Edição Público Lisboa

Spor­ting e FC Por­to anu­lam-se em “clás­si­co” com qua­tro go­los

O go­lo do em­pa­te, aos 87’, dá ne­xo ao re­sul­ta­do, de­pois de as equi­pas se te­rem anu­la­do em to­da a li­nha. O FC Por­to foi pe­na­li­za­do pe­lo seu con­ser­va­do­ris­mo e apa­tia na segunda par­te

- Cró­ni­ca de jo­go Di­o­go Car­do­so Oli­vei­ra Sports · Futebol Clube do Porto · Santos · Corona · Lisbon · Este · Danilo · Porto · João Mário · Pepe · Romário · Sérgio Conceição · Evora

Spor­ting 2

Nu­no San­tos 9’, Vi­e­to 88’ FC Por­to 2

Uri­be 25’, Co­ro­na 45’’

Jo­go no Es­tá­dio Jo­sé Al­va­la­de, em Lis­boa.

Spor­ting Adán, Ne­to ●45’ (Ti­a­go To­más, 62’), Co­a­tes ●80’, Fed­dal ●61’, Por­ro (João Má­rio, 78’), Pa­lhi­nha, Matheus Nu­nes (Spo­rar, 78’), Nu­no Men­des, Po­te ●11’, Nu­no San­tos (Gon­za­lo Pla­ta, 62’), Jo­va­ne (Vi­et­to, 56’). Trei­na­dor Rú­ben Amo­rim.

FC Por­to Mar­che­sín ●87’, Ma­na­fá (Na­nu, 76’), Mbem­ba, Pe­pe, Zai­du ●21’, Uri­be (Ta­re­mi,90’+2’), Sér­gio Oli­vei­ra, Otá­vio ●55’ (Ro­má­rio Ba­ró, 76’), Co­ro­na ●19’, Luis Díaz (To­ni Mar­tí­nez, 59’), Ma­re­ga (Fe­li­pe An­der­son, 56’). Trei­na­dor Sér­gio Con­cei­ção.

Ár­bi­tro Luís Go­di­nho (AF Évo­ra)

Po­si­ti­vo/Ne­ga­ti­vo

Pa­lhi­nha

Gran­de jo­go do mé­dio, que é um cla­ro up­gra­de co­mo jo­ga­dor mais re­cu­a­do do meio-cam­po. Mui­ta agres­si­vi­da­de sem bo­la e mui­ta pre­dis­po­si­ção pa­ra dar li­nhas de pas­se na pri­mei­ra fa­se de cons­tru­ção.

Pe­pe

Jo­go tre­men­do do ca­pi­tão por­tis­ta, “lim­pan­do” tu­do o que apa­re­ceu pe­la fren­te.

Co­ro­na

Não foi bri­lhan­te du­ran­te 90 mi­nu­tos, mas vol­tou a mos­trar ma­gia quan­do foi cha­ma­do a de­ci­dir.

Co­a­tes e Ne­to

Mui­tos er­ros téc­ni­cos dos cen­trais “le­o­ni­nos” que po­di­am ter cus­ta­do ca­ro.

2.ª par­te do FC Por­to Em bom por­tu­guês, o FC Por­to co­lo­cou-se a jei­to pa­ra o que veio a acon­te­cer.

O Spor­ting não ga­nha um clás­si­co na I Li­ga desde 2016. São já mais de qua­tro anos sem triun­fos em jo­gos gran­des e tam­bém não foi on­tem que a si­na mu­dou. Spor­ting e FC Por­to em­pa­ta­ram (2-2), num jo­go que po­de­rá per­mi­tir ao Ben­fi­ca alar­gar a van­ta­gem pa­ra os ri­vais. O go­lo de Vi­et­to, aos 87’, dá jus­ti­ça ao re­sul­ta­do, de­pois de as equi­pas se te­rem anu­la­do em to­da a li­nha. O FC Por­to foi pe­na­li­za­do pe­lo con­ser­va­do­ris­mo na segunda par­te e, nu­ma aná­li­se li­mi­ta­da às opor­tu­ni­da­des cla­ras de go­lo, até po­de­ria ter saí­do de Al­va­la­de com me­nos do que um pon­to.

A pri­mei­ra par­te foi in­ten­sa, co­mo se es­pe­ra de qual­quer clás­si­co, e, ape­sar de nem sem­pre bem jo­ga­da, te­ve vá­ri­os lan­ces jun­to das áre­as. Nenhuma das equi­pas con­tro­lou cla­ra­men­te o jo­go, mas o Spor­ting, ape­sar de um li­vre pe­ri­go­so de Sér­gio Oli­vei­ra no pri­mei­ro mi­nu­to, pa­re­ceu en­trar mais con­for­tá­vel, so­bre­tu­do por­que cor­ri­giu, com a en­tra­da de Pa­lhi­nha no “on­ze”, um dos pro­ble­mas da equi­pa: so­lu­ções na pri­mei­ra fa­se de cons­tru­ção.

A an­te­ri­or du­pla, Matheus e Wen­del, es­con­dia-se do jo­go, dei­xan­do os cen­trais re­féns de li­nhas de pas­se, mas Pa­lhi­nha es­te­ve per­ma­nen­te­men­te a ofe­re­cer-se pa­ra re­ce­ber e cir­cu­lar, o que deu flui­dez à pri­mei­ra fa­se de cons­tru­ção “le­o­ni­na” — e nem mes­mo is­to evi­tou os cons­tan­tes er­ros téc­ni­cos de Ne­to e Co­a­tes.

