Da­nos psi­co­ló­gi­cos por ava­li­ar

Edição Público Porto - - DESTAQUE -

Ot­ri­bu­nal não ava­li­ou o im­pac­to psi­co­ló­gi­co que o cri­me te­ve na ví­ti­ma. A pró­pria ex­pli­ca que após a quei­xa ofe­re­ce­ram-lhe apoio psi­co­ló­gi­co, que re­cu­sou. “Na al­tu­ra não que­ria fa­lar com nin­guém”, jus­ti­fi­ca, ad­mi­tin­do que mais tar­de tal­vez acei­tas­se. As juí­zas jus­ti­fi­ca­ram as­sim a de­ci­são de sus­pen­der a pe­na de prisão dos agres­so­res: “ape­sar da cen­su­ra­bi­li­da­de” das con­du­tas, “os da­nos fí­si­cos pro­vo­ca­dos não as­su­mem es­pe­ci­al gra­vi­da­de, con­si­de­ran­do o pe­río­do de cu­ra das le­sões pro­vo­ca­das es­sen­ci­al­men­te com as pal­ma­das (equi­mo­ses e he­ma­to­mas) a que acres­ce o di­mi­nu­to re­ceio de co­me­ti­men­to de idên­ti­cos fac­tos”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.