que sen­tiu a con­de­na­ção a pe­na de prisão suspensa co­mo uma ab­sol­vi­ção.

Qua­se três anos após o abu­so, con­ti­nua a ter re­ceio de en­con­trar os agres­so­res. “Te­nho al­gum re­ceio, mas ten­to fa­zer tu­do nor­mal­men­te”, ga­ran­te. O fi­lho, en­tão com seis anos, nun­ca se aper­ce­beu do que se pas­sou na­que­la noi­te e ain­da ho­je não sa­be que foi vi­o­la­da. Com o na­mo­ra­do de en­tão, de quem en­tre­tan­to se se­pa­rou, não foi bem as­sim. “Já não es­ta­mos jun­tos. Não nos se­pa­rá­mos por cau­sa dis­so, mas te­ve im­pac­to.”

Quei­xa-se igual­men­te do des­gas­te cau­sa­do pe­la re­pe­ti­ção da his­tó­ria. Pri­mei­ro quan­do fez a quei­xa, de­pois quan­do foi pres­tar o de­poi­men­to, de se­gui­da quan­do fez perícias mé­di­co­le­gais. Mais tar­de quan­do gravou as de­cla­ra­ções pa­ra me­mó­ria fu­tu­ra, que não im­pe­di­ram, no en­tan­to, que fos­se cha­ma­da ao jul­ga­men­to pa­ra pres­tar es­cla­re­ci­men­tos adi­ci­o­nais. “A úl­ti­ma vez ti­ve­ram que me ir bus­car a ca­sa, por­que não apa­re­ci”, con­ta Jo­a­na. Se sou­bes­se o que a es­pe­ra­va, diz que não ti­nha apre­sen­ta­do quei­xa. E la­men­ta: “Vou con­ti­nu­ar a so­frer. A ser ex­pos­ta. Is­to nun­ca mais aca­ba.”

me­o­li­vei­ra@pu­bli­co.pt

“A

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.