Ma­gis­tra­dos de­sa am Go­ver­no a ac­tu­ar con­tra en­ri­que­ci­men­to ilí­ci­to

Sin­di­ca­tos de juí­zes e de pro­cu­ra­do­res mos­tram-se crí­ti­cos da es­tra­té­gia an­ti­cor­rup­ção do Go­ver­no. E que­rem au­men­to das pe­nas apli­ca­das a es­tes cri­mes e mai­or con­tro­lo do fı­nan­ci­a­men­to par­ti­dá­rio e dos au­tar­cas

Edição Público Lisboa - - PRIMEIRA PÁGINA - Ana Hen­ri­ques abhen­ri­ques@pu­bli­co.pt

Juí­zes e pro­cu­ra­do­res que­rem en­ri­que­ci­men­to in­jus­tifı­ca­do na lei de uma vez por to­das e de­safıam Go­ver­no a in­cluí-lo no pa­co­te an­ti­cor­rup­ção. Au­men­to das pe­nas e mai­or con­tro­lo do fı­nan­ci­a­men­to par­ti­dá­rio e dos au­tar­cas são ou­tras pro­pos­tas

Os sin­di­ca­tos de ma­gis­tra­dos que­rem apro­vei­tar a es­tra­té­gia de com­ba­te à cor­rup­ção que o Go­ver­no sub­me­teu a dis­cus­são pú­bli­ca pa­ra ve­rem o en­ri­que­ci­men­to ilí­ci­to ser, de uma vez por to­das, con­si­de­ra­do cri­me. Po­rém, nas 78 pá­gi­nas que cons­ti­tu­em a pro­pos­ta ela­bo­ra­da por um gru­po de ju­ris­tas a pe­di­do do Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça não há uma úni­ca pa­la­vra so­bre o as­sun­to.

O mes­mo su­ce­de, de res­to, com o fi­nan­ci­a­men­to par­ti­dá­rio e a cor­rup­ção, quer no seio das au­tar­qui­as, quer dos ór­gãos do Es­ta­do, pa­ra es­pan­to da As­so­ci­a­ção Sin­di­cal de Juí­zes Portuguese­s, que con­si­de­ra es­tas omis­sões in­com­pre­en­sí­veis. “Uma es­tra­té­gia de com­ba­te à cor­rup­ção que não olhe de fren­te, com co­ra­gem, pa­ra o pro­ble­ma da pro­mis­cui­da­de en­tre o exer­cí­cio do poder e o fi­nan­ci­a­men­to de par­ti­dos e das cam­pa­nhas elei­to­rais es­tá am­pu­ta­da de um as­pec­to fun­da­men­tal e não po­de ser le­va­da a sé­rio”, diz um pa­re­cer que os ma­gis­tra­dos ju­di­ci­ais en­tre­ga­ram à mi­nis­tra da Jus­ti­ça. Es­ta as­so­ci­a­ção cha­ma a aten­ção pa­ra as dis­cre­pân­ci­as en­tre o que os go­ver­nan­tes têm pro­cla­ma­do e aqui­lo que têm efec­ti­va­men­te fei­to, nu­ma al­tu­ra em que exis­te o ris­co de os fun­dos eu­ro­peus que vão che­gar pa­ra col­ma­tar os efei­tos eco­nó­mi­cos da pan­de­mia irem pa­rar aos bol­sos de uns pou­cos — “tal­vez até dos mes­mos”.

Si­nais de aler­ta

“In­fe­liz­men­te, por fal­ta de von­ta­de po­lí­ti­ca das su­ces­si­vas li­de­ran­ças do país, o com­ba­te à cor­rup­ção foi sem­pre uma pri­o­ri­da­de no dis­cur­so, mas nun­ca foi uma pri­o­ri­da­de na ac­ção”, cri­ti­cam os juí­zes, cha­man­do a aten­ção pa­ra si­nais de aler­ta co­mo a lei ter pas­sa­do a isen­tar de vis­to pré­vio do Tri­bu­nal de Contas cer­tas par­ce­ri­as pú­bli­co-pri­va­das ce­le­bra­das pe­las au­tar­qui­as ou ain­da a re­cen­te pro­pos­ta de fle­xi­bi­li­za­ção do Có­di­go de Con­tra­ta­ção Pú­bli­ca. Não exis­tin­do, na es­tra­té­gia apre­sen­ta­da pe­lo Go­ver­no pa­ra vi­go­rar até 2024, “qual­quer me­di­da es­pe­ci­fi­ca­men­te ori­en­ta­da pa­ra uma re­a­li­da­de on­de os ris­cos são, no­to­ri­a­men­te, ele­va­dos, co­mo é o ca­so das au­tar­qui­as”, es­ta as­so­ci­a­ção sin­di­cal pro­põe desde já a re­ac­ti­va­ção da Ins­pec­ção-Ge­ral da Ad­mi­nis­tra­ção Lo­cal. Por­que desde que es­te or­ga­nis­mo foi ex­tin­to e fun­di­do com a Ins­pec­ção-Ge­ral de Fi­nan­ças, já lá vai qua­se uma dé­ca­da, “tu­do o que que era con­tro­lo in­ter­no so­bre o sec­tor das au­tar­qui­as lo­cais foi re­le­ga­do pa­ra um pla­no se­cun­dá­rio”.

E on­de es­tão as me­di­das pa­ra de­tec­tar a cor­rup­ção pra­ti­ca­da nos ní­veis su­pe­ri­o­res da di­rec­ção po­lí­ti­ca dos ór­gãos de Es­ta­do — Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca, As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca, Go­ver­no, en­ti­da­des re­gu­la­do­ras e ins­ti­tu­tos pú­bli­cos? As bre­ves re­fe­rên­ci­as fei­tas à clas­se po­lí­ti­ca na es­tra­té­gia di­vul­ga­da pe­lo exe­cu­ti­vo não sa­tis­fa­zem os juí­zes. Que põem a hi­pó­te­se de ter si­do es­ta clas­se a pro­mo­ver um sis­te­ma le­gal de tal mo­do fa­vo­rá­vel aos ar­gui­dos que as su­as ga­ran­ti­as de de­fe­sa se te­nham trans­for­ma­do em au­tên­ti­ca im­pu­ni­da­de.

Re­cor­dan­do que a ac­tu­al or­dem ju­rí­di­ca por­tu­gue­sa con­ti­nua a não dar cum­pri­men­to à Con­ven­ção das Na­ções Uni­das Con­tra a Cor­rup­ção em ma­té­ria de en­ri­que­ci­men­to ilí­ci­to, es­ta as­so­ci­a­ção sin­di­cal pro­põe uma so­lu­ção pa­ra ul­tra­pas­sar os obs­tá­cu­los le­van­ta­dos pe­lo Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal às vá­ri­as ten­ta­ti­vas de cri­mi­na­li­zar es­te fe­nó­me­no. “Bas­ta­rá acres­cen­tar aos ac­tu­ais dis­po­si­ti­vos le­gais que re­gu­lam a fis­ca­li­za­ção dos ren­di­men­tos e pa­tri­mó­nio dos ti­tu­la­res de car­gos pú­bli­cos o de­ver de jus­ti­fi­car a aqui­si­ção de pa­tri­mó­nio du­ran­te o exer­cí­cio do car­go aci­ma de cer­to va­lor (e não ape­nas de­cla­rar a aqui­si­ção des­se pa­tri­mó­nio, co­mo ago­ra) e fa­zer cor­res­pon­der o no­vo cri­me à vi­o­la­ção des­se de­ver”, su­ge­re-se. Nos ca­sos em que os bens não es­te­jam em no­me do seu ver­da­dei­ro do­no, uma vez pro­va­da a sua ti­tu­la­ri­da­de o cri­mi­no­so se­rá pu­ni­do, “não por se pre­su­mir que en­ri­que­ceu ili­ci­ta­men­te, mas por ter en­ri­que­ci­do sem o de­cla­rar e jus­ti­fi­car”.

En­du­re­cer pe­nas

O com­ba­te à cor­rup­ção tem si­do uma pri­o­ri­da­de no dis­cur­so po­lí­ti­co, mas não na ac­ção, cri­ti­cam os juí­zes

Já o Sin­di­ca­to de Ma­gis­tra­dos do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co quer, além de tam­bém ver re­to­ma­da a dis­cus­são do en­ri­que­ci­men­to ile­gí­ti­mo, que se­jam au­men­ta­das as pe­nas apli­cá­veis à cri­mi­na­li­da­de eco­nó­mi­co-fi­nan­cei­ra. E tam­bém que o pra­zo máximo de pres­cri­ção des­te ti­po de de­li­tos su­ba dos ac­tu­ais 15 anos pa­ra 20 anos. Afi­nal, que sen­ti­do faz que a con­du­ção sob em­bri­a­guez se­ja pu­ni­da com mais se­ve­ri­da­de que o cri­me de par­ti­ci­pa­ção eco­nó­mi­ca em ne­gó­cio, que nal­gu­mas cir­cuns­tân­ci­as só é pu­ní­vel com até seis me­ses de pri­são?

An­tó­nio Ven­ti­nhas, que di­ri­ge o sin­di­ca­to, ex­pli­ca que o pa­re­cer dos pro­cu­ra­do­res não é uma res­pos­ta ao do­cu­men­to do Go­ver­no, mas sim uma pro­pos­ta au­tó­no­ma que elen­ca me­di­das de com­ba­te à cor­rup­ção. O do­cu­men­to, a en­vi­ar igual­men­te à mi­nis­tra, não quan­ti­fi­ca o au­men­to das pe­nas. Mas pre­vê que quem re­cor­ra de con­de­na­ções por es­te ti­po de cri­mes pa­ra o Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal pos­sa ir pa­rar à ca­deia an­tes de os juí­zes do Pa­lá­cio Rat­ton se pro­nun­ci­a­rem, ca­so a sua cul­pa­bi­li­da­de já te­nha si­do da­da sem­pre co­mo pro­va­da nas ins­tân­ci­as an­te­ri­o­res.

Das me­di­das avan­ça­das pelos pro­cu­ra­do­res fa­zem ain­da par­te a cri­a­ção de um pla­fond pa­ra os le­van­ta­men­tos em nu­me­rá­rio ao bal­cão dos ban­cos, a cri­a­ção de um ga­bi­ne­te na­ci­o­nal de co­or­de­na­ção do com­ba­te à cor­rup­ção no seio da Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da Re­pú­bli­ca, bem co­mo de um fun­do com o di­nhei­ro apre­en­di­do no âm­bi­to des­te ti­po de de­li­tos que sir­va pa­ra re­for­çar o com­ba­te ao fe­nó­me­no. Co­mo di­zem os juí­zes, “sem uma ade­qua­da e de­ci­si­va atri­bui­ção de re­cur­sos fi­nan­cei­ros, es­ta es­tra­té­gia não pas­sa­rá de mais um pa­li­a­ti­vo pa­ra dis­far­çar mo­men­ta­ne­a­men­te a fal­ta de von­ta­de po­lí­ti­ca e dei­xar tu­do na mes­ma”. Até à pró­xi­ma es­tra­té­gia.

RUI GAUDÊNCIO

A mi­nis­tra da jus­ti­ça e os lí­de­res dos sin­di­ca­tos do MP e juí­zes

NEL­SON GARRIDO

NU­NO FERREIRA SAN­TOS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.