Sau­di­tas ca­da vez mais iso­la­dos no ca­so do jor­na­lis­ta

Investigadores tur­cos e nor­te-ame­ri­ca­nos men­ci­o­nam gra­va­ções ví­deo da tor­tu­ra e mor­te de Ja­mal Khashog­gi

Edição Público Porto - - MUNDO - Ma­ria João Gui­ma­rães

A Ará­bia Sau­di­ta pa­re­ce ca­da vez mais iso­la­da quan­do se avo­lu­mam as sus­pei­tas em re­la­ção ao de­sa­pa­re­ci­men­to do jor­na­lis­ta Ja­mal Khashog­gi de­pois de ter en­tra­do no con­su­la­do sau­di­ta em Is­tam­bul pa­ra tra­tar de do­cu­men­tos ne­ces­sá­ri­os ao seu casamento. O se­cre­tá­rio-ge­ral da ONU, An­tó­nio Gu­ter­res, ex­pres­sou pre­o­cu­pa­ção de que de­sa­pa­re­ci­men­tos sem res­pon­sa­bi­li­za­ção es­te­jam a tor­nar-se “o no­vo nor­mal”.

A pres­são di­plo­má­ti­ca e eco­nó­mi­ca co­me­ça a au­men­tar, as­sim co­mo o tom das acu­sa­ções: avo­lu­mam-se as vo­zes a apon­tar in­dí­ci­os de cri­me, co­mo a men­ção por par­te de investigadores tur­cos de gra­va­ções áu­dio e ví­deo da mor­te do jor­na­lis­ta às mãos de sau­di­tas no con­su­la­do.

Ri­ad diz que o jor­na­lis­ta saiu do con­su­la­do; a sua noi­va, que o es­pe­ra­va à saí­da, que ele nun­ca saiu. O Pre­si­den­te tur­co, Re­cep Tayyip Er­do­gan, pe­diu aos sau­di­tas que par­ti­lhem pro­vas: até ago­ra, ape­nas há ima­gens da sua en­tra­da no con­su­la­do a 2 de Ou­tu­bro. O jor­na­lis­ta es­tá ofi­ci­al­men­te de­sa­pa­re­ci­do.

O re­la­to de gra­va­ções do mo­men­to da mor­te foi fei­to pri­mei­ro por uma te­le­vi­são pró-Er­do­gan e de­pois por ou­tros me­dia, ci­tan­do res­pon­sá­veis tur­cos e in­for­ma­ção ob­ti­da por agen­tes ame­ri­ca­nos atra­vés dos seus co­le­gas na Tur­quia. Se­gun­do es­ta in­for­ma­ção, pas­sa­da ao Washing­ton Post, pa­ra o qu­al Khashog­gi es­cre­via, nos re­gis­tos áu­dio “ou­ve-se co­mo [foi in­ter­ro­ga­do, tor­tu­ra­do e mor­to”.

Os EUA têm al­gu­ma in­for­ma­ção pró­pria que, se­gun­do a CNN, in­clui con­ver­sas in­ter­cep­ta­das, em que res­pon­sá­veis sau­di­tas dis­cu­tem um pla­no pa­ra de­ter Khashog­gi.

O jor­na­lis­ta, que sem­pre se re­cu­sou a ser clas­si­fi­ca­do co­mo dis­si­den­te, vi­via en­tre a Tur­quia e os EUA des­de 2017, de­pois de ter de­ci­di­do dei­xar a Ará­bia Sau­di­ta. Ti­nha re­cen­te­men­te con­fes­sa­do, nu­ma con­ver­sa após uma en­tre­vis­ta à BBC, que não se sen­tia se­gu­ro pa­ra vol­tar ao país e que pen­sa­va mes­mo que não po­de­ria nun­ca re­gres­sar. Após o seu de­sa­pa­re­ci­men­to, a BBC de­ci­diu tor­nar pú­bli­ca a gra­va­ção da par­te da con­ver­sa em off the re­cord.

Khashog­gi ti­nha-se tor­na­do mais crí­ti­co do re­gi­me, e da ac­tu­a­ção do prín­ci­pe her­dei­ro, Moham­med bin Sal­man, e re­cu­sa­ra re­cen­te­men­te con­vi­tes pa­ra par­ti­ci­par em cen­tros de es­tu­dos li­ga­dos à Ca­sa de Saud.

O Pre­si­den­te dos EUA, Do­nald Trump, de­cla­rou que es­ta é uma ques­tão “gra­ve”, mas não vê ain­da ra­zão pa­ra sus­pen­der acor­dos de ven­das de ar­mas a Ri­ad. O se­cre­tá­rio-ge­ral da ONU, An­tó­nio Gu­ter­res, afir­mou que é pre­ci­so “sa­ber exac­ta­men­te o que se pas­sou”. “E, cla­ro, quan­do ve­mos a mul­ti­pli­ca­ção des­te ti­po de in­ci­den­tes pen­so que é pre­ci­so en­con­trar mo­dos de as­se­gu­rar que há res­pon­sa­bi­li­za­ção”, in­sis­tiu.

A pres­são eco­nó­mi­ca já co­me­çou. O em­pre­sá­rio bri­tâ­ni­co Ri­chard Bran­son anun­ci­ou que se vai re­ti­rar de dois pro­jec­tos de tu­ris­mo no país e sus­pen­deu negociações so­bre um po­ten­ci­al in­ves­ti­men­to sau­di­ta nas su­as em­pre­sas de­di­ca­das ao es­pa­ço.

Já uma con­fe­rên­cia eco­nó­mi­ca na Ará­bia Sau­di­ta, co­nhe­ci­da co­mo “Da­vos no de­ser­to” (a Sau­di Fu­tu­re In­vest­ment Ini­ti­a­ti­ve), so­ma de­sis­tên­ci­as, des­de par­cei­ros de me­dia co­mo a CNN, CNBC, Fi­nan­ci­al Ti­mes, e Blo­om­berg até en­ti­da­des co­mo o Ban­co Mundial (que can­ce­lou a ida do seu pre­si­den­te, Jim Yong Kim), ou em­pre­sas co­mo a Vi­a­com e a Uber.

mgui­ma­ra­es@pu­bli­co.pt

Khashog­gi dei­xou Ri­ad no ano pas­sa­do, te­men­do ser de­ti­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.