ONU pre­o­cu­pa­da com cli­ma de vi­o­lên­cia no Bra­sil

Na es­treia dos tem­pos de an­te­na da se­gun­da vol­ta, as can­di­da­tu­ras de Haddad e Bol­so­na­ro de­di­ca­ram-se a ata­car o ri­val

Edição Público Porto - - MUNDO - Ma­nu­el Lou­ro

A ONU diz-se “pro­fun­da­men­te pre­o­cu­pa­da” com o cli­ma de vi­o­lên­cia na cam­pa­nha do Bra­sil, ape­lan­do aos lí­de­res po­lí­ti­cos bra­si­lei­ros pa­ra po­rem um tra­vão a es­ta si­tu­a­ção.

O Al­to Co­mis­sa­ri­a­do das Na­ções Uni­das pa­ra os Di­rei­tos Hu­ma­nos des­cre­ve o ce­ná­rio bra­si­lei­ro co­mo “de­li­ca­do”. “O discurso vi­o­len­to e in­fla­ma­tó­rio des­sas elei­ções, es­pe­ci­al­men­te con­tra [a co­mu­ni­da­de] LGBTI, mu­lhe­res, afro­des­cen­den­tes e aque­les com vi­sões po­lí­ti­cas di­fe­ren­tes é pro­fun­da­men­te pre­o­cu­pan­te, ten­do em con­ta os re­la­tos de vi­o­lên­cia con­tra es­tas pes­so­as”, dis­se a por­ta-voz, Ra­vi­na Sham­da­sa­ni.

Têm exis­ti­do vá­ri­as agressões en­tre apoi­an­tes dos can­di­da­tos à se­gun­da vol­ta das pre­si­den­ci­ais, Fer­nan­do Haddad, do Par­ti­do dos Tra­ba­lha­do­res (PT), e Jair Bo­lo­na­ro, do Par­ti­do So­ci­al Li­be­ral (PSL). O ca­so mais gra­ve ocor­reu na ci­da­de de Salvador, quan­do, na noi­te da pri­mei­ra vol­ta, o mes­tre de ca­po­ei­ra co­nhe­ci­do co­mo “Moa do Ka­ten­dê” foi mor­to com 12 fa­ca­das de­pois de uma dis­cus­são com um apoi­an­te do can­di­da­to de ex­tre­ma-di­rei­ta.

Am­bos os can­di­da­tos já fi­ze­ram um ape­lo con­tra a vi­o­lên­cia. Bol­so- na­ro, que li­de­ra de lon­ge as in­ten­ções de vo­to (a pri­mei­ra son­da­gem pós-pri­mei­ra vol­ta deu-lhe 58% das in­ten­ções de vo­to; 42% pa­ra o can­di­da­to do PT), afir­mou que dis­pen­sa­va os vo­tos “e qual­quer apro­xi­ma­ção de quem pra­ti­ca vi­o­lên­cia”.

Mas es­te cli­ma de ani­mo­si­da­de es­tá bem pa­ten­te na pró­pria cam­pa­nha elei­to­ral. Sex­ta-fei­ra foi o dia de es­treia dos tem­pos de an­te­na na te­le­vi­são e rá­dio reservados a am­bos pa­ra a se­gun­da vol­ta que se re­a­li­za no dia 28 des­te mês: ou­vi­ram-se pou­cas pro­pos­tas e mui­tos ata­ques en­tre as can­di­da­tu­ras.

Os 20 mi­nu­tos diá­ri­os de tem­po de an­te­na são di­vi­di­dos pe­los dois, com ca­da a ter cin­co mi­nu­tos na te­le­vi­são, ou­tros cin­co na rá­dio. Nos dois ca­sos, as can­di­da­tu­ras de­di­ca­ram cer­ca de 30 se­gun­dos às su­as pro­pos­tas. O res­tan­te foi usa­do a ata­car o opo­si­tor.

No ca­so de Bol­so­na­ro, o tem­po de an­te­na foi mar­ca­do pe­lo discurso an­ti­pe­tis­ta, afir­man­do, por exem­plo: “Vermelho ja­mais foi a cor da es­pe­ran­ça, é si­nal de alerta pa­ra o que não que­re­mos no país.” Hou­ve ain­da ví­de­os de apoi­an­tes a ata­ca­rem o ex-pre­si­den­te Lula da Sil­va, des­cre­ven­do-o co­mo “pre­si­diá­rio” ou “chefe de trá­fi­co”.

O tem­po de an­te­na de Haddad co­me­çou por cha­mar a aten­ção pa­ra os ca­sos de vi­o­lên­cia da úl­ti­ma se­ma­na, no­me­a­da­men­te o ho­mi­cí­dio de “Moa do Ka­ten­dê”, en­quan­to sur­gi­am ima­gens de Bol­so­na­ro a em­pu­nhar o tri­pé de uma câ­ma­ra si­mu­lan­do uma me­tra­lha­do­ra.

ma­nu­el.lou­ro@pu­bli­co.pt

RI­CAR­DO MO­RA­ES/REUTERS

Tem­po de an­te­na de Bol­so­na­ro cha­ma “chefe de trá­fi­co” a Lula

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.