Ba­res e dis­co­te­cas vão po­der ter si­na­lé­ti­ca Li­vre de Se­xis­mo

Edição Público Porto - - DESTAQUE - Na­tá­lia Faria

— 50,8% dos agres­so­res têm en­tre os 21 e os 40 anos de ida­de, en­quan­to, do la­do das ví­ti­mas, 19,2% têm en­tre 16 e 18 anos e 22,7% en­tre 21 e 30 anos.

E, ao mes­mo tem­po que con­fir­ma um es­te­reó­ti­po (os vi­o­la­do­res são ho­mens e as ví­ti­mas mu­lhe­res), apre­sen­ta um in­di­ca­dor que re­for­ça a des­cons­tru­ção da re­pre­sen­ta­ção so­ci­al da vi­o­la­ção: só 31% dos agres­so­res eram des­co­nhe­ci­dos das ví­ti­mas.

As de­mais ten­ta­ti­vas de ca­rac­te­ri­za­ção de ví­ti­mas e agres­so­res ati­ram pa­ra o cam­po da ale­a­to­ri­e­da­de. “To­dos po­de­mos ser po­ten­ci­al­men­te ví­ti­mas”, en­fa­ti­za Mar­ga­ri­da Me­di­na Mar­tins, fun­da­do­ra da As­so­ci­a­ção de Mu­lhe­res con­tra a Vi­o­lên­cia, que cri­ou, em Ja­nei­ro de 2017, em Lis­boa, o pri­mei­ro cen­tro de apoio ví­ti­mas de vi­o­lên­cia se­xu­al.

Quan­to aos agres­so­res, a in­ves­ti­ga­ção no cam­po da psi­co­lo­gia per­mi­te a So­fia Ne­ves ar­ris­car que não têm de ser pes­so­as com pa­to­lo­gia as­so­ci­a­da. “É al­guém que tem uma re­la­ção de pro­xi­mi­da­de ou intimidade com a ví­ti­ma e que pro­cu­ra atra­vés do con­tac­to se­xu­al exer­cer o seu po­der so­bre aque­la pes­soa.” Mais do que da pro­cu­ra de ob­ten­ção de pra­zer se­xu­al, “a mo­ti­va­ção de­cor­re da ne­ces­si­da­de de con­tro­lar a ví­ti­ma”. “As vi­o­la­ções dão-se num con­tex­to so­ci­al mar­ca­do por uma for­te de­si­gual­da­de de gé­ne­ro: a ideia de que os ho­mens são se­res pro­vi­dos de de­se­jo se­xu­al pre­men­te e de que as mu­lhe­res têm de sub­me­ter-se a es­se de­se­jo”, con­tex­tu­a­li­za Ta­ti­a­na Men­des, pa­ra acres­cen­tar que “es­se discurso bi­o­ló­gi­co es­sen­ci­a­lis­ta aju­da a le­gi­ti­mar es­ta vi­o­lên­cia”. Por ou­tro la­do, “jo­ga-se aqui aque­la cons­tru­ção so­ci­al que diz que as mu­lhe­res têm de se fa­zer di­fí­ceis e de ser con­ven­ci­das, lo­go que um ‘não’ po­de não que­rer di­zer ‘não’”.

Pou­ca pre­pa­ra­ção

Mui­to pa­ra lá do discurso so­ci­al que ten­de a des­res­pon­sa­bi­li­zar o agres­sor e con­co­mi­tan­te­men­te a co-res­pon­sa­bi­li­zar a ví­ti­ma — e que sur­ge ver­ti­do em acór­dãos co­mo o re­la­ti­vo à vi­o­la­ção no bar de Gaia ou nos co­men­tá­ri­os à ale­ga­da vi­o­la­ção de Kathryn Mayor­ga por Cris­ti­a­no Ronaldo que apon­ta­vam o fac­to de ela ter su­bi­do ao quar­to co­mo uma es­pé­cie de “via ver­de” pa­ra uma ale­ga­da vi­o­la­ção —, im­por­ta­rá sa­ber que apoi­os exis­tem pa­ra as ví­ti­mas de vi­o­la­ção. En­tre es­qua­dras de po­lí­cia, ser­vi­ços de saú­de, tri­bu­nais, há um de­no­mi­na­dor co­mum, apon­ta­do qu­er pe­los téc­ni­cos do ter­re­no, qu­er pe­los investigadores da área: a fal­ta de pre­pa­ra­ção dos pro­fis­si­o­nais.

