Re­na­mo ame­a­ça sair do pro­ces­so de paz

Edição Público Porto - - MUNDO - So­fia Lo­re­na

Atrasos na pu­bli­ca­ção de re­sul­ta­dos não são no­vi­da­de em Mo­çam­bi­que, mas após três di­as de es­cru­tí­nio con­ti­nu­a­vam por di­vul­gar os vo­tos fi­nais em mais de um ter­ço dos 53 mu­ni­cí­pi­os do país. E, co­mo têm no­ta­do ob­ser­va­do­res e ONG, os atrasos cen­tram-se em au­tar­qui­as on­de a Re­na­mo, prin­ci­pal for­ça da opo­si­ção, es­ta­va em van­ta­gem.

“Se o vo­to po­pu­lar não for res­pei­ta­do, a Re­na­mo vai rom­per com as negociações e as con­sequên­ci­as que daí ad­vi­rem se­rão da in­tei­ra res­pon­sa­bi­li­da­de do Pre­si­den­te [Filipe Nyu­si] e da Fre­li­mo”, dis­se aos jor­na­lis­tas o co­or­de­na­dor in­te­ri­no da Re­na­mo, Os­su­fo Mo­ma­de. O par­ti­do denuncia ir­re­gu­la­ri­da­des em ci­da­des de pe­lo me­nos seis pro­vín­ci­as e re­jei­tou ofi­ci­al­men­te os re­sul­ta­dos em qua­tro.

Quin­ta-fei­ra, o Cen­tro de In­te­gri­da­de Pú­bli­ca (CIP), que faz a sua pró­pria con­ta­gem, já aler­ta­va que a len­ti­dão na di­vul­ga­ção dos re­sul­ta­dos era “pre­o­cu­pan­te”, sem­pre em ci­da­des on­de a Re­na­mo es­ta­va “a li­de­rar a ten­dên­cia de vo­to”.

Mar­ro­meu, na pro­vín­cia de So­fa­la, foi ce­ná­rio de epi­só­di­os de gran­de ten­são, com a po­lí­cia a dis­pa­rar ba­las de bor­ra­cha e gás la­cri­mo­gé­neo e a de­sa­pa­re­cer du­ran­te um dia com as ur­nas de dez cen­tros de vo­to.

A Re­na­mo alerta, en­tre ou­tras, pa­ra a si­tu­a­ção de Mo­na­po, em Nam­pu­la, on­de es­te­ve à fren­te, com 49,16%, an­tes de se­rem en­con­tra­dos 1300 bo­le­tins de vo­to ex­tras que re­ver­te­ram o re­sul­ta­do e de­ram a vi­tó­ria à Fre­li­mo. Mo­ma­de diz que a Re­na­mo tem có­pi­as de edi­tais das 63 me­sas de vo­to que con­fir­mam a sua vi­tó­ria.

Se­gun­do a con­ta­gem do CIP lo­go no dia se­guin­te à vo­ta­ção, a Re­na­mo es­ta­va “em con­di­ções de ga­nhar dez ou mais mu­ni­cí­pi­os, o que se­ria um má­xi­mo his­tó­ri­co”. A Fre­li­mo ti­nha o po­der em 49 au­tar­qui­as.

“Não que­re­mos guerra, mas tam­bém não ad­mi­ti­mos qual­quer ten­ta­ti­va de pôr em cau­sa a von­ta­de po­pu­lar”, su­bli­nhou Mo­ma­de. “O que mais nos pre­o­cu­pa é o si­lên­cio cúm­pli­ce do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca”, acres­cen­tou, acu­san­do a Fre­li­mo de que­rer “em­pur­rar a Re­na­mo pa­ra um no­vo ci­clo de confrontos”.

slo­re­na@pu­bli­co.pt

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.