“Se con­tas­se, ia ser ou­tra vez ‘a vi­o­la­da’, ‘a men­ti­ro­sa’”

Edição Público Porto - - DESTAQUE - Na­tá­lia Faria

Num post es­cri­to de ra­ja­da, a jor­na­lis­ta Helena Fer­ro Gou­veia de­ci­diu re­la­tar no Fa­ce­bo­ok a ten­ta­ti­va de vi­o­la­ção de que foi ví­ti­ma em 2010, num país afri­ca­no “que qua­se nin­guém sa­be lo­ca­li­zar no ma­pa”. Nu­ma se­ma­na, foi inun­da­da com 32 re­la­tos de mu­lhe­res e ho­mens que ti­nham pas­sa­do pe­lo mes­mo. De­ci­diu trans­for­má-los num li­vro. Pa­ra le­gen­dar o si­lên­cio de dé­ca­das, tor­nan­do-o com­pre­en­sí­vel pa­ra quem nun­ca vi­veu um trau­ma se­me­lhan­te. E que, mes­mo as­sim, se sen­te no di­rei­to de ati­rar pe­dras às ví­ti­mas.

“É mui­to pre­con­cei­tu­o­sa a for­ma co­mo a so­ci­e­da­de vê as ví­ti­mas e is­so re­flec­te-se na ju­ris­pru­dên­cia. Ape­sar do ruí­do, há mui­to pou­ca in­for­ma­ção fun­da­men­ta­da. Ain­da há di­as vi uma mé­di­ca di­zer na te­le­vi­são que os ho­mens têm pi­cos de tes­tos­te­ro­na quan­do vêem um de­co­te e uma saia. Is­so é pas­sar um ates­ta­do de me­no­ri­da­de aos pró­pri­os ho­mens. Creio que há aqui um enor­me tra­ba­lho edu­ca­ti­vo a fa­zer”, de­cla­rou ao PÚ­BLI­CO, pa­ra sin­te­ti­zar.

Pa­ra al­te­rar qua­dros men­tais, po­der-se-ia re­cor­rer à fic­ção, co­mo quan­do o es­cri­tor pe­ru­a­no Mario Var­gas Llo­sa des­cre­ve os sen­ti­men­tos de Ura­nia, a per­so­na­gem fe­mi­ni­na do li­vro “A Fes­ta do Chi­bo, vi­o­la­da aos 14 anos: “Te­nho qua­ren­ta e no­ve anos e ain­da es­tou a tre­mer, uma vez mais. Es­tou a tre­mer há trin­ta e cin­co anos, des­de es­se mo­men­to.”

Mas Helena, ex-cor­res­pon­den­te do PÚ­BLI­CO na Ale­ma­nha, e que nos úl­ti­mos anos tra­ba­lhou em paí­ses de Áfri­ca, Ásia e Amé­ri­ca La­ti­na, co­mo do­cen­te de jor­na­lis­mo com tra­ba­lho em story­tel­ling pa­ra os di­rei­tos hu­ma­nos, no­me­a­da­men­te com ví­ti­mas de trau­ma, ao ser­vi­ço da agên­cia ale­mã de de­sen­vol­vi­men­to Deuts­che Wel­le Aka­de­mie, aca­bou por ver re­pe­ti­das nos re­la­tos ve­rí­di­cos que lhe che­ga­ram as ex­pli­ca- ções pa­ra o tal si­lên­cio de dé­ca­das.

No seu ca­so, por que é que não de­nun­ci­ou? “Na al­tu­ra, não fa­lei por­que es­ta­va fo­ra do país e ia co­lo­car-me nu­ma si­tu­a­ção ain­da mais com­pli­ca­da, por­que era es­tran­gei­ra, por­que ti­nha aber­to a por­ta do quar­to à noi­te, aque­la fi­lo­so­fia do ‘pu­ses­te-te a jei­to’. Pe­sei os ris­cos e op­tei por não fa­lar. Não que não sen­tis­se a rai­va a me­xer por den­tro, mas não fa­lei.”

Pa­ra a jor­na­lis­ta, que na ma­nhã se­guin­te à ten­ta­ti­va de vi­o­la­ção se ma­qui­lhou, “ajei­tou os es­ti­lha­ços in­ter­nos” e foi “tra­ba­lhar co­mo num dia nor­mal”, é “fun­da­men­tal res­pei­tar o si­lên­cio das ví­ti­mas”. Mas os re­la­tos que re­ce­beu fi­ze­ram-na con­si­de­rar que, à bo­leia do #Me­eToo, se cri­ou um cli­ma que des­per­tou nas pes­so­as es­ta ne­ces­si­da­de de fa­lar. “As fe­ri­das pre­ci­sam do seu tem­po e o tem­po es­tá ago­ra ma­du­ro pa­ra que se con­tem es­tas his­tó­ri­as.”

Além da sua his­tó­ria, a da ten­ta­ti­va de vi­o­la­ção per­pe­tra­da pe­lo mo­to­ris­ta res­pon­sá­vel por a man­ter se­gu­ra no país em que es­ta­vam — o que a le­va a, ain­da ho­je, co­lo­car uma cu­nha de ma­dei­ra na por­ta de to­dos os quar­tos de ho­tel on­de per­noi­ta —, Helena Fer­ro Gou­veia en­con­trou nos re­la­tos das ou­tras ví­ti­mas fra­ses co­mo es­tas: “Sen­tia-me a pes­soa mais es­tú­pi­da do mun­do, e não que­ria que nin­guém sou­bes­se o quan­to ti­nha si­do im­be­cil. Se fi­zes­se de con­ta que es­ta­va tu­do bem, ia fi­car tu­do bem.” E ain­da: “Se con­tas­se, ia ser ou­tra vez ‘a vi­o­la­da’, ‘a ma­lu­ca’, ‘a men­ti­ro­sa’, ‘a pu­ta’ (...). Se nin­guém sou­ber, é mais fá­cil fin­gir que não acon­te­ceu e vi­ver nor­mal­men­te. Mas acon­te­ceu. E não se vi­ve nor­mal­men­te. E não pas­sa. E pas­sa­ram 25 anos.”

Helena Fer­ro Gou­veia es­tá a es­cre­ver um li­vro so­bre mu­lhe­res que fo­ram al­vo de vi­o­la­ções ou de ten­ta­ti­vas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.