“Só 3%, 4% das si­tu­a­ções de­nun­ci­a­das são si­mu­la­ções”

Nú­me­ros são cla­ros: fal­sas acu­sa­ções são re­si­du­ais. Pro­va di­fí­cil e me­do do des­fe­cho atra­sam de­ci­são de de­nun­ci­ar

Edição Público Porto - - DESTAQUE - Ali­ne Flor

uma das “ideias flu­tu­an­tes” que Isabel Ven­tu­ra en­con­trou na sua lon­ga in­ves­ti­ga­ção às de­ci­sões ju­di­ci­ais so­bre cri­mes de vi­o­la­ção: o pre­con­cei­to de que “as mu­lhe­res men­tem”. Há uma des­con­fi­an­ça his­tó­ri­ca so­bre as ví­ti­mas de vi­o­la­ção, na sua es­ma­ga­do­ra mai­o­ria mu­lhe­res, ou­vi­das com cau­te­la, con­si­de­ra­das ar­di­lo­sas. Um con­cei­to que desapareceu das in­ter­pre­ta­ções le­gais, mas que per­ma­ne­ce “a flu­tu­ar” no sen­so co­mum.

Com a aten­ção que tem vin­do a ser da­da a si­tu­a­ções de vi­o­lên­cia se­xu­al ale­ga­da­men­te ocor­ri­das há vá­ri­os anos, o fantasma das “fal­sas de­nún­ci­as” vol­tou a pai­rar. Mas os da­dos re­co­lhi­dos com ri­gor ci­en­tí­fi­co mos­tram que a pre­va­lên­cia é mui­to bai­xa. “Há uma per­cen­ta­gem re­la­ti­va­men­te mí­ni­ma —tal­vez 3%, 4%, va­ria um pou­co — de si­tu­a­ções que são de­nun­ci­a­das e que são si­mu­la­ções”, re­a­ge o di­rec­tor na­ci­o­nal adjunto da Po­lí­cia Ju­di­ciá­ria, Car­los Fa­ri­nha, re­me­ten- do pa­ra a sua ex­pe­ri­ên­cia pro­fis­si­o­nal e tam­bém en­quan­to for­ma­dor nas áre­as de in­ves­ti­ga­ção cri­mi­nal, in­cluin­do de cri­mes se­xu­ais.

Os da­dos sur­gem em di­ver­sos es­tu­dos in­ter­na­ci­o­nais so­bre o cri­me de vi­o­la­ção, mas é de um es­tu­do con­du­zi­do em 2008 por uma equi­pa do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Me­di­ci­na Le­gal (INML), no âm­bi­to de um pro­jec­to eu­ro­peu so­bre o per­cur­so das de­nún­ci­as de vi­o­la­ção até às (pou­cas) con­de­na­ções, que se co­nhe­ce a es­ta­tís­ti­ca por­tu­gue­sa de re­fe­rên­cia pa­ra as cha­ma­das “ale­ga­ções fal­sas” — ape­nas 5%.

Isabel Ven­tu­ra cha­ma a aten­ção pa­ra o fac­to de ser pre­ci­so al­gu­ma cau­te­la ao de­fi­nir o que con­ta co­mo “fal­sa de­nún­cia”. No es­tu­do eu­ro­peu co­or­de­na­do pe­la bri­tâ­ni­ca Liz Kelly em que Por­tu­gal par­ti­ci­pou, a pro­por­ção de fal­sas acu­sa­ções nos no­ve paí­ses ana­li­sa­dos va­ri­ou en­tre 1% e 9%, em li­nha com ou­tros ti­pos de cri­me. Mas nos paí­ses em que as si­mu­la­ções de cri­me são se­pa­ra­das dos ca­sos de au­sên­cia de pro­vas, as per­cen­ta­gens si­tu­a­vam-se abai­xo dos 5%.

“Elas tam­bém in­ven­tam mui­to” é uma afir­ma­ção de sen­so co­mum, que tam­bém se ou­ve en­tre pro­fis­si­o­nais da Ad­mi­nis­tra­ção In­ter­na e da área ju­di­ci­al, con­ta Dá­lia Cos­ta, do­cen­te do ISCSP.

Pa­ra Ce­li­na Ma­ni­ta, in­ves­ti­ga­do­ra da Faculdade de Psi­co­lo­gia e Ci­ên­ci­as da Edu­ca­ção da Uni­ver­si­da­de do Por­to, a per­cep­ção é que um dos dis­su­a­so­res da de­nún­cia de uma agres­são é, mais fre­quen­te­men­te, a ideia de que o re­sul­ta­do fi­nal não se­rá fa­vo­rá­vel. “É mais a ideia de que pos­so pas­sar por uma si­tu­a­ção que me vai ex­por, que me vai pro­vo­car so­fri­men­to, e no fim tal­vez não acon­te­ça na­da, mes­mo que se­ja pro­va­da.”

De­sis­tên­ci­as

Re­gres­se-se en­tão às ta­xas de atri­to, o pro­ces­so pe­lo qu­al os ca­sos de vi­o­la­ção sa­em do sis­te­ma ju­di­ci­al an­tes de che­gar a jul­ga­men­to. No es­tu­do do INML, 39% das ví­ti­mas de­sis­ti­ram ao lon­go do pro­ces­so e 32% dos ca­sos fo­ram ar­qui­va­dos pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co por não con­se­guir re­co­lher in­dí­ci­os su­fi­ci­en­tes pa­ra le­var a jul­ga­men­to. Tra­ta-se, afi­nal, de um cri­me em que exis­te al­gu­ma di­fi­cul­da­de na pro­du­ção da pro­va, em par­ti­cu­lar quan­do fa­lha a pe­rí­cia mé­di­co-le­gal, su­bli­nha Mar­le­ne Ro­dri­gues, co-au­to­ra do es­tu­do.

No fi­nal das con­tas, dos 100 ca­sos ana­li­sa­dos, ape­nas 11 ti­nham si­do jul­ga­dos na al­tu­ra do es­tu­do, com três ab­sol­vi­dos e oi­to con­de­na­ções. “As ví­ti­mas são sem­pre ava­li­a­das em ar­ti­cu­la­ção com quem es­tão a acu­sar”, no­ta Isabel Ven­tu­ra.

ali­ne.flor@pu­bli­co.pt

MA­NU­EL RO­BER­TO

39% das ví­ti­mas de­sis­ti­ram ao lon­go do pro­ces­so

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.