“Há mui­to a fa­zer na for­ma­ção dos pro­fis­si­o­nais das es­qua­dras, da área de emer­gên­cia mé­di­ca e tam­bém do sis­te­ma de jus­ti­ça”, apon­ta Mar­le­ne Matos, pa­ra quem, sem es­sa es­pe­ci­a­li­za­ção, “não se con­se­gui­rá re­du­zir a vi­ti­ma­ção se­cun­dá­ria”.

No es­tu­do de So­fia Ne­ves fi­cou tam­bém cla­ro que po­lí­ci­as, mé­di­cos, en­fer­mei­ros, professores e as­sis­ten­tes so­ci­ais não es­tão pre­pa­ra­dos pa­ra iden­ti­fi­car es­te cri­me. “São eles pró­pri­os que se as­su­mem pou­co pre­pa­ra­dos pa­ra in­ter­vir nes­tas si­tu­a­ções”, pre­ci­sa, pa­ra acres­cen­tar que os dois cen­tros es­pe­ci­a­li­za­dos que exis­tem no país são “cla­ra­men­te in­su­fi­ci­en­tes”. “Há de­ma­si­a­das pes­so­as que não têm aces­so a es­tes cen­tros, até por con­ta da dis­tân­cia ge­o­grá­fi­ca”, diz ain­da.

A co­or­de­na­do­ra do pri­mei­ro des­tes cen­tros, Mar­ga­ri­da Matos Ne­ves, recupera as re­co­men­da­ções do Con­se­lho da Eu­ro­pa que apon­tam a ne­ces­si­da­de de um cen­tro de cri­se por ca­da 200 mil mu­lhe­res. “Se con­si­de­rar­mos que o Inqué­ri­to da Agên­cia Eu­ro­peia pa­ra os Di­rei­tos Fun­da­men­tais re­a­li­za­do em 28 Es­ta­dos-mem­bros em 2012 con­cluiu que em Por­tu­gal 1% das in­qui­ri­das dis­se ter si­do ví­ti­ma de vi­o­lên­cia se­xu­al por par­cei­ros e não par­cei­ros nos 12 me­ses pre­ce­den­tes ao inqué­ri­to, po­de­mos es­ti­mar, a par­tir dos da­dos do Cen­sos de 2011, que 41.542 mu­lhe­res e ra­pa­ri­gas fo­ram ví­ti­mas des­te ti­po de cri­me no re­fe­ri­do pe­río­do de um ano e ter uma pá­li­da no­ção da di­men­são e da fal­ta de re­cur­sos es­pe­ci­a­li­za­dos de res­pos­ta”, acu­sa, pa­ra con­cluir que, no to­can­te à vi­o­lên­cia se­xu­al, “ain­da es­tá pra­ti­ca­men­te tu­do por fa­zer”.

A co­or­de­na­do­ra do cen­tro do Por­to, que já acom­pa­nha dez ví­ti­mas des­te ti­po de vi­o­lên­cia, apon­ta ou­tra fa­lha na res­pos­ta: “Se al­guém que foi vi­o­la­da for a um cen­tro de saú­de, di­fi­cil­men­te se­rá re­fe­ren­ci­a­da pa­ra um atendimento es­pe­ci­a­li­za­do, por­que não exis­tem pro­to­co­los, nem uma ló­gi­ca de ac­tu­a­ção em re­de.”

nfa­ria@pu­bli­co.pt

Se um des­tes di­as es­bar­rar, à por­ta de um bar ou de uma dis­co­te­ca, com uma pla­ca de fun­do li­lás on­de se lê Li­vre de Se­xis­mo — Por um pra­zer noc­tur­no igua­li­tá­rio não se sur­pre­en­da: o es­ta­be­le­ci­men­to adop­tou um con­jun­to de pro­ce­di­men­tos pa­ra mi­ni­mi­zar o ris­co de os seus cli­en­tes se­rem im­por­tu­na­dos se­xu­al­men­te. À par­ti­da, os to­ques in­de­se­ja­dos, as mú­si­cas hi­per­se­xu­a­li­za­das e os co­men­tá­ri­os se­xis­tas não se­rão ti­dos co­mo nor­mais na­que­le es­pa­ço. E os fun­ci­o­ná­ri­os, por ou­tro la­do, te­rão apren­di­do co­mo es­tan­car tais si­tu­a­ções.

“A ideia é cri­ar um roteiro de di­ver­são noc­tur­na mais igua­li­tá­ria, na mes­ma ló­gi­ca dos ro­tei­ros gay fri­en­dly”, adi­an­ta Cris­ti­a­na Va­le Pi­res. A in­ves­ti­ga­do­ra de pós-dou­to­ra­men­to na Uni­ver­si­da­de Ca­tó­li­ca do Por­to e co­la­bo­ra­do­ra da Kos­mi­ca­re (uma or­ga­ni­za­ção sem fins lu­cra­ti­vos em­pe­nha­da na “boa go­ver­nan­ça” da vi­da noc­tur­na) apon­ta Ju­nho de 2019 co­mo da­ta pa­ra ter a si­na­lé­ti­ca dis­tri­buí­da por al­guns es­ta­be­le­ci­men­tos de ani­ma­ção noc­tur­na do Por­to, pri­mei­ro, e nou­tras ci­da­des, de­pois.

Mas os dís­ti­cos Li­vre de Se­xis­mo se­rão ape­nas a úl­ti­ma ac­ção e a mais vi­sí­vel de um con­jun­to. Uma das pri­mei­ras vi­sou apu­rar se os con­tex­tos fes­ti­vos po­dem ser edu­ca­ti­vos quan­to a ma­té­ri­as co­mo a vi­o­lên­cia se­xu­al e o con­su­mo de subs­tân­ci­as psi­co­ac­ti­vas. Cris­ti­a­na Pi­res en­tre­vis­tou, jun­ta­men­te com três ou­tras in­ves­ti­ga­do­ras, 12 mu­lhe­res, en­tre os 16 e os 42 anos, con­su­mi­do­ras de subs­tân­ci­as psi­co­ac­ti­vas em con­tex­tos fes­ti­vos, re­si­den­tes em Lis­boa e Viseu, num tra­ba­lho aca­dé­mi­co que aju­dou a iden­ti­fi­car as vá­ri­as de­si­gual­da­des de gé­ne­ro que emer­gem em am­bi­en­tes de di­ver­são noc­tur­na.

e se­gu­ran­ças

“Mui­tas in­qui­ri­das re­fe­ri­ram com na­tu­ra­li­da­de que, pa­ra elas, sair à noi­te implica, em al­gum mo­men­to, ser as­se­di­a­da se­xu­al­men­te, ou se­ja, o aces­so a con­tex­tos fes­ti­vos pres­su­põe as­su­mir o ris­co de po­der ser ví­ti­ma de vi­o­lên­cia se­xu­al”, pre­ci­sou Cris­ti­a­na Pi­res, pa­ra acres­cen­tar que as in­qui­ri­das “in­cor­po­ram a ne­ces­si­da­de de te­rem de se pro­te­ger co- mo uma res­pon­sa­bi­li­da­de uni­la­te­ral”. Is­to num con­tex­to que ten­de a mos­trar-se mui­to per­mis­si­vo fa­ce a im­por­tu­na­ções se­xu­ais co­mo to­ques não con­sen­ti­dos e co­men­tá­ri­os que não se­ri­am per­mi­ti­dos num ca­fé du­ran­te o dia. “Quan­do se con­vi­da as mu­lhe­res a be­ber gra­tui­ta­men­te, quan­do se pas­sam mú­si­cas com con­teú­dos hi­per­se­xu­a­li­za­dos e se recorre a publicidade que faz uso do cor­po da mu­lher, e que sim­bo­li­ca­men­te cria um ima­gi­ná­rio em que a mu­lher é mais um bem con­su­mí­vel na­que­le con­tex­to, es­tá-se a pro­mo­ver es­te ti­po de vi­o­lên­cia”, de­fen­de a in­ves­ti­ga­do­ra.

A con­clu­são se­guin­te apon­tou a ne­ces­si­da­de de co-res­pon­sa­bi­li­zar os pro­mo­to­res des­tes even­tos. Co­mo? “Dis­cu­tin­do com as pes­so­as que ge­rem es­pa­ços de ani­ma­ção noc­tur­na o que se po­de fa­zer pa­ra pro­mo­ver am­bi­en­tes mais igua­li­tá­ri­os e evi­tar con­teú­dos e com­por­ta­men­tos se­xis­tas. Is­to in­clui dar for­ma­ção es­pe­cí­fi­ca a pes­so­as que tra­ba­lham na noi­te — de bar­ten­ders a se­gu­ran­ças —, aju­dan­do-os a iden­ti­fi­car si­tu­a­ções de vi­o­lên­cia e a per­ce­ber co­mo po­dem con­tri­buir pa­ra des­nor­ma­li­zar a acei­ta­ção so­ci­al des­te ti­po de com­por­ta­men­tos”, es­pe­ci­fi­cou.

Na agen­da es­tá ain­da o lan­ça­men­to de uma cam­pa­nha a fa­zer che­gar a fes­tas es­tu­dan­tis co­mo a Qu­ei­ma das Fi­tas e con­gé­ne­res “so­bre o pa­pel que as pes­so­as que as­sis­tem a si­tu­a­ções de vi­o­lên­cia de gé­ne­ro têm nas mes­mas, res­pon­sa­bi­li­zan­do-as e pro­mo­ven­do a sua ‘de­sa­cei­ta­ção’ so­ci­al”.

Em pa­ra­le­lo, a Faculdade de Edu­ca­ção e Psi­co­lo­gia da Ca­tó­li­ca lan­çou um ques­ti­o­ná­rio online so­bre assédio, abu­so e agressões se­xu­ais em am­bi­en­tes de la­zer noc­tur­no. “Já te­mos cer­ca de 400 res­pos­tas, mas va­mos con­ti­nu­ar até ao fi­nal des­te mês. Is­so vai-nos ajudar a per­ce­ber que ti­po de vi­o­lên­cia é que as pes­so­as vi­ven­ci­am quan­do sa­em à noi­te e de que for­ma é que is­so se cru­za com os con­su­mos de ál­co­ol e ou­tras subs­tân­ci­as”, ex­pli­ca Cris­ti­a­na Va­le Pi­res, pa­ra pre­ci­sar que, no so­ma­tó­rio das di­fe­ren­tes ini­ci­a­ti­vas, o ob­jec­ti­vo é des­cons­truir as cren­ças e ima­gi­ná­ri­os que le­gi­ti­mam a vi­o­lên­cia se­xu­al. Co­mo as de quem acha que o ál­co­ol des­cul­pa­bi­li­za o agres­sor.

A par­tir de Ju­nho de 2019 os no­vos si­nais vão pas­sar a ser dis­tri­buí­dos. Co­me­ça pe­lo Por­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.