Há um pe­ri­go no Bra­sil e não fe­cha­mos os olhos

Edição Público Porto - - ESPAÇO PÚBLICO - Di­o­go Frei­tas do Ama­ral, Pi­lar del Río, Fran­cis­co Lou­çã

Apri­mei­ra vol­ta das elei­ções pre­si­den­ci­ais bra­si­lei­ras con­fir­mou o avan­ço da estratégia do cho­que e pa­vor: qua­se me­ta­de dos elei­to­res deu o seu vo­to a Jair Bol­so­na­ro, que tem fei­to car­rei­ra pe­din­do o as­sas­si­na­to de de­ze­nas de mi­lha­res de pes­so­as, su­ge­rin­do a es­te­ri­li­za­ção das mu­lhe­res po­bres e des­pre­zan­do os va­lo­res es­sen­ci­ais da li­ber­da­de e de­mo­cra­cia. A de­sa­gre­ga­ção do sis­te­ma po­lí­ti­co bra­si­lei­ro, em par­ti­cu­lar des­de a im­pug­na­ção da pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff, a quem, aliás, não foi im­pu­ta­do qual­quer cri­me, mas ape­nas ir­re­gu­la­ri­da­des de ges­tão or­ça­men­tal, es­tá a ser acen­tu­a­da por es­ta ver­ti­gem de ódio per­so­ni­fi­ca­da por Bol­so­na­ro. Nu­ma so­ci­e­da­de tão mar­ca­da pe­la de­si­gual­da­de so­ci­al e por di­vi­sões pro­fun­das, a po­lí­ti­ca do ódio ga­nhou es­pa­ço e con­se­guiu apoi­os vas­tos, en­tre as­so­ci­a­ções em­pre­sa­ri­ais, di­ri­gen­tes dos par­ti­dos tra­di­ci­o­nais, e vá­ri­as Igre­jas, en­vol­ven­do mes­mo in­ter­ven­ções par­ti­da­ri­za­das de juí­zes. As­sim, um fas­cis­ta po­de ga­nhar as elei­ções nu­ma das mai­o­res de­mo­cra­ci­as do mun­do, ame­a­çan­do as re­gras bá­si­cas da vi­da so­ci­al. Quan­do a si­nis­tra me­mó­ria de Pi­no­chet ou de Vi­de­la ain­da es­tá tão pre­sen­te, es­te cla­mor por uma di­ta­du­ra mi­li­tar não po­de ser ig­no­ra­do.

Há mais de 200 anos, Goya pin­tou um dra­ma a que deu o tí­tu­lo de “O so­no da ra­zão pro­duz os mons­tros”. Foi sem­pre as­sim, mas por ve­zes leu-se nes­ta cons­ta­ta­ção a ren­di­ção pe­ran­te a ine­vi­ta­bi­li­da­de. Pe­la nos­sa par­te, não acei­ta­mos so­lu­ções ir­ra­ci­o­nais nem o si­lên­cio co­bar­de pe­ran­te as tra­gé­di­as anun­ci­a­das. É por is­so que, con­si­de­ran­do os nos­sos pon­tos de vis­ta dis­tin­tos, nos jun­ta­mos ho­je pa­ra um ape­lo fun­da­men­tal con­tra a ame­a­ça mons­tru­o­sa no Bra­sil, que afec­ta to­dos os po­vos, em par­ti­cu­lar na Amé­ri­ca La­ti­na, mas tam­bém nou­tros con­ti­nen­tes.

De fac­to, a pes­te an­ti­de­mo­crá­ti­ca es­tá a es­pa­lhar-se. As­sis­ti­mos com pre­o­cu­pa­ção à se­pa­ra­ção de cri­an­ças dos seus pais e a de­poi­men­tos ju­di­ci­ais de me­ni­nos e me­ni­nas de dois e três anos em ca­sos de ex­pul­são de imi­gran­tes nos Es­ta­dos Uni­dos. No­ta­mos a nor­ma­li­za­ção da vi­o­la­ção dos di­rei­tos hu­ma­nos no tra­ta­men­to em vá­ri­os paí­ses eu­ro­peus de re­fu­gi­a­dos de guer­ras e de imi­gran­tes que fo­gem da fo­me. In­dig­na-nos a co­ni­vên­cia de um gran­de par­ti­do eu­ro­peu com a cam­pa­nha de des­man­te­la­men­to da in­de­pen­dên­cia do sis­te­ma ju­di­ciá­rio e da li­ber­da­de de im­pren­sa na Hun­gria. Lemos com in­dig­na­ção o re­co­nhe­ci­men­to pe­lo pre­si­den­te das Fi­li­pi­nas da sua ac­tu­a­ção em as­sas­si­na­tos ex­tra­ju­di­ci­ais. Que o Bra­sil pos­sa vir a ser um no­vo cam­po pa­ra a dis­cri­mi­na­ção das di­fe­ren­ças, o des­pre­zo pe­las mu­lhe­res ou a ver­ti­gem da vi­o­lên­cia é tam­bém mo­ti­vo pa­ra pre­o­cu­pa­ção, e so­bre­tu­do pa­ra uma es­co­lha que nin­guém de­ve ig­no­rar: pe­la nos­sa par­te, to­ma­mos po­si­ção con­tra a in­dig­ni­da­de.

No­ta­mos ain­da que mui­tos res­pon­sá­veis po­lí­ti­cos que ape­la­ram à re­jei­ção da ex­tre­ma-di­rei­ta quan­do a se­gun­da vol­ta das elei­ções pre­si­den­ci­ais fran­ce­sas opu­nha Je­an-Ma­rie Le Pen e Chi­rac ou, de­pois, Marine Le Pen e Ma­cron, se ca­lam ago­ra pe­ran­te uma op­ção tão cla­ra, se não ain­da mais gri­tan­te. Pe­lo nos­so la­do, não nos dei­xa­mos con­di­ci­o­nar por cal­cu­lis­mos mes­qui­nhos. A de­mo­cra­cia e a li­ber­da­de são in­di­vi­sí­veis. Os de­mo­cra­tas e a de­mo­cra­cia bra­si­lei­ra con­tam com a nos­sa in­te­gral so­li­da­ri­e­da­de e em­pe­nho. Pro­fes­sor ca­te­drá­ti­co apo­sen­ta­do da Faculdade de Di­rei­to da Uni­ver­si­da­de No­va de Lis­boa; pre­si­den­te da Fun­da­ção Jo­sé Sa­ra­ma­go; eco­no­mis­ta

A de­mo­cra­cia e a li­ber­da­de são in­di­vi­sí­veis. Os de­mo­cra­tas e a de­mo­cra­cia bra­si­lei­ra con­tam com a nos­sa in­te­gral so­li­da­ri­e­da­de e em­pe­nho

PI­LAR OLIVARES/REUTERS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.