Azeredo Lo­pes só foi elo­gi­a­do pe­lo mi­nis­tro que o aju­dou a ir pa­ra o Go­ver­no

Santos Sil­va dis­se que a demissão do mi­nis­tro da De­fe­sa, “ami­go de há mui­tos anos”, o “eno­bre­ce”

Edição Público Porto - - POLÍTICA -

O mi­nis­tro dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros afir­mou que a demissão do mi­nis­tro da De­fe­sa Na­ci­o­nal “eno­bre­ce” o pró­prio e re­cu­sou adi­an­tar mais co­men­tá­ri­os so­bre a so­lu­ção fu­tu­ra pa­ra aque­la pas­ta go­ver­na­men­tal, re­me­ten­do de­ci­sões pa­ra o pri­mei­ro-mi­nis­tro.

“Só te­nho a di­zer que é um ges­to que eno­bre­ce o pro­fes­sor Azeredo Lo­pes, que, na mi­nha opi­nião, foi um bom mi­nis­tro da De­fe­sa e, além de mais, é um ami­go e co­le­ga de há mui­tos anos”, afir­mou, à mar­gem de um ci­clo de con­fe­rên­ci­as or­ga­ni­za­do pe­lo PS em Lis­boa, Au­gus­to Santos Sil­va, que foi uma das pes­so­as que acon­se­lhou a Cos­ta a es­co­lha de Azeredo pa­ra o car­go de mi­nis­tro da De­fe­sa.

Azeredo Lo­pes de­mi­tiu-se na sex­ta-fei­ra pa­ra evi­tar que as For­ças Ar­ma­das se­jam “des­gas­ta­das pe­lo ata­que po­lí­ti­co” e pe­las “acu­sa­ções” de que dis­se es­tar a ser al­vo na sequên­cia da re­cu­pe­ra­ção das mu­ni­ções rou­ba­das em Tan­cos.

“Não po­dia, e di­go-o de for­ma sen­ti­da, dei­xar que, no que de mim de­pen­des­se, as mes­mas For­ças Ar­ma­das fos­sem des­gas­ta­das pe­lo ata­que po­lí­ti­co ao mi­nis­tro que as tu­te­la”, re­fe­riu Azeredo Lo­pes, na car­ta en­vi­a­da ao pri­mei­ro-mi­nis­tro.

O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Mar­ce­lo Re­be­lo de Sousa, acei­tou a exo­ne­ra­ção de Azeredo Lo­pes e aguar­da a pro­pos­ta de um su­ces­sor no car­go por par­te do pri­mei­ro­mi­nis­tro, An­tó­nio Cos­ta.

On­tem, o mi­nis­tro da De­fe­sa ain­da par­ti­ci­pou na reu­nião do Con­se­lho de Mi­nis­tros que apro­vou a ver­são fi­nal do Or­ça­men­to do Es­ta­do que se­rá en­tre­gue no Par­la­men­to ama­nhã.

PÚ­BLI­CO/Lu­sa

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.