E foi pre­ci­sa­men­te por Pa­lhi­nha que sur­giu o pri­mei­ro bom lan­ce do Spor­ting, com o mé­dio a mos­trar mui­ta agres­si­vi­da­de sem bo­la. De­pois da ac­ção de­fen­si­va do mé­dio,

Jo­va­ne iso­lou Matheus , que per­mi­tiu a de­fe­sa a Mar­che­sín. Es­te foi o avi­so, aos 8’. Se­gun­dos de­pois, veio o go­lo. Cru­za­men­to lar­go de Por­ro e Nu­no San­tos, com Ma­na­fá a de­fen­der mui­to por den­tro, te­ve es­pa­ço pa­ra re­ma­tar de pri­mei­ra.

O jo­go do FC Por­to es­ta­va al­go de­pen­den­te dos rai­des in­di­vi­du­ais de Co­ro­na e Luis Díaz — o me­xi­ca­no cri­ou um bom lan­ce aos 13’ e o co­lom­bi­a­no aos 22’ —, com a equi­pa a ex­plo­rar pou­co aqui­lo que mais sa­be, a pro­fun­di­da­de. Ma­re­ga foi mais so­li­ci­ta­do em apoi­os fron­tais do que no es­pa­ço e pou­cas jo­ga­das ti­nham ne­xo no ata­que por­tis­ta. E a pre­sen­ça de Sér­gio Oli­vei­ra tão re­cu­a­do, no lu­gar de Da­ni­lo, dei­xou a equi­pa re­fém da che­ga­da a área do mé­dio — uma das gran­des no­vi­da­des

do FC Por­to da úl­ti­ma época.

Aos 25’, nu­ma fa­se em que os “dra­gões” es­ta­vam a cres­cer no jo­go, Zai­du en­car­nou Alex Tel­les e fez um cru­za­men­to per­fei­to pa­ra Uri­be fi­na

li­zar — Co­a­tes “mar­cou-o com os olhos”, mas is­so não che­ga.

Aos 45’, pou­co de­pois de Po­te des­per­di­çar um bom lan­ce na área por­tis­ta, o FC Por­to, após um can­to a fa­vor do Spor­ting, con­se­guiu dei­xar Luis Díaz ape­nas pe­ran­te Nu­no Men­des na zo­na do meio-cam­po. O du­e­lo fí­si­co sor­riu ao co­lom­bi­a­no, que cor­reu pa­ra a área. Foi lá que aca­bou por sur­gir Co­ro­na a fa­zer o que mais tem fei­to: ser de­ci­si­vo. O me­xi­ca­no dri­blou Fed­dal, com ar­te, e fi­na­li­zou

com uma bo­la “pi­ca­da”, com a clas­se ha­bi­tu­al. Jo­gan­do bem ou mal, ter Co­ro­na é, pa­ra o FC Por­to, es­tar sem­pre per­to de ser fe­liz.

An­tes do in­ter­va­lo ain­da hou­ve uma ro­le­ta rus­sa de emo­ções pa­ra o Spor­ting. Pri­mei­ro, vi­ram Luís Go­di­nho api­tar pe­nál­ti de Zai­du e ex­pul­sar o por­tis­ta. Pou­co de­pois, o VAR su­ge­riu que o ár­bi­tro vis­se as ima­gens e o juiz re­ver­teu a de­ci­são. Re­sul­ta­do: staf do Spor­ting ira­do, Rú­ben Amo­rim ex­pul­so e Ne­to ama­re­la­do.

Se a pri­mei­ra par­te não ti­nha si­do bri­lhan­te, ape­sar de al­guns lan­ces de bom ní­vel, a segunda foi ain­da pi­or. O jo­go de­cres­ceu mui­to de qua­li­da­de e as­sis­tiu-se a mais er­ros dos jo­ga­do­res e fal­tas do que bom fu­te­bol.

Agar­ra­do à van­ta­gem, o FC Por­to bai­xou as li­nhas e o Spor­ting, ape­sar de glo­bal­men­te do­mi­na­dor, não foi ca­paz de fe­rir e co­lo­car pas­ses ver­ti­cais em zo­nas de de­ci­são e fi­na­li­za

ção — Po­te pa­re­ceu des­per­di­ça­do nu­ma zo­na tão avan­ça­da do ter­re­no, co­mo um dos três da fren­te. En­trou­se nu­ma to­a­da de mais lu­ta do que fu­te­bol e, de­pois de uma pri­mei­ra par­te com mui­ta emo­ção nas áre­as, a segunda, à ex­cep­ção de um bom dis­pa­ro cru­za­do do sem­pre mui­to re­ma­ta­dor Por­ro, foi jo­ga­da qua­se “sem ba­li­zas”.

O jo­go ca­mi­nha­va pa­ra o fi­nal sem que o Spor­ting ti­ves­se en­ge­nho pa­ra des­truir a boa or­ga­ni­za­ção de uma equi­pa ma­du­ra, mas um lan­ce con­fu­so, aos 87’, per­mi­tiu a Vi­et­to fi­na

li­zar na pe­que­na área, de­pois de uma de­fe­sa de Mar­che­sín a um re­ma­te de Spo­rar. E es­te des­fe­cho traz jus­ti­ça ao que se pas­sou em cam­po.

 ??  ??
 ?? AN­TO­NIO COTRIM/EPA ?? Pe­pe e Pe­dro Gon­çal­ves (Po­te) num dos mo­men­tos do jo­go en­tre o Spor­ting e o FC Por­to, on­tem, em Al­va­la­de
AN­TO­NIO COTRIM/EPA Pe­pe e Pe­dro Gon­çal­ves (Po­te) num dos mo­men­tos do jo­go en­tre o Spor­ting e o FC Por­to, on­tem, em Al­va­la­de
 ??  ??

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal